FALARES AFRICANOS NO MARANHÃO: UM GLOSSÁRIO AFRO-MARANHENSE

Autores

Palavras-chave:

Léxico, Africanismos, Português falado no Maranhão.

Resumo

A herança africana, enraizada de forma inconteste na cultura maranhense, também se faz presente na língua falada no Maranhão; e é a língua que dá, por meio de seu léxico, testemunhos sobre a organização social e política, a cultura, as inovações tecnológicas, enfim, a forma de ser e de estar no mundo de determinado grupo social. Considerando essa realidade, este trabalho, de natureza geossocionlinguística (CARDOSO, 2010), tem como objetivo registrar, no âmbito do léxico (ILARI; BASSO, 2014), a presença das línguas africanas no português falado no Maranhão, com base nos dados do Atlas Linguístico do Maranhão (ALiMA), com vistas à elaboração de um glossário. Foram considerados dados de 14 localidades que compõem a rede de pontos do ALiMA. O glossário, com 37 entradas, pretende contribuir para o conhecimento da sócio-história do português brasileiro, e privilegiar a promoção da cidadania, ao buscar resgatar a contribuição dos povos africanos para a formação do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Pereira Serra, Universidade Estadual de Londrina

Doutoranda em Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Londrina (UEL); Mestra em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Maranhão (UFMA); Graduada em Letras – Português/Inglês pela UFMA; Pesquisadora dos projetos Atlas Linguístico do Maranhão (ALiMA) e Atlas Linguístico do Brasil (ALiB).

  

Conceição de Maria de Araujo Ramos, Universidade Federal do Maranhão

Professora Associada IV do Departamento de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), com doutorado em Letras, área de concentração Linguística. Coordenadora do Atlas Linguístico do Maranhão (ALiMA) e Diretora Científica do Atlas Linguístico do Brasil (ALiB).

Referências

CÂMARA JÚNIOR, J. M. A conferência de Indiana entre antropólogos e linguistas. Revista Brasileira de Filologia, Rio de Janeiro, v. 1, t. 2, p. 188-189, dez./1955.

CARDOSO, S. A. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

CASTRO, Y. P. de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, Topbooks, 2001.

CORREIA, M. Os dicionários portugueses. Lisboa: Editorial Caminho, 2009.

FERREIRA, A. B. de H.. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FIORIN, J. L. Considerações em torno do projeto de lei de defesa, proteção, promoção e uso do idioma apresentado à câmara dos deputados pelo deputado Aldo Rebelo. Boletim da Associação Brasileira de Linguística, Fortaleza, v. 25, p. 107-119, dez. 2000.

ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2014.

ISQUERDO, A N. A propósito de dicionários de regionalismos do português do Brasil. In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. As ciências do léxico. Campo Grande: Editora UFMS, 2007, v. 3, p. 193-208.

HOUAISS, A. O português no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1992.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LARA, L. F. O dicionário e suas disciplinas. In: ISQUERDO, A. N.; KRIEGER, M. da G. (org.) As ciências do léxico. Campo Grande: UFMS, 2004, v. 2, p. 133-152.

LOPES, N. Dicionário Banto do Brasil. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Centro Cultural José Bonifácio, 1993-1995.

MEIRELES, M. M. História do Maranhão. 3. ed. atual. São Paulo: Siciliano, 2001.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. 23. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

PUZZINATO, A. P.; AGUILERA, V. de A. A influência do elemento negro na nossa nacionalidade. Afroatitudeanas, Londrina, v. 2, jul./dez. 2007. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/afroatitudeanas/index.php>. Acesso em: 09 nov. 2019.

RAIMUNDO, Jacques. O elemento afro-negro da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Renascença Ed., 1933.

SANTOS NETO, Manoel. O negro no Maranhão: a trajetória da escravidão, a luta por justiça e por liberdade e a construção da cidadania. São Luís, 2004.

Downloads

Publicado

2021-12-04

Como Citar

SERRA, Flávia Pereira; DE ARAUJO RAMOS, Conceição de Maria.
FALARES AFRICANOS NO MARANHÃO: UM GLOSSÁRIO AFRO-MARANHENSE
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, p. 174–198, 4 Dez 2021 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/afluente/article/view/16738. Acesso em: 14 jul 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos