IDENTIDADE E CULTURA NA CRÔNICA “BANHO DE CHEIRO”, DE ENEIDA DE MORAES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2525-3441v7n20.2022.1

Palavras-chave:

Cultura, Identidades, Conhecimento, Amazônia

Resumo

Este trabalho apresenta algumas considerações sobre como a crônica “Banho de Cheiro” (1997) de Eneida de Moares dialoga com o conceito de ecologia dos saberes apresentado por Boaventura Santos (2008) no que se refere à questão do conhecimento. Essas considerações são facultadas porque se trata de uma crônica que aponta para uma série de possibilidades plurais de se existir que tem sido deixada de fora das epistemologias em prol de uma ótica hegemônica científica que se pretende estabelecer como única. Nesse mesmo texto, Eneida traz memórias importantes de sua infância que estabelece um paralelo com algumas ideias de Stuart Hall (2006) sobre cultura, identidade e representação. Isso porque, em “Banho de Cheiro”, a escritora paraense mostra a importância de se pensar e conhecer elementos que constituem uma identidade cultural como forma de interpretação da realidade e dos comportamentos. Assim, é proposta deste estudo mostrar, através de análise e de fragmentos da narrativa eneidiana, como os atores sociais, por meio de seus sistemas e de suas conceituações, apresentam sentidos para o mundo em que vivem; sentidos esses construídos dentro de uma pluralidade de formas de existências, desembocando em um conhecimento que vai além do saber científico.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. São Paulo: LTC, 1989.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2000

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 7. ed. Rio de Janeiro. DP&A, 2006.

PACHECO, Agenor Sarraf. Os Estudos Culturais em outras Margens: identidades afroindígenas em ‘zonas de contato’ Amazônicas. Fênix (UFU Online), v. 09, p. 01-19, 2012

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Ed. da Unicamp, 2000

SANTOS, B. S. A crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

___________. Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes”, in Santos, Boaventura de Sousa e Meneses, Maria Paula (Orgs.), Epistemologias do Sul. Coimbra: Editora Almedina, 23-71, 2008

__________. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 2002.

Downloads

Publicado

2022-02-28

Como Citar

ATAIDE, Luciana de Barros.
IDENTIDADE E CULTURA NA CRÔNICA “BANHO DE CHEIRO”, DE ENEIDA DE MORAES
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, p. 05–19, 28 Fev 2022Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 21 abr 2024.

Edição

Seção

Estudos Literários