CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA AS VIVÊNCIAS PRÁTICAS DOS ESTUDANTES DO CURSO DE HOTELARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

Autores

Palavras-chave:

Estágio, Vivências, Hotelaria

Resumo

Este estudo visa analisar o estágio como lugar de aprendizagem no curso de Hotelaria da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O desenvolvimento da pesquisa parte da abordagem qualitativa e, para a coleta de dados, foi utilizado questionário com perguntas abertas aplicado aos graduandos do curso de Hotelaria da UFMA, que são os sujeitos participantes da pesquisa. A partir dos resultados, conclui-se que: o estágio leva o aluno desse curso a aliar a prática e teoria bem como analisar a prática a partir da teoria; entende-se, desse modo que, durante o estágio o aluno tem a oportunidade de construir sua identidade profissional e avaliar o lugar de sua futura profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonilson Costa Correia, Universidade Federal do Maranhão

Doutor em Educação – FaE – UFMG. Professor do Departamento de Turismo e Hotelaria da Universidade Federal do Maranhão.

Referências

AZEVEDO, Antulio José de et al. A influência da pedagogia tecnicista na prática docente de uma escola de educação básica. In: Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, Ano XI–Número, 2013.

BIANCHI, A. C. M., et al. Orientações para o Estágio em Licenciatura. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

BISSOLI, M. Estágio em Turismo e Hotelaria. São Paulo: Aleph, 2006.

BRASIL. Decreto lei nº 4.073, de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jan. 1942.

BRASIL. Lei nº 6.494, de 7 de dezembro de 1977. Dispõe sobre os estágios de estudantes de estabelecimento de ensino superior e ensino profissionalizante do 2º Grau e Supletivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 dez. 1977.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 set. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Do Parecer CNE/CP n° 29, de 03/12/2002, com homologação publicada em 13 dez. de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para Educação Profissional e Nível Tecnológico. Brasília: MEC/CNE. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/cp29.pdf. Acesso em: 1 mai. 2018.

CORREIA, Jonilson Costa. A formação dos professores do curso de Hotelaria da Universidade Federal do Maranhão: desvelando a constituição dos seus saberes. 2011. 125p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Maranhão. São Luís.

COSTA, G. F. V. M. O estágio curricular e sua eficácia na Educação Superior. In: Revista Gestão Universitária, Ed. 79. nov. 2005.

COSTA, Débora de Souza; HAGE, Mª do Socorro Castro. Estágio supervisionado: desafios da relação teoria e prática na formação do pedagogo. 2013. 14p. Artigo Científico – Universidade Estadual do Pará. Igarapéaçu. FRANCO, Maria Amélia do R. S. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KULCSAR, Rosa. O estágio supervisionado como atividade integradora. In: PICONEZ, Stela C. B. et al. A prática de ensino e o Estágio Supervisionado. 2 ed. Campinas: Papirus, 2001.

LIMA, Paulo Gomes; MARRAN, Ana Lúcia. Estágio curricular supervisionado no ensino superior brasileiro: algumas reflexões. Revista e curriculum, São Paulo, v. 7, n. 2, ago. 2011.

LOPES, K. M. V.; TELES, M. M. R.; PATRÍCIO, P. C. de S. (org.). Estágio supervisionado em computação: reflexões e relatos. 1. ed. Curitiba: Apris, 2016.

MARCONI, M. A. LAKATOS, E. M. Fundamentos metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MARTINELLI, M. L. Pesquisa Qualitativa. Um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999.

MAVICHIAN, Thiago. Por que trocar de estágio pode ser uma boa opção? São Paulo, 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: https://www.ciadeestagios.com.br/trocardeestagio/. Acesso em: 12 jun. 2018.

MINAYO, M.C.S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis (RJ): Editora Vozes Limitada, 2011.

NASCIMENTO, Janaína Vargas; RAMOS, Tatiane Tavares; AROEIRA, Kalline Pereira. A formação do professor: contribuição do processo de estágio supervisionado em educação física. Fiep Bulletin, v. 81, edição especial, artigo 1, 2011.

PIMENTA, S. G. e LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 36. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, Demerval. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 17. ed. revista. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Projeto Político Pedagógico do Curso de Hotelaria Tecnólogo, 1987.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Projeto Político Pedagógico do Curso de Hotelaria Bacharelado, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Resolução nº. 1191CONSEPE, de 03 de outubro de 2014. Regulamento de Estágio dos Cursos de Graduação da UFMA.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre (RS): Penso, 2016. 313 p.

Downloads

Publicado

2022-05-10

Como Citar

COSTA CORREIA, J. . CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA AS VIVÊNCIAS PRÁTICAS DOS ESTUDANTES DO CURSO DE HOTELARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO. Revista Humanidades & Educação, Imperatriz(MA), 2022. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/humanidadeseeducacao/article/view/19199. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos