Histórias orais de professores de Química: motivos para escolher e permanecer nessa profissão

Autores

Palavras-chave:

Formação de professores. Saberes Docentes. História Oral. Química.

Resumo

A formação de professores é uma temática estudada há anos na área de educação. E, mesmo existindo políticas de incentivos para essa carreira, muitos licenciandos em química acabam seguindo essa profissão mesmo não tendo pensado nessa possibilidade. Alguns fatores podem influenciar nessa decisão, como a ausência de oportunidades no mercado de trabalho, seja em indústrias, laboratórios, ou áreas correlatas. Assim, a pesquisa objetivou conhecer histórias orais de professores de química da educação básica para investigar o que os levaram a escolher e a permanecer nessa profissão. Na metodologia qualitativa, priorizou-se a pesquisa do tipo narrativa e para a coleta de dados aplicou-se o método da História Oral conforme Meihy (2000), pois permite compreender as experiências de indivíduos que queiram expressar aspectos de sua vida. Os resultados evidenciaram que apesar de quatro dos professores não terem em mente à docência como a primeira opção, os anos de trabalho lhes propiciaram diversos fatores aos quais os mantiveram na profissão, como a importância da relação professor-aluno, poder fazer a diferença para a sociedade, sentirem-se realizados, a estabilidade no emprego. Conclui-se que esses resultados podem ser complementados com a realização de novas pesquisas para incentivar licenciandos a escolherem e investirem na docência.

Oral histories of Chemistry teachers: reasons to follow and stay in this profession

Abstract

Teacher Education has been a theme studied for years in the educational field. And, even though there are incentive policies for this career, many undergraduates in chemistry end up following this profession although they have never thought about this possibility. A few factors can influence in this decision, such as the absence of opportunities in the labor market, whether in industries, laboratories, or related areas. Thus, the research aimed to acknowledge oral histories from basic education chemistry teachers to investigate what led them to choose and stay in this profession. In the qualitative methodology, priority was given to narrative research and for data collection, the Oral History method was applied, according to Meihy (2000), as it allows the experience understanding of individuals who want to express aspects of their life. The results showed that although four of the teachers did not have teaching in mind as their first option, the years of work provided them with several factors that kept them in the profession: such as the importance of the teacher-student relationship, being able to make a difference for the society, feeling fulfilled and job stability. It is concluded that these results can be complemented with the realization of new research to encourage undergraduate students to choose and invest in teaching.

Teacher Education, Teaching Knowledge, Oral History, Chemistry.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Ferreira Baptistone, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Licenciado em Química pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná  (UTFPR). Atualmente é especializando no curso de Práticas Interdisciplinares para o Ensino de Ciências pelo Instituto Federal do Paraná (IFPR) e mestrando no Programa  de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, na Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Márcia Camilo Figueiredo, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) - campus Londrina

Licenciada em Química pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), especalista em capacitação docente no Ensino de Ciências e Mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática pela UEM  e Doutorado em Educação para a Ciência Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus Bauru. Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Câmpus Londrina, atuando no Departamento Acadêmico de Química - DAQUI, e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza - PPGEN.

Referências

ALVES, M. C. O. S. A importância da História Oral como metodologia de pesquisa In: SEMANA DE HISTÓRIA DO PONTAL, 6., 2016, Uberlândia. Anais… Uberlândia: UFU, 2016.

ARROIO, A. et al. O show da Química: motivando o interesse científico. Química Nova, v. 29, n. 1, p. 173-178, 2006.

BAPTSITONE, G. F. Histórias orais de educadores: narrativas de como me tornei docente e necessidade formativas. 2019. 79 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Licenciatura em Química). Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR. Londrina, Paraná.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). 2019. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/1359

-rcp002-19/file>. Acesso em: 15 de ago. 2020.

CHARLOT, B. Formação de professores: a pesquisa e a política educacional. In: PIMENTA, S. G; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo, SP: Cortez, p. 103-126. 2012.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEI/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

DAVOGLIO, T. R; SPAGNOTO, C; SANTOS, B. S. Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicologia Escolar e Educacional, v. 21, n.2, mai/ago, p. 175-182. 2017.

DELGADO, L. A. N. Dossiê: História Oral e narrativa: tempo, memória e identidades. Tempo e Narrativa. Associação Brasileira de História Oral. v. 6 mai. 2003.

DEROSSI, I. N; FREITAS-REIS, I. Uma educadora cientifica no século XIX e algumas questões sexistas por ela enfrentadas: Marie Curie superando preconceitos de gênero. Educación Química, v. 30, n. 4. p. 89-97. 2019.

FIORIN, M. M. B; PINHEIRO E SILVA, S. F. Percepções e julgamentos estéticos na sala de aula. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 62., Curitiba. Anais... Curitiba: UP, 2018.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GRESCZYSCZYN, M, C, C; FIGUEIREDO, M. C. Quais são os motivos que levam estudantes a ingressarem na licenciatura em Química? In: ENCONTRON NACIONAL DE DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE ENSINO, 19., Salvador. Anais… Salvador: UFBA, 2018.

KAWANAMI, S. Japão em Foco. Professores no Japão. 2014. Disponível em: <https://www.japaoemfoco.com/professores-no-japao/> Acesso em: 06 set. 2020.

LIBÂNEO, J. C. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: PIMENTA, S. G; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo – SP: Cortez, 2012. p. 63-93.

LORENCINI JR, Á. As Demandas Formativas do Professor de Ciências. In: CAINELLI, Marlene Rosa; SILVA Ileizi Fiorelli (Organizadoras). O Estágio na Licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. Londrina: UEL, 2009, p. 21-42.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas S. A. 2003.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola. 2000.

MEIHY, J. C. S B; RIBEIRO, S L. S. Guia prático de História Oral: para empresas, universidades, comunidades, famílias. São Paulo: Contexto. 2011.

MOREIRA, H. Investigação da motivação do professor: a dimensão esquecida. Educação & Tecnologia, n. 1, 1997. Disponível em: < http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1016>. Acesso em: 03 nov. 2020.

PASSARINHO, N. S. Salários altos, prestígio, apoio ao estudo: as lições dos países que tratam bem seus professores. BBC News. 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portu

guese/geral-45680063>. Acesso em: 06 ago. 2020.

PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo. SP: Cortez, 2012. p. 19-62.

RIBERO, L. J. B; SMEHA, L. N. O que me leva a continuar? A permanência do professor universitário aposentado no exercício de sua profissão. Revista Eletrônica Disciplinarum Scientia, v. 10, n. 1, p. 179-194, 2009.

RIBEIRO, M. C; MACHADO, A. L. O uso do método da História Oral nas pesquisas qualitativas: contribuições para a temática de cuidado em saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia v. 14. n. 2. 2014.

SACRISTÁN, J. G. Tendências investigativas na formação de professores. In: PIMENTA, S. G; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo – SP: Cortez, 2012. p. 94-102.

SOUZA, F. C. S; NASCIMENTO, A. S. G. La docência em las reflexiones de alunos de la licenciatura em matemática (Mossoró/RN-Brasil). Paradigma, v. 36, n. 1, p. 72-86. 2015.

UENO, M, M; ARRUDA, S. M; VILLANI, A. Uma reflexão sobre o “gostar de física” segundo uma abordagem psicanalítica. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 4., Bauru. Anais... Bauru: USP, 2013.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Como Citar

Baptistone, G. F., & Figueiredo, M. C. (2021). Histórias orais de professores de Química: motivos para escolher e permanecer nessa profissão. Ensino &Amp; Multidisciplinaridade, 6(2), 94–106. Recuperado de http://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ens-multidisciplinaridade/article/view/15510

Edição

Seção

Artigos