Uso da argumentação nas produções escritas e orais de alunos do ensino fundamental no ensino de ciências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2447-5777v8n1.2022.6

Palavras-chave:

Argumentação, Toulmin, Ensino de Ciências, Oralidade, Escrita

Resumo

No ensino de ciências, o processo argumentativo tem contribuído para a aprendizagem ao estimular o educando a construir, fundamentar e debater o conhecimento científico. Assim, esta pesquisa objetivou analisar a argumentação em atividades de ciências, a fim de identificar os elementos que as compõem nos registros orais e escritos de alunos de ensino fundamental. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso. O padrão de argumento de Toulmin foi utilizado para análise dos dados. Nos registros escritos e orais, a maioria dos alunos foi capaz de elaborar respostas com a presença da argumentação. Sobre a natureza dos argumentos, a escrita apresentou maior número de argumentos considerados válidos, e, quanto aos elementos que compõem o padrão de Toulmin, os mais encontrados foram garantias e conclusões, nas duas formas de registro. É possível inferir que o processo argumentativo no ensino de ciências pode instigar os alunos a pesquisarem e buscarem soluções para os problemas e auxiliar a participarem de discussões orais com mais elementos argumentativos, assim como a terem uma escrita mais completa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Guelero do Valle, Universidade Federal do Maranhão

Doutora e mestra em Educação pela Faculdade de Educação da USP (FE/USP). Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (FFCLRP/USP). Professora do Departamento de Biologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências (PPECEM/UFMA) e no Programa de Pós-Graduação em Gestão de Ensino da Educação Básica (PPGEEB/UFMA). Coordenadora de área do Programa Residência Pedagógica do Curso de Ciências Biológicas (UFMA/São Luis). Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Biologia (GPECBio).

Referências

ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e

Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, 2013. Disponível em: https://www.nelsonreyes.com.br/

Marli%20Andr%C3%A9.pdf. Acesso em: 12 abr. 2019.

BORGES, J. R. A.; USTRA, S. R. V. Análise de práticas argumentativas através do padrão de Toulmin (TAP) no

desenvolvimento de projetos nas aulas de Física. Vivências, v. 17, n. 32, p. 129-147, 2020. https://doi.

org/10.31512/vivencias.v17i32.350

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/Secretaria de Educação

Básica, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa.

Brasília: MEC/Secretaria de Educação Fundamental, 1997. 106 p.

DRIVER, R.; NEWTON, P.; OSBORNE, J. Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science

Education, v. 84, n. 3, p. 287-312, 2000. https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(200005)84:3<287::AIDSCE1>

0.CO;2-A

FERRAZ, A. T.; SASSERON, L. H. Propósitos epistêmicos para a promoção da argumentação em aulas

investigativas. Investigações em Ensino de Ciências, v. 22, n. 1, p. 42-60, 2017. https://doi.org/10.22600/1518-

ienci2017v22n1p42

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.

, n. 3, p. 20-29, 1995. https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004

GUIMARÃES, R. R.; MANSONI, N. T. O uso do modelo padrão de argumentação de Stephen Toulmin no ensino de

ciências no âmbito da disciplina de Física: alguns resultados de pesquisa e reflexões a partir de debates em sala

de aula. Investigações em Ensino de Ciências, v. 25, n. 3, p. 487-502, 2020. https://doi.org/10.22600/1518-

ienci2020v25n3p487

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; BUGALLO RODRÍGUEZ, A.; DUSCHL, R. A. “Doing the lesson” or “doing science”:

argument in high school genetics. Science Education, v. 84, n. 6, p. 757-792, 2000. https://doi.org/10.1002/1098-

X(200011)84:6%3C757::AID-SCE5%3E3.0.CO;2-F

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; DÍAZ BUSTAMANTE, J. Discurso de aula y argumentación en la clase de ciências:

cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias, v. 21, n. 3, p. 359-370, 2003. Disponível em:

https://raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21944. Acesso em: 18 jul. 2016.

KRIPKA, R.; SCHELLER, M.; BONOTTO, D. L. Pesquisa documental: considerações sobre conceitos e caraterísticas

na pesquisa qualitativa. CIAIQ, v. 2, p. 243-247, 2015. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/

ciaiq2015/article/view/252. Acesso em: 18 jul. 2016.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora

Pedagógica e Universitária, 2013.

MARQUES, C. M. G. H. C. A argumentação oral formal em contexto escolar. 2010. 416f. Tese (Doutorado em

Língua Portuguesa: Investigação e Ensino) – Universidade de Coimbra, Coimbra, 2010. Disponível em: http://hdl.

handle.net/10316/18135. Acesso em: 12 jan. 2022.

MOTOKANE, M. T. Sequências didáticas investigativas e argumentação no ensino de ecologia. Revista Ensaio,

Belo Horizonte, v. 17, n. esp., p. 115-137, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s07

OLIVEIRA, C. M. A. Do discurso oral ao texto escrito nas aulas de ciências. 2009. 234f. Tese (Doutorado

em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. https://doi.

org/10.11606/T.48.2009.tde-06082010-161307

OLIVEIRA, C. M. A.; CARVALHO, A. M. P. Escrevendo em aula de ciências. Ciências & Educação, v. 11, n. 3, p. 347-

, 2005. https://doi.org/10.1590/S1516-73132005000300002

PEZARINI, A. R.; MACIEL, M. D. As dimensões da argumentação no ensino de ciências em pesquisas de 2007

a 2017: um olhar para a caracterização e para as ferramentas metodológicas para estudar esta temática.

Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 14, n. 32, p. 61-77, 2018. https://doi.org/10.18542/

amazrecm.v14i32.6177

PEZZI, A.; GOWDAK, D. O.; MATTOS, N. S. Biologia: genética, evolução e ecologia. São Paulo: FTD, 2010. 124 p.

SÁ, L. P.; KASSEBOEHMER, A. C.; QUEIROZ, S. L. Esquema de argumento de Toulmin como instrumento de ensino:

explorando possibilidades. Ensaio, Belo Horizonte, v. 16, n. 3, p. 147-170, 2014. https://doi.org/10.1590/1983-

SASSERON, L. H. Interações discursivas e argumentação em sala de aula: a construção de conclusões, evidências

e raciocínios. Ensaio, Horizonte, v. 22, e20073, 2020. https://doi.org/10.1590/1983-21172020210135

SASSERON, L. H. Sobre ensinar ciências, investigação e nosso papel na sociedade. Ciência & Educação, v. 25,

n. 3, p. 563-567, 2019. https://doi.org/10.1590/1516-731320190030001

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo

argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação, Bauru, v.

, n. 1, p. 97-114, 2011. https://doi.org/10.1590/S1516-73132011000100007

SCARPA, D. L. O papel da argumentação no ensino de ciências: lições de um workshop. Ensaio, Belo Horizonte,

v. 17, n. esp., p. 15-30, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s02

SCARPA, D. L.; SASSERON, L. H.; SILVA, M. B. O ensino por investigação e a argumentação em aulas de

ciências naturais. Tópicos Educacionais, Recife, v. 23, n. 1, p. 7-27, 2017. https://doi.org/10.51359/2448-

2017.230486

SILVA, S. G. Seres vivos: explorando as relações ecológicas – UCA. Portal do Professor, 2011. Disponível em:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=37035. Acesso em: 20 jan. 2022.

TEBALDI-REIS, L.; BEVILACQUA, G. D.; SINEIRO, S. C. A.; COUTINHO-SILVA, R. Atividades investigativas como

promotoras da argumentação no ensino de ciências. Research, Society and Development, v. 11, n. 1,

e51011125138, 2022. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i1.25138

TOULMIN, S. Os usos do argumento. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2006. 375 p.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Como Citar

SANTOS, J. L. dos; VALLE, M. G. do. Uso da argumentação nas produções escritas e orais de alunos do ensino fundamental no ensino de ciências. Ensino & Multidisciplinaridade, São Luís, v. 8, n. 1, p. e0622, 1–10, 2022. DOI: 10.18764/2447-5777v8n1.2022.6. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ens-multidisciplinaridade/article/view/18733. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos