PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS SUBJACENTES À FORMAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA

tendências e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2229v29n3.2022.43

Palavras-chave:

Curso de Pedagogia, diretrizes, epistemologia, formação de professores

Resumo

As últimas décadas têm sido marcadas por reformas e pela implementação de projetos de formação distantes dos resultados de pesquisa, revelando um descompasso entre as lógicas que norteiam as reformas e o que dizem os pesquisadores sobre demandas emergentes no campo da formação de professores. Esse descompasso tem estimulado estudos sobre os pressupostos epistemológicos da formação docente, tendo em vista maior qualificação da análise sobre as propostas de formação que estão sendo implementadas em diferentes contextos. Em sintonia com os aspectos ora apresentados, este artigo apresenta resultados de uma tese de doutorado que investigou os pressupostos epistemológicos subjacentes à formação no Curso de Pedagogia em uma universidade pública estadual na região Nordeste do Brasil. Pretendeu-se analisar o efeito epistêmico das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura instituída pela Resolução do Conselho Nacional de Educação CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Quanto à metodologia, utilizou-se: revisão de literatura com recorte a partir da segunda metade do século XX, explorando contribuições de autores de tendência crítico-progressista no campo da educação; pesquisa documental e empírica cuja coleta de dados envolveu aplicação de questionário; e entrevista semiestruturada. Os resultados evidenciaram o avanço da perspectiva conservadora político-ideológico e do neoliberalismo na educação, o esgotamento da tese da docência como base da formação do Curso de Pedagogia e, ainda, indicaram demandas para novos estudos sobre a problemática epistemológica presente na Ciência da Educação e no Curso de Pedagogia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelson Ferreira da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Guanambi-BA, Brasil. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9729796550869174

 

Suzana dos Santos Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais

Pós-Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) e Universidade de Lisboa (UL). Professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Líder do Grupo de Pesquisas-Ação sobre Universidade e Educação Superior. 

Lattes: http://lattes.cnpq.br/7926600962920347

Referências

APPLE, Michael W. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdades. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Cortez, 2003.

BALL, Stephen J. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Tradução de Marcelo de Andrade Pereira. Revisão da tradução de Luís Armando Gandin. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio/ago. 2010.

BOLETIM ANFOPE, [S. l.] n. 2, v. 31, 4 jun. 2021. Editorial e edição deste boletim: Suzane da Rocha Vieira Gonçalves, Márcia Hobold, Silvana Bretas, Helena Lopes de Freias, Andreia Militão, Malvina Tuttman, Alessandra Assim e Ana Rosa Brito. Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2021/06/BOLETIM-02-2021.pdf. Acesso em: 15 jun. 2022.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer no 252/1969. Estudos pedagógicos superiores. Mínimos de conteúdos e duração para o curso de graduação em pedagogia. Relator Valnir Chagas. Documento, n° 100, 1969. p. 101-179. Disponível em: https://1library.org/article/parecer-cfe-nº-surgem-as-habilitações.1y963kjy

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002a. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, cursos de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 31, 9 abr. 2002. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 5 jul. 2022.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Resolução CNE/CP nº 1/2006. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 11, 16 maio 2006.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP nº 2/2015. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 8-12, 2 jul. 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 5 jul. 2022.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 46-49, 15 abr. 2020.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia como ciência da educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

FRANCO, Maria Amélia Santoro; LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Elementos para a formulação de diretrizes curriculares para cursos de pedagogia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 130, p. 63-97, jan./abr. 2007.

FREIRE, Paulo. Conscientização. Tradução de Tiago José Risi Leme. São Paulo: Cortez, 2016.

GIROUX, Henry A.; FIGUEIREDO, Gustavo O. Por uma práxis radical na luta em defesa da democracia: desafios contemporâneos para a formação política e a educação crítica no século XXI. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 15, e2014787, p. 1-25, 2020.

GOMES, Suzana dos Santos; FERNANDES, Domingos; SOUZA, Sandra Zákia. Políticas de formação de professores e regulação de cursos em Portugal e no brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 32, e08437, 2021.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. BNCC, agenda global e formação docente. Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 187-201, jan./maio 2019.

IMBERNÓN, Franciso. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. Tradução de Silvana Cobucci Leite. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KELLER, Vicente; BASTOS, Cleverson L. Aprendendo lógica. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2019.

LIBÂNEO, José Carlos. Diretrizes curriculares da pedagogia: imprecisões teóricas e concepção estreita da formação profissional de educadores. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96 – Especial, p. 843-876, out. 2006.

LIBÂNEO, José Carlos. A teoria do ensino para o desenvolvimento humano e o planejamento de ensino. Educativa, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 353-387, maio/ago. 2016.

LIBÂNEO, José Carlos; FREITAS, Raquel A. Marra da Madeira (org.). Políticas educacionais neoliberais e escola pública: uma qualidade restrita de educação escolar. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico, 2018. e-PUB.

PIMENTA, Selma Garrido (org.). Pedagogia, Ciência da Educação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PORTELINHA, Ângela Maria Silveira; BORSSOI, Berenice Lurdes; SBARDELOTTO, Vanice Schossler. Diretrizes curriculares nacionais n.º 02 de 2019: a possível dissolução do curso de Pedagogia. Formação em Movimento, Seropédica, v. 3, i. 1, n. 5, p. 92-113, jan./jun. 2021.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Tradução de Marcelo Duarte. Porto Alegre: Sulinas, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 41. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SCHÖN, Donald A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SILVA, Adelson Ferreira de. A questão epistemológica da formação de professores no curso de pedagogia: a ciência da educação entre a teoria pedagógica e o praticismo. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2022.

SILVESTRE, Maria Magali; PINTO, Umberto de Andrade (org.). Curso de pedagogia: avanços e limites após diretrizes curriculares nacionais. São Paulo: Cortez, 2017.

WERLE, Flávia Obino Corrêa. Políticas de avaliação em larga escala na educação básica: do controle de resultados à intervenção nos processos de operacionalização do ensino. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 769-792, out./dez. 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

Silva, A. F. da ., & Gomes, S. dos S. (2022). PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS SUBJACENTES À FORMAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA: tendências e desafios. Cadernos De Pesquisa, 29(3). https://doi.org/10.18764/2178-2229v29n3.2022.43