Produção textual na formação docente em Ciências: possíveis contribuições do ciberativismo de mulheres cientistas em contexto adverso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2447-5777v9n2.2023.14

Palavras-chave:

Escrita, Ciência, Gênero, Currículo

Resumo

A discussão levantada neste artigo objetiva identificar as principais demandas da agenda das mulheres participantes de um evento online no canal Rede Brasileira de Mulheres Cientistas – RBMC. A partir das discussões apresentadas, serão elencadas possibilidades de reflexões sobre tópicos temáticos orientadores para o ensino de produção textual na formação inicial de docentes visando a construção de um currículo de Ciências focado no compromisso social. Por meio da análise qualitativa de natureza interpretativa, tomamos como dados a materialidade discursiva em um vídeo postado no YouTube, no canal da RBMC, sob a abordagem analítica da Análise Textual Discursiva (ATD). As categorias organizadas em iniciais, intermediárias e finais indicaram, respectivamente: organização retórica do evento, aspectos das identidades das mulheres nas apresentações pessoais e abrangência das temáticas apresentadas tanto no que se refere aos projetos em curso quanto aos desafios destacados pelas participantes das cinco regiões brasileiras. Como resultado, o metatexto aponta para discussões possíveis, no âmbito da produção textual, as seguintes questões:  busca por equidade no que tange às relações de gênero, utilização do ciberespaço como recurso potente de mobilização social e de produção de saberes no espaço acadêmico, além de reflexões sobre linguagem e ensino de Ciências.

Textual production in the teacher training in science: possible contributions of women scientists cyberactivism in an adverse context

ABSTRACT

The discussion raised in this paper aims to identify the main demands on the agenda of women participants in an online event on the Brazilian Network of Women Scientists channel – RBMC (acronym in Portuguese). Based on the discussions presented, possibilities for reflections on thematic topics guiding for the initial teacher training in textual production is going to list, with a focus on the construction of a science curriculum centered on social compromise. By means of the qualitative analysis of an interpretative nature, we take as data the discursive materiality in a video posted on YouTube, on the RBMC channel, under the analytical approach of Discourse Textual Analysis (DTA). The categories organized in initial, intermediate, and final categories indicated, respectively: rhetorical organization of the event, aspects of women's identities in personal presentations, and the comprehensiveness of the themes presented, both in terms of ongoing projects and the challenges highlighted by participants from the five Brazilian regions. As a result, the metatext aims at possible discussions in the area of textual production, including the following issues: pursuit for equity regarding gender relations, use of cyberspace as a powerful resource for social mobilization and knowledge production in the academic space, in addition to reflections on language and science teaching.

Keywords: Writing. Science. Gender. Curriculum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Raule de Sousa, Universidade Federal de Alagoas

Doutorando em Ensino pela Universidade Federal de Alagoas (RENOEN / UFAL). Professor do Magistério Superior na Universidade Federal do Cariri (UFCA) nas áreas de Produção Textual e Libras nos cursos de Ciências Naturais e Matemática e de Pedagogia. Mestrado Interdisciplinar em História e Letras (UECE).

Adriana Cavalcanti dos Santos, Universidade Federal de Alagoas

Pós-Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Porto, Portugal; Doutora em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Mestra em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Licenciada em Pedagogia (UPE) e Licenciada em Letras pela Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA). Professora Associada do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas. Professora dos quadros permanentes dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e de Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM).

Referências

AGUIAR, Neuma (org). Gênero e Ciências Humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

ALBU, Debora. Ciberfeminismo no Brasil: construindo identidades dentro dos limites da rede. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO O GÊNERO, 11. WOMEN’S WORLDS CONGRESS, 13th. (Anais Eletrônicos), 2017, Florianópolis. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499481800_ARQUIVO_Modelo_Texto_completo_MM_FG_DEBORAALBU.pdf. Acesso em: 20 abr. 2023.

BRAIDOTTI, Rosi. Cyberfeminism with a difference. New Formations, n. 29, 1996. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/48320469_Cyberfeminism_with_a_difference. Acesso em: 26 maio 2023.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Trad. Vera Lúcia Mello Joscelyne. 1. ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2015. 629 p.

CONNELL, Raewyn. Questões de gênero e justiça social. Século XXI – Revista de Ciências Sociais, Santa Maria, v. 4, n. 2, p. 11–34, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/seculoxxi/article/view/17033. Acesso em: 20 abr. 2023.

FISCHER, Adriana. Letramento Acadêmico: uma perspectiva portuguesa. Revista Acta Scientiarum – Language and Culture, Maringá, v.30, n.2, p. 177-187, jul./dez. 2008. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/2334/2334. Acesso em: 20 abr. 2023.

GUEDES, Raquel da Silva. As mulheres na Ciência e tecnologia: uma história a ser escrita. Campina Grande: Editora Amplla, 2022. E-book. Disponível em: https://educapes.capes.gov.br/bitstream/capes/700990/2/MulheresnaCienciaeTecnologia.pdf. Acesso em: 20 abr. 2023.

LAGARDE, Marcela. Pacto entre mujeres: sororidad. Aportes para el debate, n. 18 p. 123-135. 2006. Disponível em: https://www.asociacionag.org.ar/pdfaportes/25/09.pdf. Acesso em: 15 abr. 2023.

LEA, Mary; STREET, Brian. O modelo de letramentos acadêmicos: teorias e aplicações. Tradução: Fabiana Cristina Komesu e Adriana Fischer, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/307671453_O_modelo_de_letramentos_academicos_teoria_e_aplicacoes. Acesso em: 20 maio 2023.

LEMOS, André. Cibercultura. Alguns pontos para compreender a nossa época. In LEMOS, André; CUNHA, Paulo (org.). Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 11-23.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Desafios culturais da comunicação à educação. Comunicação & Educação, São Paulo (SP), n. 18, p. 51–61, 2000. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36920. Acesso em: 9 abr. 2023.

MARTINEZ-PÉREZ, Leonardo Fabio. Questões sociocientíficas na prática docente: ideologia, autonomia e formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, 2012. 360 p. E-book. Disponível em: https://books.scielo.org/id/bd67t. Acesso em: 15 abr. 2023.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. - 4.ed.- Ijuí: Editora da Unijuí, 2013.

NAOE, Aline; DISERÓ, Brun; ARAGAKI, Caroline. Mulheres fazem ciência, mas ainda estão longe do topo. Jornal da USP, São Paulo, 2019. Disponível em: https://jornal.usp.br/universidade/mulheres-fazem-ciencia-mas-ainda-estao-longe-do-topo/. Acesso em: 14 abr. 2023.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à culturas e artes do pós-humano: Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na Cibercultura. Santo Tirso, Portugal: Whitebooks, 2014. 199 p.

SCHIEBINGER, Londa. O Feminismo Mudou a Ciência? 2. ed, São Paulo: Edusc, 2001.

SILVA, Ivanderson Pereira da; LIRA, Mayara Teles Viveiros de; VOSS, Lilian Kelly de Almeida Figueiredo. Uma análise interseccional dos limites e potencialidades revolucionárias de vídeos do youtube a partir da perspectiva antirracista de Rita Von Hunt no canal “Tempero Drag”. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 15, n. 34, p. 17266, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufs.br/revtee/article/view/17266. Acesso em: 9 abr. 2023.

SILVA, Fabiane Ferreira da; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Trajetórias de mulheres na ciência: 'ser cientista' e 'ser mulher'. Ciência & Educação, v. 20, n. 2, p. 449-466, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/wNkT5PBqydG95V9f4dJH4kN/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 jul. 2023.

SOARES, Lissandra Vieira ; MACHADO, Paula Sandrine. “Escrevivências” como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em psicologia social. In. PEPSIC, 2017. Disponível em: http://twixar.me/syNT. Acesso em: 14 jul. 2023.

THELANDERSSON, Fredrika. A Less Toxic Feminism: Can the Internet Solve the Age Old Question of How to Put Intersectional Theory into Practice? Feminist Media Studies, v. 14, n. 3, p. 527-530, 2014. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/14680777.2014.909169. Acesso em: 10 jul. 2023.

TRIVINHO, Eugênio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007.

WILDING, Faith. Where’s the feminism in cyberfeminism? Paradoxa: international feminist art journal, v. 2, 1998. p. 6-13. Disponível em: https://monoskop.org/images/8/82/Wilding_Faith_1998_Where_is_the_Feminism_in_Cyberfeminism.pdf. Acesso em: 10 jul. 2023.

Downloads

Publicado

2024-04-19

Como Citar

SOUSA, Francisco Raule de; SANTOS, Adriana Cavalcanti dos.
Produção textual na formação docente em Ciências: possíveis contribuições do ciberativismo de mulheres cientistas em contexto adverso
. Ensino & Multidisciplinaridade, v. 9, n. 2, p. e1423, 1–13, 19 Abr 2024 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ens-multidisciplinaridade/article/view/22330. Acesso em: 21 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos