EDGAR MORIN E A DECOLONIALIDADE PLANETÁRIA

o pensamento complexo na reforma do pensamento na universidade brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2229v29n4.2022.63

Palavras-chave:

Edgar Morin, Complexidade, Decolonialidade, Universidade

Resumo

Este estudo tematiza as contribuições do pensamento complexo de Edgar Morin enquanto uma forma de decolonialidade planetária, a qual representa um modo de repensar a reforma do pensamento na universidade brasileira. O enfoque ampara-se em um ensaio teórico-crítico, o qual dialoga com os principais textos de Edgar Morin e de comentadores, procurando construir uma maneira de pensar os significados da ruptura paradigmática posta em curso por Edgar Morin. O texto aborda, em um primeiro momento, o problema da complexidade e de como ela tornou-se uma questão de fundo para pensar a crise da razão moderna e as vias de saída. Em um segundo momento, evidenciam-se algumas possibilidades para pensar a decolonialidade planetária a partir de um enfoque que considera a transdisciplinaridade e a complexidade dos saberes envolvidos na crítica social e cultural de nosso tempo. Em seguida, busca-se explicitar os marcos centrais que nos possibilitam repensar a reforma do pensamento na universidade brasileira em um cenário pós-Covid-19, desde a complexidade e a crítica à colonialidade do saber e do poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidinei Pithan da Silva, Unijuí

Professor e Coordenador do PPGE em Educação nas Ciências – Unijuí. Doutor em Educação (UFPR). 

Ivo dos Santos Canabarro, Unijui

Doutor em História, professor do Curso de Medicina da Unijuí e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direitos Humanos da Unijuí. 

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

ADORNO, T. W. Dialética negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

AZEVEDO, F. A cultura brasileira. São Paulo: Melhoramentos; Editora da USP, 1971.

BAUMAN, Z.; MAZZEO, R. O elogio da literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

CASTORIADIS, C. As encruzilhadas do labirinto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. V. 1.

CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2003.

CANCLINI, N. G. culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2013.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, 5(11), p. 173-191, 1991.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Unesp, 2001.

CHAUÍ, M. Em defesa da educação pública, gratuita e democrática. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

CIURANA, E. R. Complexidade: elementos para uma definição. In: CARVALHO, E. A.; MENDONÇA, T. Ensaios de complexidade 2. Porto Alegre: Editora Sulina, 2003.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. São Paulo: Globo, 2008. V. 2.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 30. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

JAPIASSU, H. P. O sonho transdisciplinar e as razões da Filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

MARQUES, M. O. Pedagogia: a ciência do educador. Ijuí: Editora Unijuí; Brasília: MEC, 2006.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Brasil, v. 1, n. 34, p. 287-324, fev. 2008.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais obscuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Durham, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017.

MIGNOLO, W. D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020.

MORIN, E. O paradigma perdido: a natureza humana. 4.ed. Lisboa, Portugal: Publicações Europa-América, 1973.

MORIN, E. Para sair do século XX. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

MORIN, E. Ciência com consciência. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001a.

MORIN, E. Saberes globais e saberes locais: o olhar transdisciplinar. Participação de Marcos Terena. Rio de Janeiro: Garamond, 2000b.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2000a.

MORIN, E.; KERN, A. B. Terra-Pátria. Porto Alegre: Sulina, 2002.

MORIN, E. Sobre a reforma universitária. In: MORIN, E.; ALMEIDA, M. C.; CARVALHO, E. A. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.

MORIN, E.; CIURANA, E. R.; MOTTA, R. D. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco, 2003.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, E. Meus filósofos. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MORIN, E. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Editora Sulina, 2015.

MORIN, E.; DÍAZ, C. J. D. Reinventar a educação: abrir caminhos para a metamorfose da humanidade. São Paulo: Palas Athena, 2016.

MORIN, E. Conhecimento, ignorância, mistério. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2020.

MORIN, E. É hora de mudarmos de via: as lições do coronavírus. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2021.

MOTA, C. G. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974) – pontos de partida para uma revisão histórica. São Paulo: Editora Ática, 1990.

MOTA, C. G. História e contra-história: perfis e contrapontos. São Paulo: Editora Globo, 2010.

NUSSBAUM, M. Por que a democracia precisa das humanidades. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

PENA-VEGA, A.; NASCIMENTO, E. P. O pensar complexo: Edgar Morin e a crise da modernidade. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 1999.

PEREIRA, E. M. A. Universidade e educação geral: para além da especialização. Guanabara/Campinas/SP: Alínea, 2007.

QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas: colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. 1. ed. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 116-142.

RIBEIRO, D. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RIBEIRO, R. J. (org.). Humanidades: um novo curso na USP. São Paulo: Edusp, 2001.

RODRÍGUEZ, Milagros Elena. La decolonialidad planetaria como apodíctica de la transcomplejidad. Recipeb: Revista Científico-Pedagógica do Bié, v. 1, n. 1, jan./jun. 2021.

ROUANET, S. P. Por um saber sem fronteiras. In: NOVAES, A. Mutações: ensaios sobre as novas configurações do mundo. São Paulo: Edições Sesc, 2008.

SAID, E. Humanismo e crítica democrática. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, M. O espaço da cidadania e outras reflexões. Porto Alegre: Fundação Ulysses Guimarães, 2011.

SANTOS, M. A natureza do espaço. São Paulo: Edusp, 2009.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Editora Autores Associados, 2010.

SCHWARCZ, L. M. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

TEIXEIRA, A. Educação para a democracia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

VASCONCELLOS, G. F. Darcy Ribeiro: a razão iracunda. Florianópolis: Editora UFSC, 2015.

Downloads

Publicado

2022-12-21

Como Citar

SILVA, Sidinei Pithan da; CANABARRO, Ivo dos Santos.
EDGAR MORIN E A DECOLONIALIDADE PLANETÁRIA: o pensamento complexo na reforma do pensamento na universidade brasileira
. Cadernos de Pesquisa, v. 29, n. 4, p. 125–147, 21 Dez 2022 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/20040. Acesso em: 25 jul 2024.