A aplicação da metodologia feminista de Alda Facio Montejo como chave de compreensão da manifestação do sexismo em entidades coletivas da educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2358-4319v17n1.2024.14

Palavras-chave:

sexismo, Alda Facio Montejo, sindicalismo docente

Resumo

O objetivo do presente estudo é analisar as diferentes manifestações do sexismo no bojo das relações coletivas docentes e no âmbito de suas entidades representativas, questionando os papéis de gênero estabelecidos com base nas reflexões propostas por Alda Facio Montejo na obra “Cuando el género suena câmbios trae” (1992). Para tanto, o procedimento metodológico empregado foi a revisão bibliográfica com uma abordagem qualitativa, utilizando como marco teórico a obra mencionada. Partindo da problematização da concepção de docência como atividade vocacional feminina, exploramos os seis passos desenvolvidos por Montejo em sua metodologia feminista para aplicar as lentes de gênero nas relações sindicais docentes e verificar de que maneira as diferentes formas de sexismo se apresentam, além dos seus impactos. Apontamos, ainda, os avanços constatados a partir de pesquisas recentes e as proposições de superação dessas opressões por meio da conscientização dos sujeitos envolvidos e de um processo cíclico e coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thaís Rodrigues Martins, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Integrante do Laboratório de Educação e República (LER-UERJ). Pedagoga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.

Stella Mendes de Castro Reis, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGD-UFRJ). Grupo de Pesquisa Configurações Institucionais e Relações de Trabalho (CIRT-UFRJ). Bolsista CAPES.

Referências

BAYLOS, Antonio. ¿Para que sirve un sindicato? 2. ed. Madrid: Los Libros de la Catarata, 2021.

DAL ROSSO, Sadi; CRUZ, Hélvia Leite; RÊSES, Erlando da Silva. Condições de emergência do sindicalismo docente. Revista Scielo: Campinas, v. 22, n. 2, p. 111-131, mai./ago. 2011.

FERNANDES, Rafael Simonek. Reformas Institucionais de austeridade e impactos na categoria docente: a atuação do SEPE-RJ entre os anos de (2016-2020). Rio de Janeiro, 2020, 87 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

FERREIRA, Márcia Ondina Vieira. “FALAR SOBRE GÊNERO É FALAR LÁ NO OITO DE MARÇO” – trajetórias de mulheres sindicalistas e seus posicionamentos sobre a importância do gênero no sindicato e na escola. In: Currículo sem Fronteiras, v. 21, n. 1, p. 335-360, jan./abr. 2021.

FERREIRA, Márcia Ondina; CORONEL, Márcia Cristiane Völz Klumb. Sobre a legitimação do campo do gênero na ANPED. Revista Educação e Pesquisa: São Paulo, v. 43, n. 3, p. 815-832, jul./set., 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/136786/132532. Acesso em: 13 mar. 2024.

FERREIRA, Márcia Ondina. Pesquisando gênero e sindicalismo docente: À procura de um referencial para uma temática transdisciplinar. In: ROSSO, Sadi Dal (org.). Associativismo e sindicalismo em educação - Organização e lutas. Biblioteca

FETQUIM. Representação sindical da mulher avançou no Brasil. 2023. Disponível em: http://fetquim.org.br/noticias/representacao-sindical-da-mulher-avancou-no-brasil-3814/. Acesso em: 09 jul. 2023.

GOGNA, Monica. Mulheres nos Sindicatos: Organização, Práticas e Exigências. A participação de mulheres em sindicatos na América Latina. 2021. Disponível em: https://medium.com/qg-feminista/mulheres-nos-sindicatos-organiza%C3%A7%C3%A3o-pr%C3%A1ticas-e-exig%C3%AAncias-b3802eafb9e2. Acesso em: 09 jul. 2023.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Revista Scielo: São Paulo, Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/cCztcWVvvtWGDvFqRmdsBWQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 09 jul. 2023.

HYPÓLITO, Álvaro Moreira. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. São Paulo: Papirus, 1997.

HONNETH, Axel. Desrespeito e resistência: a lógica moral dos conflitos sociais. In: Luta por reconhecimento. São Paulo: Editora 34, 2003, p. 253-268.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, p. 443-481, 2004.

MARTINS, Thaís Rodrigues. Memórias militantes: a trajetória de Dodora Mota na luta pela educação pública. Rio de Janeiro, 2019, 148 f. Dissertação (Mestrado em História da Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

MIRANDA, Kênia Aparecida. As lutas dos trabalhadores da educação: do Novo Sindicalismo à ruptura com a CUT. Niterói, 2011. 400 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

MONTEJO, Alda Facio. Cuando el género suena cambios trae (una metodología para el análisis de género del fenómeno legal). 1. ed. San José, C.R.: ILANUD, 1992.

MONTEJO, Alda Facio. Cuando el género suena cambios trae (una metodología para el análisis de género del fenómeno legal). 1. ed. San José, C.R.: ILANUD, 1992, 156p.

MORANDI, Lucilene; Melo, Hildete Pereira de. Os efeitos da pandemia da covid-19 nas relações de gênero e raça no Brasil. In: Rodrigues, Maria Cristina; BARROSO, Márcia; PESSANHA, Elina (orgs.). Trabalho em tempos de crise: desafios e perspectivas da luta por direitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 41-77, 2022.

RÊSES, Erlando da Silva. De vocação para profissão: sindicalismo docente da educação básica no Brasil. Brasília: Paralelo 15, 2015, 196p.

TARROW, Sidney. O poder em movimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

VIANNA, Cláudia Pereira. A produção acadêmica sobre organização docente: ação coletiva e relações de gênero. Educação & Sociedade, v. 22, n. 77, p. 100-130, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/W98RfJdzVjqNVrsKYtw89rq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 30 ago. 2022.

YANNOULAS, Silvia Cristina. Educar: una Profesión de Mujeres? La Feminización del Normalismo y la Docencia en Brasil y Argentina 1870-1930). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos: Brasília, v. 74, n. 178, p. 713-738, set./dez. 1993. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/rbep/article/view/1171/910. Acesso em: 30 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2024-03-31

Como Citar

MARTINS, Thaís Rodrigues; REIS, Stella Mendes de Castro.
A aplicação da metodologia feminista de Alda Facio Montejo como chave de compreensão da manifestação do sexismo em entidades coletivas da educação básica
. Revista Educação e Emancipação, v. 17, n. 1, p. 264–286, 31 Mar 2024 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/reducacaoemancipacao/article/view/21928. Acesso em: 24 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos