A DESUMANIZAÇÃO DOS PERSONAGENS DE “VIDAS SECAS” COMO ELEMENTO DA EXPLORAÇÃO SOCIAL

Autores

Palavras-chave:

Literatura Brasileira Moderna. Silenciamento. Linguagem. Sociedade e meio ambiente.

Resumo

Ao abordar o drama da desumanização imposta aos personagens do clássico "Vidas Secas", de Graciliano Ramos, o presente estudo se propõe a analisar como a carência da linguagem promove a animalização do homem, provoca a solidão e o isolamento social. Para fundamentar o tema, adotamos os estudos de Holanda (1992), Melo (2005) e Protez e Menon (2008), que evidenciam as práticas de exclusão como elemento da exploração social. Com uma metodologia baseada em revisão bibliográfica e interpretação literária, contextualizamos as contribuições propostas pelos teóricos para defender a ideia central: os silenciamentos são impostos pelos ambientes social (humano) e geográfico (natureza) da narrativa. Mediante essa análise, entendemos que a animalização do homem resulta na ausência de linguagem e na normalização disso diante da vida de negações. Os resultados comprovam que a ausência da fala é fator determinante para a condição de seres explorados e oprimidos e, ainda, constitui uma esfera de continuidade. Ao final da narrativa, diferenças entre humanos e animais são enfim contempladas, quando são perceptíveis as raras ações emotivas, como o florescer da esperança e as perspectivas de uma vida melhor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Remígio Florêncio, IF Sertão Pernambucano

Doutorando em Educação (UFBA); Mestre em Educação e Cultura (UNEB); Mestrando em Inovação Pedagógica (UMa - Portugal); Formado em Letras (UPE) e em Pedagogia (UNEB)

Carlos Alberto Batista dos Santos, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doutor em Etnobiologia; Professor-orientador do Programa de Pós-graduação em Ecologia Humana (PPGEcoH/Uneb).

Maria Aparecida Alves, Secretaria de Educação de Pernambuco

Mestranda em Ecologia Humana (PPGecoH/Universidade do Estado da Bahia:; Especialista em Literatura Brasielira (UPE); Graduada em Letras (UPE).

Referências

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura. São Paulo: Cultrix, 1994.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. São Paulo: Editora 34, 1992.

COUTINHO, Afrânio. Literatura Brasileira. Petrópolis: Vozes, 1983.

DUTRA, Kátia (2015). 119 anos de Graciliano Ramos. Disponível em Blog Conceitos Literários. www.conceitosliterarios.com.br . Acesso em 17 de abril de 2019.

FLORÊNCIO, Roberto Remígio (2018). Introdução à Análise do Discurso. Blog Etnolinguagens. Disponível em www.etnolinguagens.webnode.com , acessado em 20 de março de 2020.

GANCHO, Candida Vilares (2003). Como analisar narrativas. 7 ed. São Paulo: Ática, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HOLANDA, Lourival. Sob o signo do silêncio: Vidas Secas e o Estrangeiro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 1992.

LINS, Álvaro. Valores e misérias das vidas secas. In: RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 56. ed. Rio, São Paulo: Record, 1986.

MELO, Ana Amélia M. C. A Crítica Social e a Escrita em Vidas Secas. Estudos, Sociedade e Agricultura, ano 13, volume 02. UFRRJ, 2005.

NICOLA, José. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. 33ª Edição. São Paulo: Scipione, 1999.

PACHECO, Ana Paulo. O vaqueiro e o procurador dos pobres: Vidas Secas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 60, p. 34-55, 2014.

PATTO, Maria Helena Souza. O mundo coberto de penas: Família e utopia em Vidas secas. Estudos Avançados, n. 26, p. 76, p. 225-236, 2012.

PLATÃO, Francisco; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 33ª edição. São Paulo: Ática, 2001.

PROTEZ, Cláudia Fernanda e MENON, Maurício. O homem e a linguagem em Vidas Secas. Revista Eletrônica Lato Sensu: Ed. 4. UNICENTRO, 2008

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 124ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2014.

REIS, Zenir Campos. Tempos futuros – Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Estudos Avançados, n. 26, p. 76, p. 187-208, 2012.

SILVA, Maria de Narazé Moreira da. A secura do mundo seca a palavra de Fabiano. Belém: Universidade da Amazônia, 2001

SELLTIZ, C.; WRIGHTSMAN, L. S.; COOK, S. W. Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: Herder, 1965.

VENTUROTTI, Fabiano. Exílio, fronteira e fome em Vidas Secas. Revista Crioula, São Paulo: USP, maio de 2008, nº 3, p. 1-6, maio de 2008: Disponível em

http://www.fflch.usp.br/dlcv/revistas/crioula/edicao/03/Artigos%20e%20Ensaios%20- %20Fabiano%20Venturotti.pdf.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

FLORÊNCIO, Roberto Remígio; SANTOS, Carlos Alberto Batista dos; ALVES, Maria Aparecida.
A DESUMANIZAÇÃO DOS PERSONAGENS DE “VIDAS SECAS” COMO ELEMENTO DA EXPLORAÇÃO SOCIAL
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 6, n. 17, p. 333–348, 26 Jan 2021Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 21 abr 2024.

Edição

Seção

Ensaio