LEITURA DO MUNDO E LITERATURA INFANTIL

vivências de estágio curricular com crianças bem pequenas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2675-0805v5n8.2023.8

Palavras-chave:

Estágio curricular supervisionado, Educação Infantil, Literatura Infantil, Leitura do Mundo

Resumo

O artigo resulta da experiência de estágio supervisionado em Educação Infantil, realizado por meio do diálogo entre uma universidade e uma creche, ambas públicas, em Fortaleza, Ceará, no segundo semestre letivo de 2022. Tem como objetivos discutir a importância da literatura infantil no processo de conhecimento do mundo, que as crianças pequenas constroem em sua apropriação da função social da escrita, assim como ratificar a importância investigativa do estágio curricular na formação inicial de professores para a Educação Infantil. Ancora­se teoricamente em Paulo Freire, em sua defesa de que, antes da leitura da palavra, há que se empreender a leitura do mundo; na abordagem de Reggio Emilia, no que tange à pedagogia de projetos, assim como em autores de referência na relação criança e literatura infantil. Conclui­se que o projeto desenvolvido com as crianças durante o estágio, ampliou sua curiosidade pela leitura, despertando a correlação escrita, leitura e cotidiano. Para os (as) acadêmicos do curso de Pedagogia, que vivenciaram a experiência do estágio, este se mostrou um conduto de pesquisa e produção de sentidos intersubjetivos sobre docência em Educação Infantil.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela de Jesus Freitas, Universidade Federal do Ceará

Estudante de Pedagogia na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará (2019 - presente). É bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC).

Matheus de França Adeodato, Universidade Federal do Ceará

Estudante de Graduação em Pedagogia na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará- FACED/UFC. Atualmente, atua como cuidador educacional na sala de Atendimento Educacional Especializado- AEE, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Walmiki Sampaio de Albuquerque, Maracanaú, Ceará.

Eunice Andrade de Oliveira Menezes, Universidade Federal do Ceará

Pedagoga. Doutora em Educação. Professora Adjunta do Departamento de Estudos Especializados da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará- FACED/UFC. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Didática, Docência e Educação – GEPEDE (URCA/UFC).

Referências

AMARILHA, Marly. Estão mortas as fadas? Literatura infantil e prática pedagógica. 3 ed. Petrópolis: Vozes, Natal, RN: EDUFRN, 2001.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. A organização do ambiente. Por amor e por força: rotinas na educação infantil. Artmed Editora, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 02 abr. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Documento aprovado em 18.02.2002, publicado no DOU em 09.04.2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.º 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

FREIRE, Paulo. Partir da infância: diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, 2020.

GANDINI, Lella. Histórias, ideias e princípios básicos: uma entrevista com Loris Malaguzzi. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George (Orgs.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre ­ RS: Penso, 2016, v.2. p. 45­85.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2006.

LEITE, Maria Isabel Ferraz Pereira. Desenho infantil: questões e práticas polêmicas. In: Infância e produção cultural. KRAMER, Sônia.; LEITE, Maria Isabel (Org.). Campinas: Papirus, 2003, p.131-150.

OSTETTO, Luciana Esmeralda (Org.). Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores. Papirus Editora, 2012.

OSTETTO, Luciana. Andando por creches e pré-escolas públicas: construindo uma proposta de estágio. In: OSTETTO, Luciana E. (org.) Encontros e Encantamentos na Educação Infantil: Partilhando experiências de estágios. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 13-28.

PIMENTA, Selma G; LIMA, Maria Socorro L. Estágio: diferentes concepções. In: Estágio e docência. Revisão técnica José Cerchi Fusari. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RANKIN, Baji. Desenvolvimento do currículo em Reggio Emilia−um projeto de currículo de longo prazo sobre dinossauros. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George (Orgs.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre - RS: Penso, 2016, v.1. p. 183-202.

RINALDI, Carlina. A pedagogia da escuta: a perspectiva da escuta em Reggio Emilia. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George (Orgs.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre - RS: Penso, 2016, v.2. p. 235-247.

Downloads

Publicado

2023-08-21 — Atualizado em 2023-08-26

Versões

Como Citar

FREITAS, Isabela de Jesus; ADEODATO, Matheus de França; MENEZES, Eunice Andrade de Oliveira.
LEITURA DO MUNDO E LITERATURA INFANTIL: vivências de estágio curricular com crianças bem pequenas
. Revista Humanidades & Educação, v. 5, n. 8, p. 94–105, 26 Ago 2023 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/humanidadeseeducacao/article/view/21135. Acesso em: 23 jul 2024.

Edição

Seção

Dossiê