A organização retórica da introdução dos inquéritos de denúncia da fase 2016 da operação Lava Jato

Autores

Palavras-chave:

Sociorretórica, Inquéritos, Lava Jato, Swales.

Resumo

Ao observar a Operação Lava Jato, maior conjunto de investigações de combate à corrupção no Brasil organizadas pela Polícia Federal brasileira com início em março de 2014, no qual cumpriu milhares de ordens judiciais e já apontou irregularidades na Petrobras, maior estatal do país, bem como em contratos vultosos, como o da construção da usina nuclear Angra 3, percebemos que, conforme desvendavam práticas criminosas, diversos inquéritos eram produzidos a fim de apurar e fornecer elementos necessários para o órgão judiciário propor uma ação penal. Visto isso, nosso objetivo é analisar os movimentos retóricos que constituem a seção de introdução dos inquéritos de denúncia referentes às três fases ocorridas em março, abril e maio de 2016 da Operação Lava Jato, mais especificamente três inquéritos de denúncias das Operações Polimento, Carbono 14 e Vício e relacionar a organização retórica com expedientes linguísticos que denotam argumentatividade. Para isso, basear-nos-emos na perspectiva sociorretórica de Swales (1990) que tem como objetivo analisar gêneros textuais, considerando-os como ações sociais que se materializam enquanto classe de eventos comunicativos. Neste trabalho, analisaremos os três inquéritos de denúncia dessas operações da Polícia Federal obtidos por meio do Ministério Público Federal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wesley Mateus Dias, Universidade Estadual de Maringá

Sou professor de Língua Portuguesa dos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio na Secretaria Estadual de Educação do Paraná (SEED/PR), mestrando na linha de Estudos do Texto e do Discurso pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (PLE/UEM). Graduado em Letras-Português pelo departamento de Ciências Humanas e da Educação da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR - Campus de Apucarana), a licenciar-me em Língua Portuguesa e suas respectivas Literaturas. Na mesma instituição, Unespar, exerci a função de Monitor de Língua e Cultura Latina I e II no ano de 2017. Desenvolvo pesquisas relacionadas aos campos da Análise Dialógica do Discurso, da Linguística Aplicada, Sociolinguística, Linguística Textual, Análise do Discurso e Sociorretórica.

Wiliam César Ramos, Universidade Estadual de Maringá

Professor Adjunto da Universidade Estadual de Maringá - UEM / Departamento de Letras Modernas - DLM. Doutorado e mestrado em Linguística e Língua Portuguesa (UNESP Araraquara) (Linhas de pesquisa: Ensino de Língua Inglesa, Gênero e Argumentação). Especialização em Ensino de Língua Inglesa (UEL-Londrina). Graduação em Letras-Inglês (Faculdades Integradas de Jaú).

Referências

ARISTÓTELES (384-322 a.C.). Retórica / Aristóteles; tradução, textos adicionais e notas Edson Bini. - São Paulo: EDIPRO, 2011.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011. p. 261-306. Tradução de: Paulo Bezerra.

_________. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRASIL. Ministério Público Federal. Denúncia Cerveró. Ação Penal Pública Incondicionada. Ministério Público Federal. Procurador República: Deltan Martinazzo Dallagnol. Curitiba, 17 de março de 2016.

_______. Ministério Público Federal. Denúncia Renato Duque. Ação Penal Pública Incondicionada. Ministério Público Federal. Procurador República: Deltan Martinazzo Dallagnol. Curitiba, 29 de julho de 2016.

_______. Ministério Público Federal. Denúncia Ronam. Ação Penal Pública Incondicionada. Ministério Público Federal. Procurador República: Deltan Martinazzo Dallagnol. Curitiba, 06 de maio de 2016.

_______. Polícia Federal. Operação Lava Jato. 2014. Disponível em: <http://www.pf.gov.br/imprensa/lava-jato>. Acesso em: 18 fev. 2019.

_______. Polícia Federal. PF deflagra a 25ª Fase da Operação Lava Jato em Portugal – Operação Polimento. 2016. Disponível em: <http://www.pf.gov.br/agencia/noticias/2016/03/pf-deflagra-25a-fase-da-operacao-lava-jato-em-portugal>. Acesso em: 07 fev. 2019.

_______. Polícia Federal. PF deflagra a 27ª Fase da Operação Lava Jato – Operação Carbono 14. 2016. Disponível em: <http://www.pf.gov.br/agencia/noticias/2016/04/pf-deflagra-a-27a-fase-da-operacao-lava-jato-operacao-carbono-14>. Acesso em: 09 fev. 2019.

_______. Polícia Federal. Polícia Federal deflagra a 30ª Fase da Operação Lava Jato – Operação Vício. 2016. Disponível em: <http://www.pf.gov.br/agencia/noticias/2016/05/policia-federal-deflagra-a-30a-fase-da-operacao-lava-jato-2013-operacao-vicio>. Acesso em: 09 fev. 2019.

COHEN, A. P. The symbolic construction of community. Londres: Routledge, 1985.

DIAS, W. M. Omertà: a relação dialógica e de sentidos da expressão napolitana e o nome da Operação da Polícia Federal. Revista Interdisciplinar em Estudos da Linguagem (RIEL), ISSN 2674-6344, São Paulo, v. 2, n. 1. 2020.

________.; CARMO, A. B. do. Catilinárias: análise semântico-enunciativo da nomeação da Operação da Polícia Federal. In: FERRAGINI, N. L. et al. (orgs.). Anais do Coli – III Congresso de Licenciaturas. Campo Mourão, PR: Editora Fecilcam, 2019. p. 146-157.

FARACO, C. A. Linguagens e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

HEIMAS, B. & BIASI-RODRIGUES, B. A Proposta Sócio-retórica de John Swales para o estudo dos gêneros textuais. In: MEURER, J.L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (orgs.). Gêneros: teorias, métodos e debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 108-129.

MILLER, C. R. Gênero como ação social. In: MILLER, C. R. Gênero textual, agência e tecnologia. Organização Angela Paiva Dionisio e Judith Hoffnagel, tradução de Judith Hoffnagel. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 21-41.

PAZ, C. F. M. da. Inquérito policial: uma breve análise. Athenas, vol. 1, ano IV, jan-out. 2015/ ISSN 2316-1833/ www.fdcl.com.br/revista.

SILVA, S.; OLIVEIRA, E. G. de; OLIVEIRA, L. C. G. de. A expressividade argumentativa do adjetivo no texto publicitário. Estud. Ling., Londrina, Pr, 2013. p. 201-231.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press, 1990. p. 137-166. Tradução Ramos (2019).

________. Re-thinking genre: another look at discourse community effects. Comunicação apresentada em Re-thinking Genre Colloquium, Ottawa: Carleton University, 1992.

________. Communities of practice? In:_____. Other floors, other voices: a textography of a small university building. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, Publishers: 1998. p. 28-208.

________. Research articles in English. Research genres: explorations and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. p. 230-232. Tradução Ramos (2019).

________. Reflections on the concept of discourse community. Asp, 69, p. 7-19, 2016.

VAN DIJK, T. A. Cognição, discurso e interação. Organização e apresentação de Ingedore Grunfeld Villaça Koch. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2004.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

DIAS, Wesley Mateus; RAMOS, Wiliam César.
A organização retórica da introdução dos inquéritos de denúncia da fase 2016 da operação Lava Jato
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 6, n. 17, p. 176–195, 26 Jan 2021 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/afluente/article/view/15264. Acesso em: 15 jun 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos