CONCEPÇÕES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.12

Palavras-chave:

Tecnologia e educação, Ensino de Ciências, Teoria e prática, Perspectiva tecnocentrada, Lógica formal

Resumo

Este artigo aborda resultados de uma pesquisa que investigou as concepções de ciência, tecnologia e educação configuradas na produção acadêmica sobre o uso de tecnologias no ensino de Ciências da Natureza. A inserção de tecnologias nas práticas pedagógicas é uma crescente demanda na contemporaneidade, que deve ser investigada em suas determinações para além da dimensão instrumental. A pesquisa analisou, por meio das contradições presentes nas relações entre os elementos investigados, um corpus constituído por 120 artigos publicados em revistas historicamente relevantes para a área no período de 1996 a 2017, para compreender o pensamento acadêmico que compõe e norteia a referida produção. Como resultado da investigação, evidenciamos: a) a ênfase nos processos de ensino em geral, por meio de pesquisas empíricas e bibliográficas; b) a abordagem de práticas educativas sem fundamentação explícita em teorias educacionais; c) a ciência e a tecnologia pouco abordadas em uma perspectiva epistemológica, demonstrando a filiação da maioria à lógica formal e; d) o uso de tecnologias sob uma perspectiva tecnocentrada, o que reflete a racionalidade instrumental da sociedade capitalista. Considerando a relevância da área de ensino de Ciências da Natureza para a formação humana, afirmamos a sua necessária colaboração para a construção de uma educação emancipadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, T. B.; FERNANDES, J. P.; MARTINS, I. Levantamento Sobre a Produção CTS no Brasil no Período de 1980-2008 no Campo de Ensino de Ciências. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 6, n. 2, p. 3-32, 2013.

ARAÚJO, C. H. S. Discursos pedagógicos sobre os usos do computador na educação escolar (1997-2007). 2008, 178f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2008.

______. Elementos constitutivos do trabalho pedagógico na docência online. 2014, 168 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2014.

AULER, D. Enfoque ciência-tecnologia-sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Ciência e Ensino, v. 1, 2007.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 1-13, 2001.

AZEVEDO, N. H.; SCARPA, D. L. Revisão Sistemática de Trabalhos sobre Concepções de Natureza da Ciência no Ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências,v. 17, n. 2, p. 579-619, 2017.

BARRETO, R. G. et al. As tecnologias da informação e da comunicação na formação de professores. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 31, p. 31-42, 2006.

BONILLA, M. H. S. Políticas públicas para inclusão digital nas escolas. Motrivivência, n. 34, p. 40-60, 2010.

DELIZOICOV, D. Pesquisa em ensino de ciências como ciências humanas aplicadas. Caderno Brasileiro do Ensino de Física, v. 21, p. 145-175, 2004.

DELIZOICOV, D.; SLONGO, I. I. P.; LORENZETTI, L. Um panorama da pesquisa em educação em ciências desenvolvida no Brasil de 1997 a 2005. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 12, n. 3, p. 459-480, 2013.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

FABRI, F.; SILVEIRA, R. M. C. F. O ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental sob a ótica CTS: uma proposta de trabalho diante dos artefatos tecnológicos que norteiam o cotidiano dos alunos. Investigações em Ensino de Ciências, v. 18, n. 1, p. 77- 105, 2013.

FEENBERG, A. O que é a filosofia da tecnologia? In: NEDER, R. T. (Org.). A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina / CDS / UnB / Capes, 2010a, p. 49-66.

______. Racionalização subversiva: tecnologia, poder e democracia. In: NEDER, R. T. (Org.). A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia. Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina / CDS / UnB / Capes, 2010b, p. 67-96.

FERES, G. G. A pós-graduação em Ensino de Ciências no Brasil: uma leitura a partir da teoria de Bourdieu. 2010, 337f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista, 2010.

FERREIRA, B. J. P.; DUARTE, N. O lema aprender a aprender na literatura de informática educativa. Educação e Sociedade, v. 33, n. 121, p. 1019-1035, 2012.

FREITAS, L. M.; GHEDIN, E. Pesquisas sobre Estado da Arte em CTS: Análise Comparativa com a Produção em Periódicos Nacionais. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 3, p. 3-25, 2015.

GERALDO, A. C. H. Didática de ciências naturais na perspectiva histórico-crítica. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2014.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

KUENZER, A. Z.; MORAES, M. C. M. Temas e tramas na pós-graduação em educação. Educação e Sociedade, v. 26, n. 93, p. 1341-1362, 2005.

LEFEBVRE, H. Lógica formal/lógica dialética. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

LEMGRUBER, M. S. A educação em ciências físicas e biológicas a partir das teses e dissertações (1981-1995): uma história de sua história. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999.

LIMA JUNIOR, P. et al. Marx como referencial para análise de relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Ciência e Educação, v. 20, n. 1, p. 175-194, 2014.

MACHADO, D. I.; SANTOS, P. L. V. A. C. Avaliação da hipermídia no processo de ensino e aprendizagem da física: o caso da gravitação. Ciência e Educação, v. 10, n. 1, p. 75-100, 2004.

MALAQUIAS, A. G. B. Tecnologias e formação de professores de Matemática: uma temática em questão. 2018, 163f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2018.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro 1. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MEGID NETO, J. O ensino de Ciências no Brasil: catálogo analítico de teses e dissertações, 1972-1995. Campinas: UNICAMP/FE/CEDOC, 1998.

______. O que sabemos sobre a pesquisa em ensino de ciências no nível fundamental: tendências de teses e dissertações defendidas entre 1972 e 1995. Anais do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Valinhos: ABRAPEC, 1999.

NARDI, R. Memórias da educação em Ciências no Brasil: a pesquisa em ensino de Física. Investigações em Ensino de Ciências, v. 10, n. 1, p. 63-101, 2005.

______. Memórias do Ensino de Ciências no Brasil: a constituição da área segundo pesquisadores brasileiros, origens e avanços da pós-graduação. Revista do IMEA, v. 2, n. 2, p. 13-46, 2014.

PINTO, S. L.; VERMELHO, S. C. S. D. Um panorama do enfoque CTS no ensino de ciências na educação básica no Brasil. Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2017, ISSN 1809-5100.

REIS, R. S.; LEITE, B. S.; LEÃO, M. B. C. Apropriação das Tecnologias da Informação e Comunicação no ensino de ciências: uma revisão sistemática da última década (2007-2016). Novas Tecnoogias na Educação, v. 15, n. 2, 2017.

RIBEIRO, T. V.; GENOVESE, L. G. R. O emergir da perspectiva de Ensino por Pesquisa de Núcleos Integrados no contexto da implementação de uma proposta CTSA no Ensino Médio. Ciência e Educação, v. 21, n. 1, p. 1-29, 2015.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educacional, v. 6, n. 19, p. 37-50, 2006.

ROSA, M. P. A.; EICHLER, M. L.; CATELLI, F. “Quem me salva de ti?”: representações docentes sobre a tecnologia digital. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. 1, p. 84-104, 2015.

ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

SALEM, S. Perfil, evolução e perspectivas da Pesquisa em Ensino de Física no Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. 2012.

SANTOS, W. L P.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 2, p. 1-23, 2002.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SCHNETZLER, R. P. A pesquisa em ensino de Química no Brasil: conquistas e perspectivas. Química Nova, v. 25, supl. 1, p. 14-24, 2002.

SOUZA, C. A.; BASTOS; F. P. Um ambiente multimídia e a resolução de problemas de Física. Ciência e Educação, v. 12, n. 3, p. 315-332, 2006.

SELWYN, N. Distrusting Educational Technology: Critical Questions for Changing Times. New York: Routledge, 2014.

SILVEIRA, R. M. C. F.; BAZZO, W. A. Ciência, tecnologia e suas relações sociais: a percepção de geradores de tecnologia e suas implicações na educação tecnológica. Ciência e Educação, v. 15, n. 3, p. 681-694, 2009.

SLONGO, I. I. P.; DELIZOICOV, D. Um panorama da produção acadêmica em ensino de Biologia desenvolvida em programas nacionais de pós-graduação. Investigações em Ensino de Ciências, v. 11, n. 3, p. 323-341, 2006.

STRIEDER, R. B.; KAWAMURA, M. R. D. Educação CTS: Parâmetros e Propósitos Brasileiros. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 10, n. 1, p. 27-56, 2017.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. Investigando a pesquisa educacional. Um estudo enfocando dissertações e teses sobre o ensino de Biologia no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 2, p. 261-282, 2006.

Downloads

Publicado

2023-11-15

Como Citar

Peixoto, J. ., & Oliveira, N. C. de. (2023). CONCEPÇÕES DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA. Cadernos De Pesquisa, 30(1), 273–292. https://doi.org/10.18764/2178-2229v30n1.2023.12

Edição

Seção

Artigos