EXPERIÊNCIAS REFERENCIAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.7

Palavras-chave:

escolas referencias, educação indígena, conhecimento.

Resumo

O artigo apresenta o conceito de escola referencial, marca original deste trabalho, discorre sobre este termo principalmente ao abordar as escolas referenciais como tais, por balancearem o ensino do conhecimento ocidental com o tradicional. Apresenta também escolas indígenas referenciais em três regiões brasileiras distintas.Traz a discussão sobre a necessidade de se ensinar o conhecimento tradicional nas escolas indígenas e não somente o universal como é defendido por uma tendência dos estudos sobre a educação escolar indígena.O ponto de partida histórico da educação escolar indígena aconteceu no Acre. Tanto lá quanto em outras regiões, o método desenvolvido nas escolas ditas referenciais foi o de Paulo Freire.A importância da educação escolar indígena foi primordial na formação de organizações indígenas, responsáveis pelo avanço dos direitos indígenas contidos na Constituição Federal de 1988.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Manuel Ribeiro Meireles, University of Nottingham

Culture Langguages and Area Studies

Spanish Portuguese and Latin America Studies

Referências

ABBONIZIO, A. C. de O. Educação Escolar Indígena como Inovação Educacional: a escola e as aspirações de futuro das comunidades. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia da Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo.

ALBUQUERQUE, J.G. Educação Escolar Indígena: do panóptico a um espaço possível de subjetivação na resistência. 2007. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada), Universidade de Campinas, Campinas.

BENDAZZOLI, S. Política Públicas de Educação Escolar Indígena e a Formação de Professores Ticunas do Alto olimões/AM. 2011. Tese (Doutorado em Políticas Públicas), Universidade de São Paulo, São Paulo.

CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Identidade, Etnia e Estrutura Social. São Paulo: Pioneira, 1976.

DORIAN, N.C. The Value of Language-Maintenance Efforts which are unlike to succeed. International Journal of the Sociology of Language, 68,p.57-67, 1987.

FERREIRA, M.K.L. “A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil”. In: LOPES DA SILVA, A.; FERREIRA, M.K.L. Antropologia, História e Educação: a questão indígena e escola. São Paulo: Global, 2000/2001, p.71-111.

FREIRE, P. Criando métodos de pesquisa alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da ação. In: Brandão, C.R. (Org.) Pesquisa participante, 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1982, p.34-41.

GORETE NETO, M. As Representações dos índios Tapirapé sobre sua escola e as línguas faladas na aldeia: implicações para a formação de professores. 2009. Tese ( Doutorado em Linguística Aplicada), Universidade de Campinas, Campinas.

GRUPIONI, L.D.B. Olhar longe porque o futuro é longe: cultura, escola e professores indígenas no Brasil. 2008. Tese (Doutorado em Antropologia Social) Universidade de São Paulo, São Paulo.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos (o breve século XX 1914-1991). 2ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

LUCIANO, G. J. dos S. “Educação Escolar: Desafios da Escolarização Diferenciada”. Povos indígenas no Brasil 2001-2005. ISA, 2006, p.145-150.

______. Educação para o manejo e domesticação do mundo entre a escola ideal e a real: os dilemas da educação escolar indígena no ARN. 2012. Tese (Doutorado em Antropologia Social) Universidade de Brasília, Brasílil. Disponível em: www.dan.unb.br/imagens/doc/Tese 2012.pdf. (Acesso em 17/04/2016).

MAHER, T. de J. M. Ser professor sendo índio: questões de linguagem e identidade. 1996. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) Universidade de Campinas, Campinas.

MESSEDER, M.L.L.; FERREIRA S.M.M. A educação escolar entre os Tupinambá da Serra do Padeiro: reflexões sobre a prática docente e o projeto comunitário. Revista da FAEEBA – Educação Contemporaneidade, Salvador, v.19, n.33, p.185-198, 2010.

MIDLIN, B.; MUÑOZ, H.; AZEVEDO, M. M. (Coord.). Apreciação das políticas públicas em educação indígena no período 1995-2002. Relatório. Brasília: MEC/SEF. 2002.

MONTE, N. L. A construção das escolas indígena nos diários de classe: estudo de caso Kaxinawá.1994. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

PEREIRA, A.M. Bioprospecção e Conhecimentos Tradicionais: uma proposta institucional para sugestão no Brasil. 2013.Tese de Doutorado do Instituto de Economia da Unicamp, Campinas.

SILVA, A. L. da(Org.) Comissão Pró-Índio: A Questão da Educação Indígena. São Paulo: Brasiliense, 1981.

TASSINARI, A. M. I. Escola indígena: novos horizontes teóricos, novas fronteiras de educação. In Lopes da Silva, Aracy e Ferreira, M.K.L. (Org.) A História e Educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2000/2001 , p.44-70.

VILLARES E SILVA, L.F. Estado Pluralista? O reconhecimento da organização social e jurídica dos povos indígenas no Brasil. 2013. Tese de Doutorado, Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo

Downloads

Publicado

2023-11-15

Como Citar

Meireles, J. M. R. . (2023). EXPERIÊNCIAS REFERENCIAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BRASILEIRA. Cadernos De Pesquisa, 30(1). https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.7

Edição

Seção

Artigos