A incorporação da racionalidade neoliberal na educação e a organização escolar a partir da cultura empresarial

Autores

  • Marcio Giusti Trevisol Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Maria de Lourdes Pinto de Almeida Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC http://orcid.org/0000-0001-8515-2908

DOI:

https://doi.org/10.18764/2358-4319.v12n3p200-222

Palavras-chave:

Racionalidade neoliberal. Escola. Cultura empresarial. Educação

Resumo

O artigo é resultado de uma reflexão sobre a forma com que a racionalidade neoliberal tem colonizado o campo educativo, empregando na educação, seja escolar, seja superior, uma cultura empresarial, completamente voltado ao mercado capitalista. O neoliberalismo existente no perfil do Estado Brasileiro institui uma normatização da vida na sua totalidade, a partir de valores referenciais, que passam a organizar as instituições e a própria subjetividade. Neste sentido, nosso objetivo vai ao encontro de pontuar como a razão de mundo ancorada nos princípios neoliberais coloniza a educação e, sobretudo, a escola, tornando-a uma instituição que se organiza e opera a partir de uma cultura em que a lógica predominante é a empresarial. O problema norteador da discussão fundamenta-se na defesa de que a escola não deve ser tratada como uma empresa, sob pena de produzirmos experiências formativas contrárias aos ideais republicanos de educação. A pesquisa caracteriza-se como exploratória, com abordagem teórico-bibliográfica e documental. A escrita investigativa dialoga com os autores Dardot e Laval (2016) e com o documento da Comissão das Comunidades Europeias (1995). Portanto, defende-se que a escola como espaço educativo deve ser refletida à luz de certos referenciais que não sejam os da racionalidade neoliberal, a qual, baseada nos princípios de concorrência, competividade e eficiência, passa a organizar as escolas, tornando-as empresas e que essa lógica empresarial no espaço escolar corrói experiências formativas democráticas.

Palavras-chave: Racionalidade neoliberal. Escola. Cultura empresarial. Educação.

The incorporation of neoliberal rationality in education and the school organization from corporate culture

ABSTRACT

The article is the result of a reflection on the way that neoliberal rationality has colonized the educational field employing in the education, whether school or higher, a business culture, completely geared to the capitalist market. The neoliberalism existing in the profile of the Brazilian State, establishes a normalization of life in its totality from reference values that begin to organize institutions and subjectivity itself. In this sense, our objective is to point out the reason of the world anchored in the neoliberal principles colonize the education and, above all, the school, making it an institution that is organized and operates from a culture where the predominant logic is the business. The guiding problem of the discussion is based on the defense that the school should not be treated as a company, otherwise we will produce formative experiences contrary to the republican ideals of education. The research is characterized as exploratory with a theoretical-bibliographic and documentary approach. The research writing, dialogues with the authors Dardot and Laval (2016) and with the document of the Commission of the European Communities (1995). Therefore, neoliberal rationality based on the principles of competition, competitiveness and efficiency starts to organize schools into companies. Business reasoning in school space erodes democratic formative moments For this reason, the school as an educational space must be reflected in the light of certain references that are not of neoliberal rationality.

Keywords: Neo-liberal rationality. School. Business culture. Education.

La incorporación de la racionalidad neoliberal en la educación y la organización escolar a partir de la cultira empresarial

RESUMEN

El artículo es resultado de una reflexión sobre la forma con que la racionalidad neoliberal ha colonizado el campo educativo, empleando en la educación, sea escolar, sea superior, una cultura empresarial, completamente orientada al mercado capitalista. El neoliberalismo existente en el perfil del Estado Brasileño instituye una normalización de la vida en su totalidad a partir de valores referenciales que pasan a organizar las instituciones y la propia subjetividad. En este sentido, nuestro objetivo va al encuentro de puntuar cómo la razón de mundo anclada en los principios neoliberales coloniza la educación y, sobre todo, la escuela, tornándola una institución que se organiza y opera a partir de una cultura en que la lógica predominante es la empresarial. El problema norteador de la discusión se fundamenta en la defensa de que la escuela no debe ser tratada como una empresa, bajo pena de que produciremos experiencias formativas contrarias a los ideales republicanos de educación. La investigación se caracteriza como exploratoria con abordaje teórico-bibliográfico y documental. La escritura investigativa dialoga con los autores Dardot y Laval (2016), y con el documento de la Comisión de las Comunidades Europeas (1995). Por tanto, se defiende que la escuela como espacio educativo debe ser reflejar a la luz de ciertos referenciales que no sean los de la racionalidad neoliberal, la cual basada en los principios de competencia, competitividad y eficiencia pasa a organizar las escuelas, tornándolas empresas y que esa lógica empresarial en el espacio escolar desgasta experiencias formativas democráticas.

Palabras-clave: Racionalidad neoliberal. Escuela. Cultura empresarial. Educación.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marcio Giusti Trevisol, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Mestre em Ética e Filosofia Política pela Universidade Federal de São Carlos. Doutorando em Educação na Universidade de Passo Fundo (UPF). Professor da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), Líder do grupo de pesquisa “Comunicação, Mídia e Sociedade”. Membro e pesquisador do grupo de pesquisa GEPES –UPF (Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Superior). Participa da Rede ibero-americana de estudos e pesquisas em políticas, processos de educação superior – RIEPPES – Unoesc/Unicamp e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas de Educação Superior da Região Sul – GEPPES SUL, ambos sediados na PPGEd da Unoesc.

Maria de Lourdes Pinto de Almeida, Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Doutora em Filosofia. História e Educação, pela  Unicamp. Pós-doc em Políticas Educacionais pela USP e em Política, Ciência e Tecnologia pela Unicamp. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação da Unoesc/SC. Pesquisadora colaboradora do PPGEd URI/ RS. Pesquisadora associada do Giepes Unicamp. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Superior Unoesc – Unicamp. Vice-líder do Grupo Internacional de Estudos e Pesquisas em Educação Superior – Geipes Unicamp. Líder da Rede Iberoamericana de Estudos e Pesquisas em Políticas e Processos de Educação Superior – Riesup da FE da Unicamp. Pesquisadora do CNPq e do Obeduc.

Downloads

Publicado

2019-09-30

Como Citar

TREVISOL, Marcio Giusti; ALMEIDA, Maria de Lourdes Pinto de.
A incorporação da racionalidade neoliberal na educação e a organização escolar a partir da cultura empresarial
. Revista Educação e Emancipação, v. 12, n. 3, p. p.200–222, 30 Set 2019Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 21 abr 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)