A LENDA DE JOÃO VELHO: imaginário, fé e misticismo na Vila das Almas

Autores

  • Daciléia Lima Ferreira Universidade Federal do Maranhão
  • Daline da Costa Brito Universidade Federal do Maranhão
  • Conceição de Maria Belfort de Carvalho Universidade Federal do Maranhão
  • Josenildo Campos Brussio Universidade Federal do Maranhão

Palavras-chave:

Lenda. João Velho. Quilombo. Fé. Misticismo.

Resumo

O presente artigo aborda a lenda de João Velho sob o ponto de vista do imaginário e da religiosidade dos moradores do quilombo Saco das Almas, mais especificamente na comunidade da Vila das Almas, em Brejo/MA, bem como a sua importância no campo simbólico e representacional da fé, das crenças e do misticismo presentes na lenda. Trata-se de uma pesquisa dividida em duas etapas: na primeira, realizou-se a pesquisa bibliográfica em que se destacam referenciais teóricos como Eliade (2002), Lévi-Strauss (2005), Godelier (2001), Cascudo (2012), Bayard (2020), Ferreira (2018), entre outros; a segunda construiu-se a partir das pesquisas de campo realizadas pelo GEPEMADEC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Meio Ambiente Desenvolvimento e Cultura) e pelo LEI (Laboratório de Estudos do Imaginário), entre os anos de 2017 até o presente momento. Analisa-se a lenda de João Velho sob o aspecto do imaginário e do simbólico, destacando-se os valores místicos e representacionais da lenda em contraste com as práticas religiosas cotidianas dos moradores do quilombo, a saber, o culto a fé cristã: católicos e protestantes, ao mesmo tempo em que acreditam em uma entidade  espiritual  que   realiza milagres tal qual São Longuinho. Como resultados, tem-se que, apesar de existirem três igrejas cristãs no quilombo, duas católicas e uma protestante, algumas práticas religiosas da maior parte dos moradores do quilombo vão além das religiosidades cristãs, como se vê na crença do poder milagroso de João Velho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daciléia Lima Ferreira, Universidade Federal do Maranhão

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade (PGCult) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Graduação no Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Campus de São Bernardo. Tem experiência na área de Sociologia, Antropologia, com estudos em Memória, Identidade e Imaginário. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio Cultural (GEPPaC) do PGCult(Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, da Universidade Federal do Maranhão e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cultura (GEPEMADEC), na linha de pesquisa 2: Imaginário Cultura e Meio Ambiente, da UFMA/Campus de São Bernardo. Atualmente pesquisa sobre Memória, Identidade e Patrimônio do Quilombo Saco das Almas, em Brejo/MA, sob orientação da professora Dra. Conceição de Maria Belfort de Carvalho. 

Daline da Costa Brito, Universidade Federal do Maranhão

Graduanda do Curso de Turismo da Universidade Federal do Maranhão, Campus de São Bernardo. Bolsista de Iniciação Científica/FAPEMA, sob orientação do professor Dr. Josenildo Campos Brussio, no Projeto de Pesquisa “IMPLEMENTAÇÃO COOPERATIVA E VALORIZAÇÃO DA CULINÁRIA DO QUILOMBO “SACO DAS ALMAS” EM BREJO/MA”. Discente-pesquisadora do GEPEMADEC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cultura).

Conceição de Maria Belfort de Carvalho, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Turismo pela Universidade Federal do Maranhão (1997), Especialização em Planejamento Ambiental pela Universidade Federal do Maranhão, mestrado em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2009). Professora da Universidade Federal do Maranhão. Professora Permanente do Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal do Maranhão (Nível Mestrado- Linha 2: Cultura, Educação e Tecnologia). Tem experiência na área de Turismo, com ênfase nas áreas: Gestão do turismo, Patrimônio cultural e Pesquisa em Turismo. Projetos aprovados com recursos financeiros: SÃO LUÍS PATRIMÔNIO CULTURAL DA HUMANIDADE: a dualidade da interação entre turistas e o espaço da cidade Edital Universal CNPQ/2014.Professora Produtividade Sênior- FAPEMA.

Josenildo Campos Brussio, Universidade Federal do Maranhão

Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (2012), possui graduação em Letras Português/Inglês e respectivas Literaturas pela Universidade Estadual do Maranhão (1998), Especialização em Língua Portuguesa pela Universidade Salgado de Oliveira - São Gonçalo/RJ (2000), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Maranhão (2008) e Doutorado em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2012). Professor Associado I do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas/Sociologia da UFMA/Campus de São Bernardo. Professor colaborador do Curso de Turismo do Campus de São Bernardo nas disciplinas Legislação aplicada ao Turismo (Direito e Turismo) e Leitura e Produção Textual. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cultura (GEPEMADEC), na linha de pesquisa 1: "Imaginário, cultura e meio ambiente".

Referências

APPADURAI, A. “Introdução: Mercadorias e a Política de Valor”. In: APPADURAI, A. (Org.). A Vida Social das Coisas. As Mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EdUFF, 2008.

AYRES, Genny Magna de Jesus Mota. Pretos, pardos e agregados em Saco das Almas. Salvador/BA: UFBA, 2002. (Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais).

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ª ed. São Paulo: EDUSP, 2013.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 12ª ed. São Paulo: Editora Global, 2012.

CNBB. Pastoral Afro-Brasileira. disponível em URL: https://cnbbs2.org.br/pastoral-afro-brasileira/ Acessado em 14/05/2020.

DURAND, Gilbert. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos: ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FERREIRA, Dacileia Lima. Memória e identidade na Vila das Almas: um estudo sobre o trabalho da Pastoral Afro-brasileira no Quilombo Saco das Almas, em Brejo/MA. São Luís/MA: EDUFMA, 2018.

FERREIRA, Dacileia Lima, CARVALHO, Conceição de Maria Belfort; BRUSSIO, Josenildo Campos. Da África ao Brasil: o sagrado e o profano no imaginário do tambor de crioula no Maranhão. In: Revista Labirinto, ISSN 1519-6674, ano XIX, volume 31, (jul-dez), 2019, p. 144-159.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODELIER, Maurice. O enigma do dom. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2001.

IPHAN. Dossiê do Tambor de crioula. Brasília: Instituto Patrimônio Histórico Nacional, [s.d.]. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/dossie15tambor.pdf. Acesso em 22/02//2019.

JUNG, Carl Gustav. O homem e seus símbolos. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

LÉVI-STRAUUS, Claude. O pensamento selvagem. 8ª ed. Campinas/SP: Editora Papirus, 2008.

MARQUES, Alexandre da Silva. Lugares de memória – a Ponte da Pisarela. Portugal: Universidade do Minho, 2014.

PAULA CARVALHO, José Carlos de. Imagens da vida e da morte: “o imaginário da derrelição” ou a cultura latente em grupos de alunos do colegial no Liceu Pasteur/SP In; Educação de Pesquisa. Revista da Faculdade de Educação da USP, São Paulo, v.23, n.1/2, p. 149-184, jan./dez. 1997.

RAMASSOTE, Rodrigo Martins. Notas sobre o registro do Tambor de crioula: da pesquisa à salvaguarda. IN: Revista Pós Ciências Sociais, v.4, n. 7, jan./jun., São Luís/MA, UFMA, 2007.

RIBEIRO, Josenilda Oliveira. Sincretismo religioso no Brasil: uma análise histórica das transformações no catolicismo, evangelismo, candomblé e espiritismo. Recife/PE: UFPE, 2012.

SOUZA, Mônica Dias de. Pretos-velhos: Oráculos, crença e magia entre os cariocas. Rio de janeiro/RJ: UFRJ, Pós-graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (Tese de Doutorado), 2006.

Da internet:

“Singularidade”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/singularidade [consultado em 29-05-2020].

“Marcha das Margaridas”, Agência Brasil, 2020, https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2019-08/brasilia-recebe-6a-marcha-das-margaridas [consultado em 29-05-2020].

“História de São Longuinho”, in Cruz Terra Santa, 2020, https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-longuinho/151/102/[consultado em 29-05-2020].

Downloads

Publicado

2020-08-05

Como Citar

FERREIRA, Daciléia Lima; BRITO, Daline da Costa; CARVALHO, Conceição de Maria Belfort de; BRUSSIO, Josenildo Campos.
A LENDA DE JOÃO VELHO: imaginário, fé e misticismo na Vila das Almas
. Infinitum: Revista Multidisciplinar , v. 3, n. 4, p. 6–25, 5 Ago 2020 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/infinitum/article/view/14720. Acesso em: 15 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>