A‌ ‌REPRESENTAÇÃO‌ ‌DA‌ ‌VIOLÊNCIA‌ ‌EM‌ ‌‌SUL,‌‌ ‌DE‌ ‌VERONICA‌ ‌STIGGER‌

Autores

  • Kelly Luciana Bueno Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA
  • Antonio Rediver Guizo Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Palavras-chave:

Literatura

Resumo

Um único livro e quatro textos literários de gêneros distintos. A obra Sul de Veronica Stigger, publicada originalmente na Argentina em 2013 e posteriormente no Brasil em 2016, é composta por um conto, uma peça teatral e dois poemas que, transversalmente, abordam distintas faces da violência. Neste sentido, o objetivo desta pesquisa foi investigar a violência enquanto eixo condutor da composição estética da obra. No conto “2035”, investigou-se a violência enquanto lógica ritual com o fim de promover coesão social. Na peça teatral “Mancha”, analisou-se a relação entre violência e cotidiano e consequente naturalização e espetacularização das imagens da violência. Nos poemas “O coração dos homens” e “A verdade sobre o coração dos homens”, analisou-se a relação entre as transformações fisiológicas do corpo feminino e a violência simbólica contra a mulher, focalizando a discussão sobre os tabus relacionados, sobretudo, à menstruação. Os aportes teóricos utilizados na pesquisa voltam-se sobre três dimensões temáticas: a) violência; b) violência e literatura; c) condição feminina na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelly Luciana Bueno, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Mestranda bolsista da CAPES em Literatura Comparada e Graduanda em Letras Espanhol/Português como Línguas Estrangeiras, ambos pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). Possui graduação em Secretariado Executivo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus Toledo. (2016).

Antonio Rediver Guizo, Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA

Graduado em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, UNIOESTE, (2003), pós-graduado em Lingua Portuguesa e Literatura pela Faculdade do Iguaçu (2006), pós-graduado em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2013), mestre em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2009), doutor em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2014).

Professor Adjunto da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA). Professor no curso de graduação Letras - Espanhol e Português como Línguas Estrangeiras (LEPLE). Professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação em em Literatura Comparada (PPGLC). 

Referências

BARBOSA, Jéssica de Souza. “2035” de Veronica Stigger: estranhamento e distopia como crítica à violência. Memento. V. 11. n.2. jul-dez 2020. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/memento/article/view/6189/pdf_183. Acesso em: 15 nov. 2020.

BARTON, Riven. Dystopia and the Promethean Nightmare. In: DEMERJIAN, Louisa Mackay (Ed). The age of dystopian: one genre, our fears and our future. Cambridge: Newcastle upon Tyne, 2016, p. 5-18.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Bertrand: Rio de

Janeiro, 2003.

DIAS, ngela Maria. A descrição do mundo de Verônica Stigger ou uma antropofagia desidratada. O Eixo e a Roda. Belo Horizonte: UFMG, 2015. v. 24. n.1. p. 61 -76. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/issue/viewFile/491/33#page=61. Acesso em: 15 Dez 2019.

DURAND, Gilbert. As Estruturas Antropológicas do Imaginário: introdução à arqueologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GARRAMUÑO, Florencia. Frutos Estranhos. Rocco: Rio de Janeiro, 2014.

GINZBURG, Jaime. Literatura, violência e melancolia. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

FERRAZ, Bruna Fontes. A estética abjeta de Veronica Stigger. Estudos linguísticos e Literários. Nº 66, jan-jun|2020, Salvador: pp. 221-233. Disponível em: https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/estudos/article/view/36092/21971. Acesso em: 15 nov. 2020.

FÁVERI, de Marlene. VENSON, Anamaria Marcon. Entre vergonhas e silêncios, o corpo segredado. Práticas e representações que mulheres produzem na experiência da menstruação. Anos 90, Porto Alegre, v. 14 n. 25, p.65-97, jul. 2007. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/anos90/article/view/5403/3060. Acesso em 17 Dez 2019.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. São Paulo: Paz e Terra, 1990.

PAVLOSKI, Evanir. 1984: a distopia do indivíduo sob controle. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Letras do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/147519493.pdf. Acesso em: 12 out. 2020.

PAVLOSKI, Evanir. 1984: História, ficção e totalitarismo no romance distópico. Literatura em Debate. v. 4, n. 6, p. 1-19, jan.-jul., 2010. Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/literaturaemdebate/article/view/533/980. Acesso em: 12 nov. 2020.

PEREIRA, A. L. S. S. (2010). O sentido de terror da violência contemporânea como produtor da apatia. Dissertação de Mestrado,Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em: http://pos.eicos.psicologia.ufrj.br/wp-content/uploads/2010_MEST_Andre_Luis_Soares_e_Silva_Pereira.pdf. Acesso em: 12. nov. 2019.

SCHULTZ, Adilson. A violência e o sagrado segundo René Girard. Protestantismo em revista. Volume 03, jan.-abr. de 2004. Disponível em: http://www.est.com.br/periodicos/index.php/nepp/article/view/2155/2063. Acesso em: 04. fev. 2020.

STIGGER, Veronica. A favor do contra. [Entrevista concedida a] João Lucas Dusi. Cândido 72, Curitiba, 14 jan. 2020. Disponível em: https://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Pagina/Entrevista-Veronica-Stigger. Acesso em: 18 de ago. 2020.

STIGGER, Veronica. Sul. São Paulo: Editora 34 (1° Edição). 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

BUENO, Kelly Luciana; GUIZO, Antonio Rediver.
A‌ ‌REPRESENTAÇÃO‌ ‌DA‌ ‌VIOLÊNCIA‌ ‌EM‌ ‌‌SUL,‌‌ ‌DE‌ ‌VERONICA‌ ‌STIGGER‌
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 6, n. 17, p. 296–313, 26 Jan 2021 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/afluente/article/view/15643. Acesso em: 15 jun 2024.

Edição

Seção

Estudos Literários