A BIBLIOTECA ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL = THE SCHOOL LIBRARY FROM THE PERSPECTIVE OF PROMOTING RACIAL EQUALITY

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2526-6160v20n1.2021.5

Palavras-chave:

biblioteca escolar, relações étnico-racionais, Lei 10.639/2003, seleção de materiais de informação = Keywords, school library, ethnic-rational relations, Law 10639/2003, selection of information materials.

Resumo

A História africana foi silenciada ao longo de séculos de escravidão e colonialismo e a Lei 10.639/2003 é fruto da emergência de políticas antirracistas conquistadas pelo Movimento Negro no Brasil, em especial na área de construção de políticas públicas para a educação escolar incluindo nos currículos o estudo da disciplina de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Desta forma, a biblioteca inserida na realidade dos sistemas escolares de ensino do país, deve promover a igualdade racial, desenvolvendo coleções que explorem a temática referida por meio da ação cultural e a partir das manifestações de informação que compõem uma biblioteca escolar. Sendo fundamental na formação de leitores, a biblioteca escolar deve desenvolver acervos antirracistas que incluam livros, revistas, filmes, mapas considerando o público ao qual se destinam essas obras. A tradição da oralidade em sua complexidade e sua representação em sistemas de informação como as bibliotecas escolares é apontada como um desafio ao qual se pode considerar novas possibilidades.

ABSTRACT

African History was silenced over centuries of slavery and colonialism and Law 10.639/2003 is the result of the emergence of anti-racist policies conquered by the Black Movement in Brazil, especially in the area of construction of public policies for school education, including in curricula o study of the discipline of Afro-Brazilian and African History and Culture. In this way, the library inserted in the reality of the country's school systems must promote racial equality, developing collections that explore the aforementioned theme through cultural action and from the information manifestations that make up a school library. Being fundamental in the formation of readers, the school library must develop anti-racist collections that include books, magazines, films, maps, considering the audience to which these works are intended. The tradition of orality in its complexity and its representation in information systems such as school libraries is pointed out as a challenge to which new possibilities can be considered.

Keywords: school library; ethnic-rational relations; Law 10639/2003; selection of information materials.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Sousa Curvo, Instituto Federal do Maranhão

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (2014), Especialista em política de igualdade racial no ambiente escolar pela Universidade Federal do Maranhão (2016). Mestre em Educação pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2020). Atualmente ocupa o cargo de bibliotecário-documentalista pelo Instituto Federal do Maranhão Campus Barra do Corda. Colaborador da Academia Barra-Cordense de Letras.

Referências

ABRANTES, E. S.; ALMEIDA, D. L. Educação e diversidade. São Luís: UEMA, 2010.

ARAUJO, R. P. Advocacy por bibliotecas escolares: a experiência de Jardinópolis-SP. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, Brasília, v. 15, n. esp., 2019.

BÁ, A. H. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. História geral da África I: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010.

BARBOSA, M. S. A África por ela mesma: a perspectiva africana na História Geral da África (Unesco). São Paulo: USP, 2012.

BARBOSA, M. S. Eurocentrismo, História e História da África. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, [s. l.], n. 1, jun. 2008.

BARRETO, A. (org.). Gênero e diversidade na escola: formação de professores em gênero, sexualidade, orientação sexual e relações étnico-raciais: caderno de atividades. Rio de Janeiro: Cepesc, 2009.

BASTOS, G. G.; PACÍFICO, S. M. R.; ROMÃO, L. M. S.. Biblioteca escolar: espaço de silêncio e interdição. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 621-637, set. 2011.

BELKIN, N. J. Anomalous states of knowledge as a basis for information retrieval. Canadian Journal of Information Science,[s. l.], n. 5, p. 133-143, 1980. Disponível em: http://comminfo.rutgers.edu/~tefko/Courses/612/Articles/BelkinAnomolous.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

BLOG Babalawo Ifagbayin Agboola. Disponível em: https://babalawoifagbaiyin.wordpress.com/category/religiao-tradicional-yoruba-religiao- tradicional-yoruba/page/17/. Acesso em: 12 jul. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC: SECADI, 2013.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003: Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional para incluir no currículo oficial da Rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União: seção 1, p. 1, Brasília, DF, 10 jan. 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm. Acesso em: 15 set. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12.244, de 24 de maio de 2010. Dispõe sobre a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do País. Brasília: Diário Oficial da União, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12244.htm. Acesso em: 14 dez. 2020.

BURLAMAQUE, F.V.; MARTINS, K. C.C.; ARAUJO, M. S. A leitura do livro de imagem na formação do leitor. In: SOUZA, R. J. de; FEBA, B.L.T. (org.). Leitura literária na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2011.

CAMPOS, L. M. Griot em sala de aula: oralidade e formação identitária a partir da África descrita em contos disponibilizados nas bibliotecas escolares da rede municipal de educação. 2016. 15 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2016.

CARDOSO, F. C.; NÓBREGA, N. G. A biblioteca pública na (re) construção da identidade negra. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais [...]. Brasília: ENANCIB, 2011.

CLARO, R. Olhar a África: fontes visuais para sala de aula. São Paulo: Hedra Educação, 2012.

COLOMER, T. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global, 2007.

CONSELHO FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA (Brasília, DF). Resolução CFB nº 220/2020, de 13 de maio de 2020. Dispõe sobre os parâmetros a serem adotados para a estruturação e o funcionamento das bibliotecas escolares. Brasília: Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 524, 18 maio. 2020. Disponível em: http://www.crb8.org.br/resolucao-cfb-no-2202020-parametros-para-bibliotecas-escolares/. Acesso em: 15 dez. 2020.

CÔRTE, A. R.; BANDEIRA, S. P. Biblioteca escolar. Brasília: Briquet de Lemos, 2011.

CRUZ, L. B. Movimento Negro em movimento. Plurais: Revista Multidisciplinar da UNEB, Salvador, v. 1, n. 1, p. 61-75, jan./abr. 2010.

CUNHA JUNIOR, H. Etíope: uma escrita africana. [S. l.]: [s. n.], 2011. Disponível em: http://www.educacaografica.inf.br/wp-content/uploads/2011/06/01_O_Etiope.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

CUNHA, M. B.; CAVALCANTI, C. R. O. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008.

DOMINGUES, P. Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, [s. l.], n. 23, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tem/v12n23/v12n23a07. Acesso em: 14 dez. 2020.

DUARTE, Z. A tradição oral na África. Estudos de Sociologia: Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, v. 15, n. 2, p. 181-189, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235328. Acesso em: 15 set. 2020.

FANON, F. Pele negra máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, J. R. O. Ensino de história e diversidade cultural: desafios e possibilidades. Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 67, set./dez. 2005.

FONSECA JÚNIOR, E. Dicionário antológico da cultura afro-brasileira: Português, Yorubá, Nagô, Angola, Gegê: incluindo as ervas dos Orixás, doenças, usos e fitologia das ervas. São Paulo: Maltese, 1995.

GEOGRAFIA fundamental.[S. l.]: [s. n.], 2015. Disponível em: http://geofundamental.blogspot.com.br/2015/11/africa-aspectos-fisicos.html. Acesso em: 15 set. 2020.

GUERRERO, A. L. Alfabetização e letramento cartográficos na geografia escolar. São Paulo: Edições SM, 2012.

HEGEL, G.W. F. Filosofia da história. Brasília: UnB, 1995. Disponível em: http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewFile/57/100 . Acesso em: 31 maio 2016.

LOPES, C. A Pirâmide Invertida: historiografia africana feita por africanos. In: ACTAS do Colóquio Construção e Ensino da História da África. Lisboa: Linopazes, 1995.

MOLINA, S. C. “Todos são iguais perante a Lei”: reflexões sobre as políticas de igualdade racial à luz do Artigo 5º da Constituição Federal. Revista SJRJ, Rio de Janeiro, v. 20, n. 36, p. 205-218, abr. 2013. Disponível em: https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/74786/todos_iguais_perante_molina.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

OLIVA, A. R. A História da África nos bancos escolares: representações e imprecisões na literatura didática. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, 2003.

GEOGRAFIA. [S. l.]: [s. n.], 2015. Disponível em: http://profwladimir.blogspot.com.br/2014_12_01_archive.html. Acesso em: 15 set. 2020.

REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do Levante dos Malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ROSEMBERG, F.; BAZILLI, C.; SILVA, P. V. B.Racismo em livros didáticos brasileiros e seu combate: uma revisão da literatura. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 125-146, jan./jul. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v29n1/a10v29n1.pdf. Acesso em: 15 dez. 2020.

SALA de aula. Revista África e Africanidades, ano 9, n. 24, ago. 2017. Disponível em: https://africaeafricanidades.net/educacao.html. Acesso em: 15 set. 2020.

SANTANA FILHO, S. F.O papel da biblioteca escolar na formação do leitor. [S. l.]: [s. n.], 2010. Disponível em: http://www.alb.com.br/anais15/Sem02/severinofarias.htm. Acesso em: 19 ago. 2016.

SILVA, A. C. A representação social do negro no livro didático: o que mudou? Por que mudou? Salvador: EDUFBA, 2011.

SILVA, C. B. R.; RODRIGUES, F. L.; SOUSA, B. M. (org.). Curso de especialização em política de igualdade racial no ambiente escolar. São Luís: UFMA, 2015.

SILVÉRIO, V. R. Síntese da coleção História Geral da África: pré- história ao século XVI. Brasília: Unesco, 2013.

SOUZA, A. C. Como bibliotecários escolares podem contribuir para uma educação que valorize as mitologias africanas e afro-brasileiras no âmbito escolar?, Revista África e africanidades, [s. l.], v. 4, n. 13, maio 2011.

VERGUEIRO, W. Seleção de materiais de informação. 3. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

CURVO, Luiz Felipe Sousa.
A BIBLIOTECA ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL = THE SCHOOL LIBRARY FROM THE PERSPECTIVE OF PROMOTING RACIAL EQUALITY
. Revista Bibliomar, v. 20, n. 1, p. 106–130, 25 Jun 2021 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/bibliomar/article/view/15156. Acesso em: 22 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos