Vivências no cotidiano do brincar: as marcas do racismo estrutural na ecologia da educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2358-4319v17n1.2024.4

Palavras-chave:

racismo estrutural, ecologia de desenvolvimento, brincar na educação infantil

Resumo

O presente artigo é um recorte da dissertação de mestrado e objetivou identificar como as crianças da educação infantil, manifesta e ou percebem padrões de beleza. E teve como problema desencadeador: como as crianças da educação infantil percebem as relações de racismo e discriminação racial que vivenciam? Apoiada nas concepções do Modelo Bioecológico de Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner (1917-2005), cotejado à discussão acerca do racismo estrutural (Ameida, 2020), a pesquisa foi realizada em uma escola municipal do norte paranaense, na cidade de Londrina. Participaram da pesquisa 14 crianças com idades entre 4 e 5 anos, dentre elas 10 negras, 3 brancas e 1 asiática.  A abordagem apresentada é qualitativa de natureza exploratória descritiva. Como procedimento, empregou-se a observação de situações de brincadeiras cotidianas na sala de aula. Os dados revelaram que as crianças já incorporaram um padrão de beleza eurocêntrico que nega a beleza negra e desqualifica os traços étnicos, legitimando a aceitação apenas do branco como belo e refutando a identidade preta. Os dados levaram a refletir como as crianças negras estão experienciando as vivências escolares sobre a não aceitação, a  invisibilidade e a rejeição do corpo preto como formas de violência que podem prejudicar a construção da identidade das crianças pretas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ângela da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Mestra em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutoranda pela UEL. Membra do Grupo de pesquisa; Processos do ensinar e aprender: aspectos sociais, afetivos e cognitivos e a construção da convivência sócio-moral na escola.  Professora da rede municipal de Londrina.

Francismara Neves de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina

Pós - doutora em Psicologia da Educação pelo Instituto de Psicologia – USP e Pós doutora em Educação pela Universidade Norte-Paranaense. Mestre em Psicologia da Educação – UNICAMP. Doutora em Educação - UNICAMP. Docente do Departamento de Educação e do Programa de Pós- Graduação em Educação – UEL. Coordenadora do grupo de Pesquisa; Processos do ensinar e aprender: aspectos sociais, afetivos e cognitivos e a construção da convivência sócio-moral na escola.

Ana Carolina Mexia Aleixo, Universidade Estadual de Londrina

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Universidade Estadual de Londrina (Bolsista Capes 2023-2024). Membra do Grupo de pesquisa; Processos do ensinar e aprender: aspectos sociais, afetivos e cognitivos e a construção da convivência sócio-moral na escola. 

Referências

ALEIXO, Ana Carolina Mexia. et al. O preconceito de classe social no livro didático: um estudo apoiado na Epistemologia Genética. Conjecturas, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 778–791, 2022.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Jandaíra, 2020.

ALMEIDA, Djanira Soares de Oliveira. Pesquisa Qualitativa: em busca do significado. Série Educação: Linguagens. Volume 1. 2ª ed. Curitiba: Editora CRV, 2014.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro. Ed. Bertrand Brasil. S. A, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Tradução de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século – Edições, Sociedade Unipessoal, 2003.

BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm >Acesso em: 26 out. 2022.

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. Disponível em:< https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm> Acesso em: out. 2022.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados (VERONESE, M. A. V. Trad.). Porto Alegre. Artes Médicas, 1996.

CECCONELLO, Alessandra Marques; KOLLER, Sílvia Helena. Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. In: Psicologia: Reflexão e Crítica. vol.16, n.3, pp. 515-524, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n3/v16n3a10.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2022.

COLUSSI, Lisiane Gruhn. Contribuições dos jogos de papéis para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores. 2016. 153 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2016. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3325. Acesso em: 30 mai. 2023 » http://tede.unioeste.br/handle/tede/3325em:<https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/17581/11519>. Acesso em: 27 mai.2023.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador. EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Revolução africana: uma antologia do pensamento marxista. Organizadores Jones Manoel, Gabriel Landi Fazzio. São Paulo. SP: Autonomia Literária, 2019.

GAIDARGI-GARUTTI, Alessandra Maria Martins; ROMÃO, José Eustáquio. Preconceito e educação infantil: a gênese dos comportamentos segregacionistas na primeira infância. Cadernos de Pós-graduação, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 33-47, jul./dez, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5585/cpg.v19n2.18366. Acesso em: 23 out. 2022.

GODOY, Eliete Aparecida de. A representação étnica por crianças pré-escolares: um estudo de caso à luz da teoria piagetiana. São Paulo. Unicamp, 1996. (Dissertação de mestrado). Disponível em: < http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/109825> Acesso em: 08 nov. 2022.

GOMES, Nilma Lino. Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.) Racismo e anti-racismo na educação; repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001, p. 83-96.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal 10639.03: 39-62, 2005. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2017/03/Alguns-termos-e-conceitos-presentes-no-debate-sobre-Rela%C3%A7%C3%B5es-Raciais-no-Brasil-uma-breve-discuss%C3%A3o.pdf> Acesso em: 27 mai. 2023.

GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de Negro. Rio de Janeiro. Marco Zero, 1982.

KAMII, Constance; DEVRIES, Rheta. Piaget para a educação pré-escolar. Tradução de Maria Alice Bade Danesi. Porto Alegre: Arte Médicas, 1991.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, Lev Semenovich; LURIA, Alexander Romanovich; LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2016. p. 119-142.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. Porto Alegre: Cortez editora, 24ª ed. 2016.

SOUZA, Neuza Souza. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro. Edições Graal, 1983.

Downloads

Publicado

2024-03-31

Como Citar

SILVA, Ângela da; OLIVEIRA, Francismara Neves de; ALEIXO, Ana Carolina Mexia.
Vivências no cotidiano do brincar: as marcas do racismo estrutural na ecologia da educação infantil
. Revista Educação e Emancipação, v. 17, n. 1, p. 74–87, 31 Mar 2024 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/reducacaoemancipacao/article/view/21565. Acesso em: 24 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos