Relato de experiência do uso de um esquema analógico no planejamento e execução de atividades didáticas gamificadas no ensino de Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2447-5777v9n1.2023.4

Palavras-chave:

Ensino de ciências, Gamificação, Recursos analógicos, Imersão

Resumo

Estudantes têm motivações para aprender que diminuem ao longo da educação básica. As motivações podem ser internas ou externas. No ensino de ciências é preciso desenvolver metodologias que promovam o engajamento, a motivação, a contextualização dos conteúdos e a aprendizagem. A gamificação é uma alternativa nesse sentido. Em atividades didáticas gamificadas são utilizadas ferramentas tecnológicas digitais, mas há falta de infraestrutura nas escolas e a falta de formação dos professores para usá-las. Neste sentido, este trabalho tem como objetivo avaliar se o uso de um esquema analógico atende ao mesmo propósito das ferramentas tecnológicas digitais no auxílio do planejamento e da execução de atividades didáticas gamificadas no ensino de Física. As atividades didáticas gamificadas com o uso do esquema analógico foram desenvolvidas com estudantes de uma escola do ensino médio do estado de Pernambuco. A produção de dados foi realizada por meio de entrevista com estudantes e o corpus foi analisado usando a análise de conteúdo de Bardin. Os resultados das análises indicam que o esquema analógico de planejamento e execução de atividades didáticas gamificadas permitiu a imersão dos estudantes na atividade, estimulou a motivação para a participação nas atividades e promoveu aprendizado de conteúdos abordados.

Experience report on the use of an analog scheme in the planning and execution of gamified didactic activities in Physics teaching

Abstract

Students have motivations to learn that decrease throughout basic education. Motivations can be internal or external. In science teaching, it is necessary to develop methodologies that promote engagement, motivation, content contextualization and learning. Gamification is an alternative in this regard. In gamified didactic activities, digital technological tools are used, but there is a lack of infrastructure in schools and a lack of teacher training to use them. In this sense, this work aims to evaluate whether the use of an analog scheme serves the same purpose as digital technological tools in aiding the planning and execution of gamified didactic activities in Physics teaching. The gamified didactic activities by using the analog scheme were developed with students from a high school in the state of Pernambuco. Data production was performed through interviews with students and the corpus was analyzed using Bardin’s content analysis. The results of the analyzes indicate that the analogical scheme of planning and execution of gamified didactic activities allowed the immersion of the students in the activity, stimulated the motivation for the participation in the activities and promoted learning of covered contents.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Robson Raabi do Nascimento, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutorando em ensino de ciências e matemáticas, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Mestre em ensino das ciências, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Licenciado em física pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Ruth do Nascimento Firme, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Ensino das Ciências pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).  Licenciada em Ciências com habilitação em Química pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Professora adjunta da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPR)  - Departamento de Química). Professora permanente do Programa Mestrado Profissional de Química em Rede Nacional (PROFQUI), do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências (PPGEC) e da Rede Nordeste de Ensino (RENOEN).

Referências

ALVES, F. Gamification: como criar experiências de aprendizagem engajadora – um guia completo do conceito à prática. São Paulo: DVS, 2015.

ANDRADE, M. V. R.; SOUZA, P. V. S. Os games e o ensino de cinemática. In: Simpósio Nacional de Ensino de Física – SNEF 2017, XXII. 2017, São Carlos. Anais... São Carlos, 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Paulo-Victor-Souza/publication/355683893_Os_games_e_ensino_de_cinematica/links/6179a7dda767a03c14bffcf8/Os-games-e-ensino-de-cinematica.pdf. Acesso em: 16 jun 2023.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo, São Paulo: Edições 70, 2011.

CASTILHO, W. S.; REIS, L. P. O jogo do “The Paper Ball Laucher” como estratégia didática nas aulas de lançamento de projéteis. Revista Sítio Novo, Palmas, v. 6, n. 1, p. 112-125, 2022. https://doi.org/10.47236/2594-7036.2022.v6.i1.112-125p

CORRÊA, F. T. G. Gamificação Escolar de bolso. São Paulo: Editora do Brasil, 2022.

DETERDING, S. et al. From Game Design Elements to Gamefulness: Defining “Gamification”. In: Proceedings of the International Academic MindTrek Conference: Envisioning Future Media, 15. 2011, New York. Anais... New York, 2011. https://doi.org/10.1145/2181037.2181040

FADEL, L. M. et al. Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

FARDO, M. L. A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 1-9, 2013. https://doi.org/10.22456/1679-1916.41629

FELCHER, C. D. O.; FERREIRA, A. L. A.; FOLMER, V. Da pesquisa-ação à pesquisa participante: discussões a partir de uma investigação desenvolvida no Facebook. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 7, p. 1-18, 2017.

FIGUEIREDO, M.; PAZ, T.; JUNQUEIRA, E. Gamificação e educação: um estado da arte das pesquisas realizadas no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Informática na Educação, IV. 2015, Maceió. Anais... Maceió. https://doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2015.1154

FILATRO, A.; LOUREIRO, A. C.; CAVALCANTI, C. C. Gamificação e engajamento de estudantes num curso formação de tutores para EAD. In: Conferência Internacional de TIC na Educação - Challenges 2019, XI. p. 59-69, 2019, Braga. Anais... Braga, 2019. Disponível em: https://www.nonio.uminho.pt/wp-content/uploads/2020/09/atas_ch2019_full.pdf. Acesso em: 01 maio 2023.

GUIMARÃES, S. E. R.; BORUCHOVITCH, E. O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca e extrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 143-150, 2004. https://doi.org/10.1590/S0102-79722004000200002

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2019.

KAPP, K. M. Gamification: separating Fact from fiction. Chief Learning Officer, 2014. Disponível em: https:// www.chieflearningofficer.com/2014/03/19/gamification-separating-fact-from-fiction/. Acesso em: 20 jul. 2023.

LIMA, M. M. et al. Uma sequência didática aplicada ao ensino de óptica geométrica. Conexões Ciência e Tecnologia, Fortaleza, v. 15, p. e021029, 2021. https://doi.org/10.21439/conexoes.v15i0.2088

MARTINELLI, S. C. Um estudo sobre desempenho escolar e motivação de crianças. Educar Educar em Revista, Curitiba, n. 53, p. 201-216, 2014. https://doi.org/10.1590/0104-4060.27122

MARTINS, F. P. Física ainda é cultura? São Paulo: Livraria da Física, 2009.

MENEZES, C. C. N.; BORTOLI, R. Gamificação: Surgimento e Consolidação. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 40, n. 1, p. 267-297, 2018. https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v40n1p267-297

MORERA-HUERTAS, J.; MORA-ROMÁN, J. J. Use of Gamification in Fundamentals of Biology Course. Revista Eletrónica Educare, Costa Rica, v. 23, n. 2, p. 1-13, 2019. https://doi.org/10.15359/ree.23-2.10

NARDI, R. Educação em Ciências: da pesquisa à prática docente. São Paulo: Escrituras, 2010.

ROGERS, S. Level UP: um guia para o design de grandes jogos. São Paulo: Blucher, 2012.

SALES, G. L. et al. Gamificação e ensinagem híbrida na sala de aula de física: metodologias ativas aplicadas ao espaço de aprendizagem e na prática docente. Conexões: Ciência e Tecnologia, Fortaleza, v. 11, n. 2, p. 45-52, 2017. https://doi.org/10.21439/conexoes.v11i2.1181

SCHROEDER, E. Conceitos espontâneos e conceitos científicos: o processo da construção conceitual em Vygotsky. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 2, n. 2, p. 293-318, 2007. https://doi.org/10.7867/1809-0354.2007v2n2p293-318

SILVA, J. B.; SALES, G. L. Gamificação aplicada no ensino de física: um estudo de caso no ensino de óptica geométrica. Acta Scientiae, Canoas, v. 19, n. 5, p. 782-798, 2017.

SILVA, J. B.; SALES, G. L.; CASTRO, J. B. Gamificação de uma sequência didática como estratégia para motivar a atitude potencialmente significativa dos alunos no ensino de óptica geométrica. In: Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2018), VII. 2018, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre, 2018. https://doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2018.74

SILVA, A. C. O.; SOUSA, S. A.; MENEZES, J. B. F. O ensino remoto na percepção discente: desafios e benefícios. Dialogia, São Paulo, n. 36, 2020. https://doi.org/10.5585/dialogia.n36.18383

SILVA, A. C. P. Ferramenta web para auxiliar na aplicação de gamificação em sala de aula. 2022. 120 f. Monografia (Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Macaíba, 2022.

Downloads

Publicado

2023-11-04

Como Citar

NASCIMENTO, R. R. do; FIRME, R. do N. Relato de experiência do uso de um esquema analógico no planejamento e execução de atividades didáticas gamificadas no ensino de Física. Ensino & Multidisciplinaridade, São Luís, v. 9, n. 1, p. e0423, 1–15, 2023. DOI: 10.18764/2447-5777v9n1.2023.4. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ens-multidisciplinaridade/article/view/21756. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos