Apropriação dos fundamentos da Afrocentricidade por uma Educação Antirracista e Libertadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2358-4319v16n3.2023.51

Palavras-chave:

afrocentricidade, educação afrocentrada, epistemologias antirracistas

Resumo

O objetivo do texto é discutir o processo de resistência e afirmação de outras formas de produção de conhecimento diante da imposição hegemônica da epistemologia ocidental, especificamente em sociedades africanas. A pesquisa justifica-se pela necessidade de aprofundarmos os fundamentos teóricos da afrocentricidade em articulação com outras epistemologias antirracistas enquanto alternativas ao pensamento hegemônico estrutural. O estudo baseou-se na metodologia da pesquisa exploratória, de fontes bibliográficas atreladas ao paradigma teórico da afrocentricidade defendida por Molefi Asante (2014), Ama Mazama (2009) e as suas principais categorias conceituais de Agência, Centralidade/Marginalidade e Conscientização, dialogadas com a pedagogia libertadora de Paulo Freire (2011) e Carlos Brandão e Raiane Assumpção  (2009), junto ao pensamento decolonial de Anibal Quijano (1992) e Walter Mignolo (2005). Os resultados do estudo sugerem  uma educação afrocentrada adequada à realidade dos africanos e das africanas, em harmonia com outras formas de produção de conhecimento, pautada pela diversidade epistêmica trabalhada na perspectiva de Ramón Grosfoguel (2016), Santos e Meneses (2010), opondo-se à contra-hegemonia ocidental e aos seus modelos monótonos e universais.        

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Horácio Correia, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Membro do Grupo de Pesquisa Laboratório da Educação das Relações Étnico-Racial (Laberer/UFPE).

Maria da Conceição dos Reis , Universidade Federal de Pernambuco

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Líder do Laberer/UFPE.

Referências

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa. Larkin. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 93-110.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: A teoria de mudança Social. Ana Monteiro Ferreira; Ama Mizani e Ana Luci (trad.). Philadelphia, PA: Afrocentricity International, 2014.

ASANTE, Molefi Kete. The Journal of Negro Education, Philadelphia v. 60, n. 2, p. 170-180, 1991.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; ASSUMPÇÃO, Raiane. Cultura rebelde: escritos sobre a educação popular ontem e agora. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

DIOP, Cheikh Anta. Nations nègres et culture: de l’antiquité nègre égyptienne aux problèmes culturels d’Afrique Noire d’aujourd’hui. Paris: Présence Africaine, 1999.

FINCH III, Charles. A afrocentricidade e seus críticos. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 167-177.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativas: 25 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Soc. estado., Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, Apr. 2016.

GROSFOGUEL, Ramón. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluri-versalismo transmoderno decolonial desde Aimé Césaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon (coords.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007, p. 63-77.

GROSFOGUEL, Ramón. “Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais.”. Tábula Rasa (Bogotá, Colombia), nº 4) enero-junio, pp.17-48, 2006.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. O problema do negro na sociologia brasileira. Cadernos do Nosso Tempo. Rio de Janeiro. v. 2, n. 2, jan./jun, 1954.

HILLIARD, Asa III. African power: affirming african indigenous socialization in the face of the culture wars. Gainesville: Makare Press, 2002.

KI-ZERBO, Joseph. (Org.). História Geral da África: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010, p. 30-57.

LEE, Carol. African Centered Pedagogy: complexities and possibilities. In: SHUJAA, Mwalimu J (Eds.). Too much scholing, too litle education: a paradox of black life in white societies. Trenton: Africa World Press, 1994, p. 267-297.

LUZ, Marco; LUZ, Narcimária. Educação na perspectiva da ancestralidade africano-brasileira. In: BARRETOS, Maria; et al. (Org.). Africanidade(s) e Afrodescendencia(s): perspectivas para a formação de professores. Vitoria: EDUFES, 2013, p. 105-124.

MAZAMA, Ama. A afrocentricidade como um novo paradigma. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 111-128.

MAZAMA, Ama. The Afrocentric Paradigm. Trenton: Africa World Press, 2003.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, Edgardo. (Org.). A colonialidade do saber: tire a perspectiva latino-americana. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103.

MIGNOLO, Walter. Historias locales/disenos globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2003.

MUNANGA, Kabenguele. O mundo e a diversidade: questões em debate. Bicentenario da Independencia. Estud. Av. 36, (105). May-Aug 2022.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. Introdução às antigas civilizações africanas, In: NASCIMENTO, Elisa Larkin. (Org.). A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 55-72.

NOGUERA, Renato. Afrocentricidade e educação: os princípios gerais para um currículo afrocentrado. Revista África e Africanidades, ano 3, nº 11, p. 1-16, nov. 2010.

ONDÓ, Eugênio Nkogo. Síntesis sistemática de la filosofía africana. Barcelona: Ediciones Carena, 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialité du Pouvoir, Démocratie et Citoyenneté en Amérique Latine. en Amérique Latine: Démocratie et Exclusion. Paris: L’Harmattan, 1994.

QUIJANO, Aníbal; WALLERSTEIN, Immanuel. Americanity as a concept or the Americas in the modern world-system. International Social Science Journal. Paris, v. 44. n. 4, p. 549-557. November 1992.

RABAKA, Reiland. Teoria crítica africana. In: NASCIMENTO, Elisa. Larkin. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 129-146.

SANTOS Boaventura de Sousa e MENESES Maria Paula (orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Introdução. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 9-19.

SANTOS, Joel, Rufino. O negro como lugar. In: MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura. (Orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; CCBB, 1996, pp. 219-223.

SHUJAA, Mwalimu. (Org.). Too much schooling, too little education. Trenton: Africa World Press, 1995.

SHUJAA, Mwalimu. Too much schooling, too little education: a paradox of Black life in White societies. Trenton NJ: Africa World Press, 1994.

WALSH, Catherine. Pensamiento crítico y matriz (de)colonial: reflexiones latino-americanas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005.

Downloads

Publicado

2023-11-20

Como Citar

CORREIA, Carlos Horácio; REIS , Maria da Conceição dos.
Apropriação dos fundamentos da Afrocentricidade por uma Educação Antirracista e Libertadora
. Revista Educação e Emancipação, v. 16, n. 3, p. 361–384, 20 Nov 2023 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/reducacaoemancipacao/article/view/21304. Acesso em: 24 jul 2024.