COM QUE CORPO EU VOU? DISCURSO, CORPO E HETEROTOPIA NO JOGO VIRTUAL HABBO HOTEL

Autores

Resumo

Este artigo visa analisar os discursos produzidos nos corpos heterotópicos do jogo Habbo Hotel, comunidade virtual voltada a jovens e adolescentes. Sob a ótica da análise do discurso “com” Foucault, vislumbramos compreender as dinâmicas dos corpos discursivizados no ambiente on-line com fulcro na noção das heterotopias, entendido como espaço em que se constrói subjetividades alheias aos ambientes padrões. Assim, para fins de análise, elegemos fotografias fabricadas pelos próprios usuários disponibilizadas no próprio site do jogo. Os resultados apontaram para a possibilidade diversa de corpos a serem constituídos no Habbo, sejam pelas vestimentas casuais ou por inserções de tatuagens, acessórios que demarcam uma identidade virtual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joseeldo da Silva Júnior, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Mestre em Linguística no Programa de Pós-Graduação de Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduado em Licenciatura Plena em Letras Português pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). 

Francisco Vieira da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Especialista em Ciências da Linguagem aplicadas à Educação a Distância (CLEAD) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Graduado em Letras pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Professor efetivo de Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Campus de Caraúbas. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e do Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO), da associação entre a a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Coordenador local do POSENSINO na UFERSA (2019-2021). Atua na perspectiva dos estudos discursivos foucaultianos, sobretudo no exame de discursos e práticas das/nas mídias digitais, a partir das intersecções com o ensino e a saúde. É líder do Grupo de Pesquisa Discurso com Foucault (Dis.com.fou), vinculado à Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) e pesquisador do Círculo de Discussões em Análise do Discurso (CIDADI), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), do Grupo de Estudos do Discurso (GRED), da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e do Grupo de Estudos do Discurso da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (GEDUERN).

Referências

ALVES, L. Games e educação – a construção de novos significados. Revista Portuguesa de Pedagogia, Portugal, ano 42, p. 225-236, 2008.

ALVES, L. R. G. De Vygotsky à cultura da simulação: a emergência de novas formas de compreender o mundo. In: FELDENS, D. G.; NASCIMENTO, E. F. V-B. C. do; BORGES, F. T. (Orgs.). Formação de professores e processos de aprendizagem: rupturas e continuidades. Salvador: EDUFBA, 2011.

ARAÚJO, I. L. Do signo ao discurso: introdução à filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BARACUHY, R. GODOI, E. Da marginalização ao glamour: o corpo tatuado nas redes de poder-saber e jogos de verdade do discurso midiático. Moara. 43 ed. jan-jun. 2015.

BARTHES, Roland. O sistema da Moda (entrevista concedida a Cécile Delanghe – France- Foru, 5 de junho de 1967). In: O grão da voz. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1995.

BERGAMO, A. O campo da moda. Revista de Antropologia. São Paulo, v. 41, n. 2. 1998. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77011998000200005>. Acesso em: 26 jul. 2020.

CASTRO, L. G. R. Outros espaços e tempos, heterotopias. In: 1° Congresso Internacional Espaços Públicos, 2015, Porto Alegre. Anais do 1° Congresso Internacional Espaços Públicos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. v. único. p. 1-12. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1807535/mod_resource/content/1/Castro.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2020.

CRUZ JUNIOR, Gilson; DA SILVA, Erineusa Maria. A (ciber)cultura corporal no contexto da rede: uma leitura sobre os jogos eletrônicos do século XXI. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 4, jan. 2010.

FERNANDES, A. C.; FERNANDES JUNIOR, A. O corpo como heterotopias do sujeito. Working Papers em Linguística. v. 17, n. 2, 2016.

FOUCAULT, Michel. Quem é você, professor Foucault? In: Ditos e Escritos I (1954-1969). 1967. p. 601-620.

FOUCAULT, Michel. Prefácio. In: As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, M. O corpo utópico. As heterotopias. São Paulo: Edições N-1, 2013.

FOUCAULT, M. De espaços outros. Estudos Avançados, v. 27, n. 79, p. 113-122. 2013b.

FOUCAULT, M. Nietzsche, a genealogia do poder. In: Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete. 42 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2014.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de fevereiro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014b.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

GODOI, E. Quem é o sujeito tatuado diante das redes discursivas de inclusão/exclusão expostas na mídia. Discursividades. v. 1, n. 1, out. 2017.

GREGOLIN, M.R. Discursos e imagens do corpo: heterotopias da (in)visibilidade na WEB. In: FLORES, G.G.; NECKEL, N.R.F.; GALLO, S.M.L. (Orgs). Análise de discurso em rede: cultura e mídia. Campinas: Pontes, 2015, p. 191-213.

KRÜGER, F. L.; CRUZ, D. M. Jogos (virtuais) de simulação da vida (real): a geração Y e o The Sims. In: Anais do Congresso Brasileiro de Pesquisadores da Comunicação, 2004, Porto Alegre. Comunicação, acontecimento e memória. São Paulo. Intercom. Disponível em: <http://www.portcom.intercom.org.br/navegacaoDetalhe.php?op tion=trabalho&id=42969>. Acesso em: 10 jul. 2020.

MILANEZ, N. As aventuras do corpo – dos modos de subjetivação às memórias de si em revista impressa. 2006. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara.

MOURA, C. A vertigem: da ausência como lugar do corpo. 2002. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2020.

PRADO, G.; ASSIS, J. de P. Dois experimentos recentes em ambientes virtuais multiusuário: imateriais 99 e desertesejo. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 10., 2001, Brasília. Anais... Brasília: Universidade de Brasília, 2001.

RECUERO, R. C. Comunidades virtuais: uma abordagem teórica. 2001. In: Seminário Internacional de Comunicação, 5., 2001. Anais... Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2020.

SANTAELLA, Lucia. Games e comunidades virtuais. In: EXPOSIÇĀO HIPERRELAÇÕES ELETRO DIGITAIS, Instituto Sérgio Motta e Santander Cultural, Porto Alegre, 2004.

XAVIER, C. Cibercorpo: Interface e (In)Formação. In: 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciência da Comunicação. Aveiro, 2005. Anais IV SOPCOM. Portugal: Aveiro, 2005.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

JÚNIOR, Joseeldo da Silva; VIEIRA DA SILVA, Francisco.
COM QUE CORPO EU VOU? DISCURSO, CORPO E HETEROTOPIA NO JOGO VIRTUAL HABBO HOTEL
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 6, n. 17, p. 134–152, 26 Jan 2021 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/afluente/article/view/15641. Acesso em: 15 jun 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos