A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA ENQUANTO INSTRUMENTO DE GARANTIA DE PROCESSOS DIALÓGICOS E ACESSO CURRICULAR PARA CRIANÇAS QUE “NÃO FALAM”

Autores

  • Jáima Pinheiro de Oliveira
  • Emely Kelly Silva Santos Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.9

Palavras-chave:

Linguagem, Criança, Escola, Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA)

Resumo

Este artigo tem como principal objetivo problematizar concepções de linguagem e de sujeito que possam garantir os processos dialógicos em ambiente escolar para crianças que “não falam”. De maneira específi ca, pretende-se discutir compreensões de defi ciência que circulam nas formações e em produções científi cas, argumentando em favor daquelas que mais se aproximam de uma perspectiva inclusiva. Pretendemos, também, discutir sobre os percursos iniciais e fundamentais de uso desses recursos para que as crianças que se comunicam por meio da fala possam participar das atividades e, consequentemente, acessar o currículo escolar. A apresentação do texto terá três focos: no primeiro, faremos uma discussão sobre os avanços do campo da Educação Especial, as concepções de defi ciência e o processo de inclusão escolar; no segundo, comentaremos sobre os sujeitos com necessidades  complexas de comunicação e seu lugar na escola. E, na terceira parte, comentaremos sobre o acesso curricular desses sujeitos a partir do uso de recursos de Comunicação Alternativa. Os argumentos expostos esclarecem a necessidade de se investir em acessibilidade atitudinal e deixam claro que esses recursos são os principais instrumentos capazes de garantir o direito à comunicação e promover a aquisição de linguagem no ambiente escolar e por se tratar de um conhecimento especializado exige um trabalho colaborativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMENDROS, Inácio Calderón.; LARDOEYT, Sabina Habegger. Educación, Hándicap e Inclusión - Una lucha familiar contra una escuela excluyente, Granada: Máqina edicones, 176 p, 2012.

AMERICAN SPEECH-LANGUAGE-HEARING ASSOCIATION. Competencies for speech language pathologists providing services in augmentative communication.ASHA, v.31, p.107- 110, 1989.

BALANDIN, Susan. Message from the President. The ISAAC Bulletin. 67, 1, p. 1-4, 2002.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Pedagogia da infância. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. p. 10-12.

BISHOP, Dorothy.; MOGFORD, Kay. Aquisição e desenvolvimento da linguagem em circunstâncias excepcionais. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 11 mar. 2021.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

BRASIL. Lei n. 13.146 de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Diário Oficial da União, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015.Acesso em: 03 set. 2018.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. 6ºEdição revista. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CARNEVALE, Luciana. Memorial. Concurso para contratação de professor na área de Linguagem Relacionada a Desordens Neurológicas. Natal: UFRN, 2009.

CARNEVALE, Luciana. Implementação de Recursos e Estratégias de Comunicação Alternativa.

Subprojeto de pesquisa In: Centro Educacional de Formação Continuada e Extensão. Projeto Institucional de Formação Continuada da Educação Básica – UNICENTRO, 2010.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de.; Afetos docentes e relações de cuidado na creche: narrativas de professoras em discussão. REVISTA IBERO-AMERICANA DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO, v. 14, p. 188-207, 2019.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de; GUIZO, Bianca Salazar. Interesse das crianças, pedagogia de projetos e metacognição: artes de governar a docência na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, v. 23, p. 222-236, 2016.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de; FOCHI, Paulo. S. Pedagogia do cotidiano: reivindicações do currículo para a formação de professores. Em Aberto, Brasília, v. 30, n. 100, p. 23-42, set./dez. 2017. Disponível em: Acesso em: 25 maio 2018.

CÉSAR, Margarida. A escola inclusiva enquanto espaço-tempo de diálogo de todos para todos. In: RODRIGUES, David (org.). Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade. Porto: Porto Editora, 2003.

CUNHA, Maria Izabel. O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 39, p. 609-625, 2013.

DE LEMOS, Claudia. Das vicissitudes da fala da criança e de sua investigação. Caderno de Estudos Linguísticos,Campinas, n. 42, p. 41-69, 2002.

DELIBERATO, Débora. Comunicação alternativa na escola: possibilidades para o ensino do aluno com deficiência. In: ZABOROSKI, Ana Paula; OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de. (Org.). Atuação da Fonoaudiologia na escola: reflexões e práticas. 1ed. Rio de Janeiro: WAK Editora, p. 71-90, 2013.

DOWNING, June E. Assessment of early communication skills. In: SOTO, Gloria; ZANGARI, Carole. Practically speaking: language, literacy and academic development for students with AAC needs. Baltimore: Paul H. Brookes, 2009. p. 27-46.

EBERSOLD, Serge. Inclusion, Rechercheet Formation pour les Professions de l’Education: former à accueillir les élèvesen situation de handicap. INRP, Lyon, n. 61, p. 71-83, 2009.

FERREIRO, Emília.; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

FURMANN, Natalie. Efeitos da Comunicação Alternativa no diálogo entre sujeitos com paralisia cerebral que não oralizam e o outro. 2010. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso de Fonoaudiologia), Universidade Estadual Centro-Oeste, Irati, 2010.

GALVÃO FILHO, Teófilo A. A construção do conceito de Tecnologia Assistiva: alguns novos interrogantes e desafios. In: Revista da FACED - Entreideias: Educação, Cultura e Sociedade, Salvador: Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia - FACED/UFBA, v. 2, n. 1, p. 25-42, 2013.

GAUTHIER, Clermont.; MARTINEAU, Stéphane.; DESBIENS, Jean-François.; MALO, Anne.; SIMARD, Denis. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. 2ª ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.

GLAT, Rosana.; PLETSCH, Márcia Denise.; FONTES, Rejane de Souza. Educação inclusiva & educação especial: propostas que se complementam no contexto da escola aberta à diversidade. Educação. Revista do Centro de Educação, Santa Maria, v. 32, n. 2, p. 343-355, 2007.

GIVIGI, Rosana C. N. Tecendo redes, pescando ideias: (re) significando a inclusão nas práticas educativas da escola. 2007. 234 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

HOYUELOS, Alfredo. Entre ciencia y arte: la relación dialógica professional con los niños y las niñas. Revista Infância, Barcelona, n. 164, p. 9 - 18, 2017.

KASSAR, Mônica C.M. Percursos da Constituição de uma Política Brasileira de Educação Especial Inclusiva. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, n. spe1, p. 41-58, 2011.

KRÜGER, Simone.; BERBERIAN, Ana Paula.; LIMA, José Luiz.; MIRANDA, Elba Neri Moreira de. A comunicação suplementar e/ou alternativa: formação de professores. Tuiuti: Ciência e Cultura, Curitiba, v. 4, n.47, p.181-98, 2013.

JANUZZI, Gilberta S. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2. ed. Campinas: Autores, SP, 2006.

LEONARD, Laurence B. Children with Specific Language Impairment. London: The MIT Press, 2014.

MARINHO, Carla Cristina; OMOTE, Sadao. Concepções de futuros professores a respeito da Educação Inclusiva e Educação Especial. Revista Educação Especial, Santa Maria, v.30, p. 629–641, 2017.

MASSARO, Monique.; DELIBERATO, Débora. Uso de sistemas de comunicação suplementar e alternativa na educação infantil: percepção do professor. Revista Educação Especial. 26, 46, p. 331-50, 2013.

MATA, Simara Pereira da; REGANHAN, Walkíria Gonçalves; SORIANO, Karen Regiane; OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de. Comunicação multimodal para alunos com surdo cegueira e deficiência múltipla sensorial. In: OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de; ANTOSZCYSZEN, Samuel; MATA, Simara Pereira da; SORIANO, Karen Regiane. (Orgs.). Educação Especial: desenvolvimento infantil e processos educativos. 1. ed. Curitiba: CRV, 2015. v. 1. 236p.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Deficiência mental: a construção científica de um conceito e a realidade educacional. Tese (Doutorado em Psicologia) Universidade de São Paulo, 1996.

MENDES, Camila Cristina Camilo; OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de. Indicadores de perfil de uma criança com paralisia cerebral para introdução de Comunicação Suplementar e Alternativa. In: V Seminário do Grupo de Pesquisa Deficiências Físicas e Sensoriais, 2019, Marília. Anais do V Seminário do Grupo de Pesquisa Deficiências Físicas e Sensoriais, 2019. v. 1. p. 65-74.

NEVES, Libéria Rodrigues.; RAHME, Mônica Maria Farid.; FERREIRA, Carla Mercês da Rocha Jatobá. Política de Educação Especial e os Desafios de uma Perspectiva Inclusiva. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.4. n.1, p.1-21, 2019.

NUNES, Leila Regina d’Oliveira de Paula. Favorecendo o desenvolvimento da comunicação em crianças e jovens com necessidade educacionais especiais. Rio de Janeiro, Dunya, 2003.

NUNES, Leila Regina d’Oliveira de Paula.; QUITERIO, Patrícia Lorena.; WALTER, Cátia Crivelenti de F., SCHIRMER, Carolina Rizzoto.; BRAUN, Patrícia. (Eds). Comunicar é preciso: em busca das melhores práticas na educação do aluno com deficiência. Marília: ABPEE, p. 81-91,2011.

OLIVEIRA, Emely K. Silva Santos. Engajamento de crianças com transtorno do espectro autista em atividades de um programa metatextual de produção de histórias. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2021.

OLIVEIRA, Jáima Pinheiro de.; VIANA, Fernanda Leopoldina.; ZABOROSKI, Ana Paula. Mudanças na produção de histórias escritas de escolares em fase de alfabetização a partir de apoio metatextual. Revista Distúrbios da Comunicação, v.32, n.3, p. 434-444, 2020.

OMOTE, Sadao. Deficiência e não-deficiência: recortes de um mesmo tecido. Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, v. 1, n. 2, p. 65-73, 1994.

OMOTE, Sadao. Perspectivas para conceituação de deficiências. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 4, p. 127–135, 1996.

OMOTE, Sadao. Inclusão e as questões das diferenças na educação. Perspectiva. Florianópolis, v. 24, n. Especial, p. 251-272, 2006. Disponível em: www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 25 abr. 2019.

PAGANO, Andrea. Como o olhar dos adultos sustenta as aprendizagens das crianças. In: GARCIA, Joe; PAGANO, Andrea; JUNQUEIRA FILHO, Gabriel de Andrade. Educação Infantil em Reggio Emilia: Reflexões para compor um diálogo. Curitiba: UTP, 2017.

PAGNI, Pedro Angelo. Encontros com a deficiência: de ensaios da ficção a testemunhos sobre a sua ética em uma rede (in) visível. Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial. [online]. v. 2, n. 1, 2015, p. 103-120. Disponível em: http://revistas.marilia.unesp.br/index.php/dialogoseperspectivas/article/view/5295/3708. Acesso em: 02 mar. 2021.

PLAISANCE, Eric. Educação Especial. In: VAN ZANTEN, A. (Coord.). Dicionário de Educação. Petrópolis: Vozes, p. 267-272, 2011.

ROLDÃO, Maria do Céu. Currículo, didáticas e formação de professores: Triangulação esquecida. In: Oliveira. Maria Rita. Professor: formação, saberes e problemas. Porto: Porto Editora, 2014.

SAVIANI, Demerval. Democracia, educação e emancipação humana: desafios do atual momento brasileiro. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 21, n. 3, p. 653-662. Acesso em: 12 jan. 2021. https://doi.org/10.1590/2175-353920170213000.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TOGASHI, Cláudia. M; WALTER, Cátia Crivelenti. As Contribuições do Uso da Comunicação Alternativa no Processo de Inclusão Escolar de um Aluno com Transtorno do Espectro do Autismo. Rev. bras. educ. espec., v. 22, n. 3, p. 351-366, 2016. Acesso em: 05 fev. 2021. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382216000300004.

VASCONCELLOS, Roseli. Paralisia Cerebral: a fala na escrita. 1999. 128f. Dissertação (Mestrado em Linguística), Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

VAZ, Daniela Virgínia.; ANTUNES, Ana Amélia Moraes.; FURTADO, Sheila Rossana Cavalcanti. Tensões e possibilidades no campo da reabilitação sob a ótica dos estudos da deficiência. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 27(4), 917-928, 2019.

VELTRONE, Aline Aparecida.; MENDES, Enicéia Gonçalves.; OLIVEIRA, Glaucimara Pires de.; GIL, Maria Stella Alcântara. A Educação Especial no Brasil: perspectivas atuais na concepção e definição de deficiência mental, in: COSTA, M. P. R. Educação Especial – aspectos conceituais e

emergentes. São Carlos: Edufscar, p. 11- 27, 2009.

VON TETZCHNER, Stephen. Suporte ao desenvolvimento da comunicação suplementar e alternativa. In: DELIBERATO, Débora.; GONÇALVES, Maria de Jesus.; MACEDO, E. C. (Org.). Comunicação alternativa: teoria, prática, tecnologias e pesquisa. São Paulo: Memnon Edições Científicas,

p. 14-27, 2009.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução: Paulo Bezerra. – 2ª ed. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. Pensamento e linguagem (2a ed). São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO. Towards a Common Language for Functioning, Disability and Health: ICF. [WHO/EIP/ GPE/CAS/01.3]. Genebra; 2002

Downloads

Publicado

2023-11-15

Como Citar

Jáima Pinheiro de Oliveira, & Emely Kelly Silva Santos Oliveira. (2023). A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA ENQUANTO INSTRUMENTO DE GARANTIA DE PROCESSOS DIALÓGICOS E ACESSO CURRICULAR PARA CRIANÇAS QUE “NÃO FALAM”. Cadernos De Pesquisa, 30(1), 203–224. https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.9

Edição

Seção

Artigos