Identidade política de professores formadores de licenciandos em Química

Autores

Palavras-chave:

Identidade Política, professores formadores, licenciandos em química.

Resumo

A educação superior tem mudado muito nos últimos anos, principalmente no que se refere à ingerência dos organismos internacionais, como o BID e Banco Mundial. Estes reivindicam reformas educacionais de cunho neoliberal que impactam diretamente os professores formadores de instituições federais de ensino superior no Brasil. Nesse contexto, temos como questão norteadora as possibilidades de constituição da identidade política dos docentes de um curso de licenciatura em Química de uma instituição pública de Goiás e sua repercussão na aula universitária. Nessa perspectiva adotamos como método o materialismo histórico dialético e entrevistas semiestruturadas como instrumento de coleta de dados. A investigação toma como referência os professores formadores de professores da instituição e como eles se posicionam no mundo e como comporão as relações com os alunos e com a Universidade, além das relações com o mundo do trabalho. Nossos resultados mostram que a identidade política apresentada pela maioria dos pesquisados é restritiva, portanto um mecanismo ideológico do esvaziamento da política, o que significa desmobilização da classe. Os pesquisados também estão distantes de compreender seu próprio trabalho na perspectiva da totalidade a fim de combater o seu caráter fragmentado e alienante característico da sociedade capitalista, pois se fundamentam em aulas de transmissão-recepção.

Palavras-chave: Identidade Política. Professores formadores. Licenciandos em química.

 

Political Identity of Preservice Chemistry Teachers Trainers

Abstract

Higher education has changed a lot in recent years, especially regarding the interference of international organizations, such as the BID and the World Bank. These demand neoliberal educational reforms that directly impact on teachers who form federal higher education institutions in Brazil. In this context, we have as a guiding question the possibilities of constituting the political identity of the professors of a degree in Chemistry at a public institution in Goiás and its repercussion in the university’s class. In this perspective, we adopted dialectical historical materialism as the method and semi-structured interviews as a data collection instrument. The research takes as a reference the professors who are teachers of the institution and how they position themselves in the world and how they will compose relations with students and the University in addition to relations with the world of work. Our results show that the political identity presented by the majority of those surveyed is restrictive, therefore, an ideological mechanism for the emptying of politics, which means demobilization of the class. Those surveyed are also far from understanding their own work from the perspective of totality in order to combat its fragmented and alienating character, characteristic of a capitalist society, as they are based on transmission-reception classes.

Keywords: Identity politics. Preservice chemistry teachers trainers. Chemistry teaching.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jane Darley Alves dos Santos, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutora em Química – Universidade Federal de Goiás (UFG). Professora da Secretaria de Estado da Educação de Goiás (SEE - GO), Goiânia, GO, Brasil.

Nyuara Araújo da Silva Mesquita, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutora em Química – Universidade Federal de Goiás (UFG). Professora do Instituto de Química da Universidade Federal de Goiás (IQ – UFG), Goiânia, Goiás, Brasil.

Marlon Herbert Flora Barbosa Soares, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutor em Ciências (Química) – Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor do Instituto de Química da Universidade Federal de Goiás (IQ – UFG).

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Editora Unicamp, 1995.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre a metamorfose e a centralidade do mundo do trabalho. 9ª ed. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

APPLE, M. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

CAMARGO, A.; MAUÉS, O. As mudanças no mundo do trabalho e a formação dos profissionais de educação no contexto da LDB: o currículo em questão. In: BITTAR, M.; OLIVEIRA, J. F.; MOROSINI, M. (Orgs.). Educação superior no Brasil: 10 anos Pós-LDB. Brasília: INEP, 2008.

CHAUÍ, M. O Que é Ideologia. 2ª. Ed. São Paulo: Brasiliense, 2001.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação. n. 24, p. 5-15, 2003.

CIAMPA, A. C. Identidade Docente. In: CODO, W.; LANE, S. (Orgs.). Psicologia social: o homem em movimento. 10ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

KRAWCZYK, N. A Reforma educacional na América Latina: uma perspectiva histórico-sociológica. São Paulo: Xamã. 2008.

LEHER, R.; LOPES, A. B. P. Trabalho docente, carreira, autonomia universitária e mercantilização da educação. In: MANCEBO, D.; SILVA JÚNIOR, J. R.; OLIVEIRA, J. F. (Orgs.). Reformas e Políticas: Educação Superior e Pós-graduação no Brasil. São Paulo: Alínea, 2008.

LIMA, K. Contra-reforma na educação superior. De FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

LUKÁCS, G. O jovem Marx e outros escritos filosóficos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

MARX, K. A ideologia alemã: Teses sobre Feuerbach. São Paulo: Centauro, 2002.

MARX, K.; ENGELS, F. Burgueses e Proletários. In: MARK, K.; ENGELS, F. O manifesto Comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

MASCARENHAS, A. C. B. O trabalho e a identidade política da classe trabalhadora. Goiânia: Editora Alternativa, 2002.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETI, C. et. al. Novas tecnologias, trabalho e educação. Petrópolis - RJ: Vozes, 1994.

SGUISSARDI, V. Educação superior no brasil. Democratização ou massificação mercantil? Educação e Sociedade, v. 36, n. 133, p. 867-889, 2015.

SILVA JÚNIOR, C. A. A escola pública como local de trabalho. 2ª. ed. São Paulo: Cortez, 1993.

VIANNA, C. Os nós do “nós”: crise e perspectivas da ação docente em São Paulo. São Paulo: Xamã, 1999.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Downloads

Publicado

2020-11-20

Como Citar

SANTOS, J. D. A. dos; MESQUITA, N. A. da S.; SOARES, M. H. F. B. Identidade política de professores formadores de licenciandos em Química. Ensino & Multidisciplinaridade, São Luís, v. 2, n. 4, p. 76–92, 2020. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ens-multidisciplinaridade/article/view/14662. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos