PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA O LAZER À REALIDADE BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2674-6972v5n12.2023.11

Palavras-chave:

Envelhecimento Saudável, Educação para o Lazer, Programas de Educação para o Lazer, Idosos, Brasil

Resumo

Este estudo reflete sobre adaptações de um Programa de Educação para o Lazer (PEL) a ser aplicado com idosos brasileiros. Utilizando alguns termos de busca, identificamos, em quatro bases de dados, seis estudos que replicaram o PEL escolhido, além do próprio Searle, Mahon e Iso-Ahola (1995), que aplicaram o modelo pela  primeira vez. Este PEL teve como base o “Community Reintegration Program” (CRP), desenvolvido por Bullock e Howe (1991) para pessoas com deficiência. Os países nos quais o PEL foi replicado foram Canadá e Taiwan. As adaptações são operacionais e de conteúdo. Assim como ocorreu quando adaptado à Taiwan, propomos que seja adaptado em temas como formato, facilitadores, equipe, frequência, atividades e local de oferta. Além disso, atividades lúdicas devem ser priorizadas na transmissão de seu conteúdo. A aplicação deste PEL pode contribuir para o debate do lazer como uma das mais importantes vias para o Envelhecimento Saudável no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurora Madariaga Ortuzar, Universidad de Deusto

Desde 1994 trabalha na Cátedra de Lazer e Deficiência do Instituto de Estudos de Lazer da Universidade de Deusto, como pesquisadora e diretora. Ela é a Pesquisadora Principal do
grupo oficial de pesquisa "Lazer como fator de desenvolvimento pessoal" reconhecido desde 2009
pela equipa B do Governo Basco e em 2015 pela equipa A IT 984-16 até 2021. Professor Credenciado
desde 2009 pela Agência de Avaliação da Qualidade e Acreditação do Sistema Universitário
Basco. Ela é professora do Bacharelado em Serviço Social e Turismo e Pós-Graduação: Máster Oficial en Dirección de Proyectos de Ocio Master de Inclusión en la comunidad. Docente e membro oficial do corpo docente do Doutorado em Lazer, Cultura e Comunicação para o Desenvolvimento Humano (ANECA). Orientou teses de doutorado sobre diversos temas relacionados ao lazer em seus diferentes campos e abordagens disciplinares. Participou de projetos competitivos regionais (GAITEK e HAZITEK), todos relacionados com o serious game adaptado para pessoas com deficiência. É autora de artigos
cientistas em revistas de alto impacto (Frontiers in Psychology, Arbor, Psychology of Sport, OBETS, Pedagogia Social, Siglo Cero), e é coautora de vários livros relacionados com a inclusão, acessibilidade e lazer para pessoas com deficiência. Além disso, apresentou 90 trabalhos em congressos relacionados às suas áreas temáticas. Realizou estágios de investigação de pós-doutoramento financiados pelo Governo Basco em diferentes equipes: ULPGC (Gran Canaria, 2012), Universidade Aberta de Portugal (Porto, 2018) e Universidade de Aveiro (Aveiro, 2019). Foi professora convidada, entre outros, em universidades de Honduras (UPNFM), Equador (UTA e UNIANDES), Quito (UTE), Uruguai (UCU), Brasil (UFES), Colômbia (Uniminuto). Em todos eles ministrou cursos sobre lazer, qualidade de vida,
inclusão e desenvolvimento humano e seminários sobre processos e ferramentas para pesquisa.
Ele apoia sua extensa carreira de pesquisa e ensino de mais de 25 anos em sua experiência e
Conhecimento da realidade do lazer e das pessoas com deficiência. Ele ensinou uma infinidade de
cursos e palestras relacionados à lazer, educação, diversidade humana, exclusão e inclusão,
terceiro setor e deficiência. Participou em atividades de organização e gestão de atividades de I+D relacionadas com lazer,  educação e deficiência. E promoveu a elaboração e socialização do Manifesto
para Lazer Inclusivo (2003 e 2014 e 2019). Membro da Rede Otium e Vice-Presidente da Rede Relaxar. Pertence a diferentes redes: SIPS, REDIS, REPS, ANPERP.

Maria Begoña Garcia Zapirain, Universidad de Deusto

Begoña García-Zapirain nasceu em San Sebastian (Espanha). Ela é Graduada em Engenharia de Comunicaçoes, na Universidade do País Basco, Bilbao (Espanha) em 1994. Em 2004, defendeu sua tese de doutorado em processamento de sinais biomédicos. Após quatro anos de trabalho na empresa ZIV, em 1997, a Prof. García Zapirain ingressou na Universidade de Deusto como professor de teoria dos sinais e eletrônica na Escola de Engenharia. Foi chefe do Departamento de Telecomunicações da Universidade de Deusto de 2002-2008 e chefe do Departamento DeustoTech-LIFE de 2008
2018. Em 2001 criou o grupo de pesquisa eVIDA (evida.deusto.es). Ela tem participou de mais de 100 projetos de pesquisa em nível internacional, nacional e regionais. Publicou mais de 100 artigos em periódicos indexados, e apresentou mais de 160 trabalhos em periódicos internacionais e conferências científicas nacionais. Orientou 11 teses e 5 alunos de doutorado. Ela tem fortes colaborações com laboratórios de pesquisa em EUA, França, Irlanda e Holanda, entre outros. Ela tem 5 prêmios de pesquisas em nível nacional.

Ricardo Ricci Uvinha, Universidade de São Paulo

Professor Titular da Universidade de São Paulo e Diretor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP (2022-2026). Orientador permanente do Mestrado e Doutorado Acadêmico nos Programas de Pós-Graduação em Turismo (PPGTUR) e de Pós-Graduação em Ciências da Atividade Física (PPGCAF) da USP. Membro eleito para a Câmara de Avaliação Institucional da Universidade de São Paulo (CAI/USP), na área de Artes, Humanidades e Ciências Sociais, e para a Comissão de Orçamento e Patrimônio (COP/USP). Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Educação Física (1990), com Mestrado pela FEF/UNICAMP (1997), Doutorado pela ECA/USP (2003), Pós-Doutorado pela Griffith University-Australia (2004) e Livre-docência pela EACH/USP (2008). Com experiência de mais de 30 anos de docência no ensino superior, atuou como Diretor Presidente da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Estudos do Lazer ANPEL (Gestão 2014-2016) e Diretor Vice-Presidente da World Leisure Organization/United Nations WLO (Gestão 2007-2016). Atualmente é líder do Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer da Universidade de São Paulo (GIEL/USP/CNPq), coordenador do World Leisure Center of Excellence (WLCE/Brazil), Distinguished Scholar da World Leisure Academy (WLA), Secretário Geral do BRICS Council of Exercise and Sport Science (BRICSCESS) e editor regional do periódico Leisure Studies Journal (Reino Unido). Entre os prêmios e homenagens recebidos, destaca-se o Prêmio de Excelência em Docência da Universidade de São Paulo, recebido pela Pró-Reitoria de Graduação PRG/USP, o Prêmio Pesquisador Destaque, recebido pela Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo ANPTUR, e o reconhecimento como Primeiro Professor Contratado da EACH USP, em homenagem recebida pela Comissão EACH 10 anos. 

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988. 292p.

BACKMAN, S. J., MANNELL, R. C. Removing attitudinal barriers to leisure behavior and satisfaction: A field experiment among the institutionalized elderly. Therapeutic Recreation Journal, v. 20, n. 3, p. 46–53, 1986.

BEST, S. Leisure Studies: Themes and Perspectives. Londres: SAGE Publications Ltda, 2010.

BULLOCK, C. C., HOWE, C. 2. A model therapeutic recreation program for the reintegration of persons with disabilities into the community. Therapeutic Recreation Journal, v. 25, p. 7- 17, 1991.

CALDWELL, L. Leisure and health: why is leisure therapeutic? British Journal of Guidance & Counselling, v. 33, n. 1, 2005.

CHANG, L.-C.; KAO, I.-C. Enhancing social support and subjective vitality among older adults through leisure education. International Psychogeriatrics, v. 31, n. 12, p. 1839–1840, 2019.

CHANG, L.-C.; YU, P., JENG, M.-Y. Effects of leisure education on self-rated health among older adults. Psychology, Health & Medicine, v. 20, n. 1, p. 34–40, 2015.

CHANG, L.-C. Leisure education reduces stress among older adults. Aging & Mental Health, v. 18, n. 6, p. 754–758, 2014.

CHARTERS, J.; MURRAY, S. “Boon.” Design and evaluation of a leisure education program for caregivers of institutionalized care recipients. Topics in Geriatric Rehabilitation, v. 22, n. 4, p. 334–347, 2006.

CHO, D.; POST, J.; KIM, S. K. Comparison of passive and active leisure activities and life satisfaction with aging. Geriatr Gerontol Int., v. 18, n. 3, p. 380-386, 2018.

CUENCA-AMIGO, M., ARISTEGUI, I., CUENCA CABEZA, M., AMIGO, M. L. The importance of leisure in older adults living in Spain. Annals of Leisure Research, v. 20, n. 2, p. 222-239, 2017.

CUENCA CABEZA, M. Ocio y Formación: hacia la equiparación de oportunidades mediante la Educación de Ocio. Documentos de Estudios de Ocio, 7. Bilbao: Universidad de Deusto. 1999.

CUENCA CABEZA, M. Ocio solidario: la experiencia en grupos de jóvenes y jubilados. Documentos de Estudios de Ocio, 29. Bilbao: Instituto de Estudios de Ocio. 2005.

CUENCA CABEZA, M. Ocio valioso en tiempos de crisis. In: TORÍO, S. et al. La crisis social y el Estado del Bienestar: las respuestas de la Pedagogía Social. Oviedo: Universidad de Oviedo. 2013.

CURTIS, L. G. A Nature-Based Leisure Education Program for Older Veterans Residing in a Community Living Center (CLC). [M.S., California State University, Sacramento]. 2021.

DATTILO, J. Inclusion and education: creating a path to leisure and human development. In: Monteagudo Sánchez, M. J. (ed.), Leisure experiences, opportunities and contributions to human development. Bilbao: Instituto de Estudios de Ocio. 2017.

DATTILO, J.; LOREK, A.; SLIWINSKI, M.; CHEN, S.-T.; HILL, N. An examination of video assisted leisure education in middle-aged and older adults. Journal of Leisure Research, v. 52, n. 2, p. 227–246, 2021.

DATTILO, J.; LOREK, A. E.; SLIWINSKI, M. Effects of Video-Assisted Leisure Education on Leisure, Loneliness, and Affect of Older Adults. Leisure Sciences, p. 1–21, 2022.

DIESER, R. B. Re-imagining leisure education with Canadian hope: will the caravan of American individualism keep rolling? Leisure/Loisir, v.44, n. 3, p. 317-326, 2020.

DUNN, N.; WILHITE, B. The effects of a leisure education program on leisure participation and psychosocial well-being of two older women who are home-centered. Therapeutic Recreation Journal, v. 31, 1997.

HSIEH, C. Y. The effects of leisure education on Chinese older adult immigrants. California State University, Long Beach. 2009.

HUTCHINSON, S.; ROBERTSON, B. Leisure Education: a new goal for an old idea whose time has come. Pedagogía Social: Revista Interuniversitaria, v. 19, p. 127-139, 2012.

HUTCHINSON, S.; KLEIBER, D. On Time, Leisure, and Health in Retirement: Implications for Public Health Services. Int. J. Environ. Res. Public Health, v. 20, n. 3, p. 2490, 2023.

HUTCHINSON, S. L.; NIMROD, G. Leisure as a resource for successful aging by older adults with chronic health conditions. Int J Aging Hum Dev, v. 74, n. 1, p. 41-65, 2012.

HUTCHINSON, S.; SHANNON, C. S. Innovations in leisure education: revisiting and re-imagining leisure education. Leisure/Loisir, v. 44, n. 2, p. 1-10, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). População brasileira envelhece em ritmo acelerado. 27 de novembro de 2008. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?busca=1&id=1&idnoticia=1272&t=ibge- populacao-brasileira-envelhece-ritmo-acelerado&view=noticia. Acesso em: 9 mai. 2021.

JANSSEN, M. A. The Effects of Leisure Education on Quality of Life in Older Adults. Therapeutic Recreation Journal, v. 38, n. 3, p. 275–288, 2004.

KAO, I.; CHANG, L. Long-term effects of leisure education on leisure needs and stress in older adults. Educational Gerontology, v. 43, n. 7, p. 356–364, 2017.

LÁZARO, Y.; MONTEAGUDO, M. J. Revisión bibliográfica sobre Educación del Ocio. In C. C. Ayuso (ed.), Educación del Ocio: Propuestas internacionales. Bilbao: Instituto de Estudios de Ocio. 2002.

LOVELL, T. A.; DATTILO, J., JEKUBOVICH, N. J. Effects of leisure education on women aging with disabilities. Activities, Adaptation & Aging, v. 21, n. 2, p. 37–58, 1996.

MAHON, M. J.; SEARLE, M. S. Leisure Education: Its Effect on Older Adults. Journal of Physical Education, Recreation and Dance, v. 64, n. 4, p. 36–41, 1994.

MARTÍNEZ, S. Ocio y desarrollo personal en la vejez. Adoz: Boletín del Centro de Documentación en Ocio, v. 24, p. 9-15, 2002.

MCMAHAN, C. M. The psychosocial effects of a leisure education program on caregivers of aging adults with dementia [Ph.D., University of Arkansas]. 2007.

MOBLEY, T. A. Leisure education and the quality of life. In: Mundy, J. (Ed.) Leisure Education and the Quality of life. Florida State Univ., Tallahassee. 130p. 1975.

MUNDY, J. Leisure education: Theory and practice. 2 ed. Champaign, IL: Sagamore, 1998.

NOUR, K.; DESROSIERS, J.; GAUTHIER, P.; CARBONNEAU, H. Impact of a Home Leisure Educational Program for Older Adults Who Have Had a Stroke (Home Leisure Educational Program). Therapeutic Recreation Journal, v. 36, n. 1, p. 48–64, 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO LAZER (OML). World Leisure Organization Charter For Leisure. Disponível em: https://www.worldleisure.org/wlo2019/wpcontent/uploads/2020/10/International_Charter_For

_Leisure.pdf Acesso em: 12 mai. 2021. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). ‘We have added years to life, it’s time to add life to years.’ 2019. Disponível em: https://www.un.org/pt/desa/%E2%80%98we-have-added-years- life-it%E2%80%99s-time-add-life-years%E2%80%99 Acesso em: 7 mai. 2021.

OMS. Decade of Healthy Ageing Plan of Action. Ginebra, Organização Mundial da Saúde. 2020. Disponível em: decade-proposal-final-apr2020-en.pdf (who.int). Acesso em: 7 mai. 2021.

OMS. Ageing and health. 2022. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact- sheets/detail/ageing-and-health. Acesso em: 22 mar. 2023.

RITCEY, A., SINGLETON, J., WEBBER, K., KING, A., COOK, J., HOPPER, T. An Exploratory Study as to the Effect of a Leisure Education Program on a Geriatric Day Hospital Patient Population. Activities, Adaptation and Aging, v. 40, n. 2, p. 150–163, 2016.

SCHOLL, K. G., DIESER, R. B., DAVISON, A. Together We Play: An Ecological Approach to Inclusive Recreation. Therapeutic Recreation Journal, v. 39, n. 4, p. 299-311, 2005.

SEARLE, M. S., MAHON, M. J. Leisure education in a day hospital: The effects on selected social-psychological variables among older adults. Canadian Journal of Community Mental Health, v. 10, n. 2, p. 95–109, 1991.

SEARLE, M. S., MAHON, M. J., ISO-AHOLA, S. E. Enhancing a sense of independence and psychological well-being among the elderly: A field experiment. Journal of Leisure Research, v. 7, n. 2, p. 107–124, 1995.

SEARLE, M. S., MAHON, M. J., ISO-AHOLA, S. E. Examining the long term effects of leisure education on a sense of independence and psychological well-being among the elderly. Journal of Leisure Research, v. 30, n. 3, p. 331–340, 1998.

SHANNON, C. S. Leisure education within the context of a childhood obesity intervention programme: parents’ experiences. World Leisure Journal, v. 54, n. 1, p. 16-25, 2012.

SHIMURA, K. The effects of leisure education on life satisfaction and leisure satisfaction among Japanese American older adults. 1994.

SIVAN, A.; STEBBINS, R. A. Leisure education: definition, aims, advocacy, and practices – are we talking about the same thing(s)? World Leisure Journal, Reino Unido, v. 53, n. 1, p. 27– 41, 2011.

STEWART, W. R. Leisure education and older women’s participation in leisure activities [M.Sc., University of Manitoba (Canada)]. 2000.

WILKINSON, S., KMIECIK, K., HARVEY, W. Community connections: Leisure education through afterschool programming, Leisure/Loisir, v. 44, n. 3, p. 1-19, 2020.

YOON, H.; HUBER, L.; KIM, C. Sustainable Aging and Leisure Behaviors: Do Leisure Activities Matter in Aging Well? Sustainability, v. 13, n. 4, p. 2348, 2021.

Downloads

Publicado

2023-12-26

Como Citar

CARNEIRO, Luciana Pereira de Moura; ORTUZAR, Aurora Madariaga; ZAPIRAIN, Maria Begoña Garcia; UVINHA, Ricardo Ricci.
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PARA O LAZER À REALIDADE BRASILEIRA
. Revista Turismo & Cidades, v. 5, n. 12, 26 Dez 2023Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 14 abr 2024.

Edição

Seção

Artigos