“CÁLICE”: UMA ANÁLISE DAS MARCAS LINGUÍSTICAS E INTERTEXTUAIS

Autores

Palavras-chave:

Marcas linguísticas, Intertextuais, Interdiscurso, Gênero canção.

Resumo

Esta pesquisa propõe-se a investigar marcas linguísticas e intertextuais presentes na canção “Cálice” para o estudo do plano de análise de discurso, conforme propõe Adam (2008). Para isso, toma-se a categoria linguística – colocação lexical – proposta por Adam (2008) e, para a interdiscursividade, segui-se as de Maingueneau (1997; 2008) – universo discursivo, campos discursivos e espaço discursivo – que complementam o referido plano da análise de discurso em Adam (2008). Faz-se, inicialmente, um paralelo entre os pontos de vista dos teóricos, contrastando o posicionamento segundo a Linguística Textual do Discurso, conforme Adam, e a Análise do Discurso delineada por Maingueneau. Em seguida, analisa-se em que aspectos essas áreas de estudo se aproximam e se complementam no sentido de se compreender melhor o plano mencionado. Na análise, deteve-se nas marcas linguísticas de colocação lexical e nas estratégias intertextuais encontradas na letra da canção, demonstrando o modo como essas marcas influenciam na construção da tessitura textual. Verifica-se que essas marcas não só colaboram, mas são importantes para a construção dos sentidos pretendidos pelos compositores, principalmente, pela presença da intertextualidade que perpassa os dois planos – textual e discursivo. Donde concluí-se que o gênero apresenta ora discurso religioso ora discurso político-reacionário para compor o tecido textual pretendido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Cristina Candido de Oliveira, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2016), mestrado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2010), especialização em Ensino de Língua Portuguesa pela Universidade Estadual do Ceará (2002) e graduação em letras pela Universidade Estadual do Ceará (1998). Trabalhou como professora de português e literatura da rede pública estadual e municipal de Fortaleza, foi professora-tutora, na UAB/UFC, na modalidade semipresencial do EaD, atualmente, é professora adjunta I da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). É integrante do grupo de pesquisa GETEME (UFC) e Protexto (UFC), coordenadora do grupo de estudo GELPI (UVA) e do grupo de pesquisa GPELP (UVA) . As atividades de pesquisa concentram-se em: estrutura composicional narrativa e argumentativa, estrutura retórico-argumentativa e gêneros textuais afins.

Maria Margarete Fernandes de Sousa, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1983), em Pedagogia pela Universidade de Fortaleza (1989), Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (1998) e Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (2005). É professora Associado, nível 4, da Universidade Federal do Ceará e Coordenadora do Grupo de Pesquisa Gêneros: Estudos Teóricos e Metodológicos - GETEME/UFC. Desenvolve pesquisas na área de Linguística de Texto, atuando principalmente em análise de gêneros, gêneros promocionais e referenciação. É membro do GT da ANPOL de Linguística de Texto e Análise da Conversação e da Academia Cearense da Língua Portuguesa - ACLP, ocupando a cadeira 13. Áreas de pesquisa: análise de gêneros, com ênfase nos gêneros publicitários e nas estratégias de construção dos sentidos do texto (referenciação, intertextualidade, multimodalidade), e análise do discurso

Referências

ADAM, J.-M. Le textes: types et prototypes. Paris: Nathan, 1992.

ADAM, J.-M. Linguistique textuelle: des genres de discours aux textes. Paris: Nathan, 1999.

ADAM, J.-M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, 2008.

ADAM, J.-M. Quadro teórico de uma tipologia sequencial. In: BEZERRA, B. G.; BIASI-RODRIGUES, B.; CAVALCANTE, M. M. (Org.). Gêneros e sequências textuais. Recife: Edupe, 2009. p. 115-132.

BÍBLIA, Português. Bíblia de Jerusalém. Tradução Euclides Martins Balancin et al. São Paulo: Paulus, 2008.

BONINI, A. A noção de sequência textual na análise pragmático-textual de Jean-Michel Adam. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. p. 208-236.

COSTA, N. B. da. O primado da prática: uma quarta época para a Análise do Discurso. In: COSTA, N. B. da (Org.). Práticas discursivas: exercícios analíticos. Campinas, SP: Pontes, 2005. p.17-48.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2008.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. 3. ed. Tradução Freda Indursky. Campinas: Pontes, 1997.

MAINGUENEAU, D. O primado do interdiscurso. In: MAINGUENEAU, D. Gênese do discurso. Tradução Sírio Possenti. São Paulo: Parábola, 2008. p. 31-45.

MAINGUENEAU, D. O quadro genérico. In: MAINGUENEAU, D. Discurso literário. Tradução Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2009. p. 229-246.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi et al. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1995.

ROSCH, E. & LLOYD, B. B. (eds.). Cognition and Categorization. Hillsdale, New Jersey : Lawrence Erlbaum Associates, 1978.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

OLIVEIRA, Flávia Cristina Candido de; SOUSA, Maria Margarete Fernandes de.
“CÁLICE”: UMA ANÁLISE DAS MARCAS LINGUÍSTICAS E INTERTEXTUAIS
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 6, n. 17, p. 90–110, 26 Jan 2021Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 21 abr 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos