O conceito de “lugar de fala” e a Comunicação/comunicação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2176-5111v18n31.2023.4

Palavras-chave:

lugar de fala, mídia, comunicação, pensamento afrodiaspórico

Resumo

A proposta deste trabalho é discutir a importância do conceito de “lugar de fala” na comunicação, tanto enquanto área de conhecimento quanto setor do mercado de trabalho. Partimos da ideia de que a Comunicação foi fundada em uma estrutura racista, principalmente ao analisar a realidade brasileira. Por essa razão, vemos que há baixa representatividade de pessoas negras na mídia e suas representações são controversas. Acreditamos que é através de um exercício crítico, fundado na epistemologia afrodiaspórica, que podemos alterar o quadro contemporâneo rumo a uma plenitude comunicativa da população negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Conceição dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Mídia e Cotidiano (PPGMC/UFF). Mestre em Comunicação (PPGCOM/UFF). Bacharel em Produção Cultural (UFF). Editor do periódico Mídia e Cotidiano.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2009.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo, SP: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

ALVARES, João Vitor; BASTREGHI, Louane; LIMA, Silvia Christina França; SIMÕES, Vivianne Augusta Pires. A publicidade no Brasil e suas diretrizes. EDUCERE - Revista da Educação, Umuarama, PR, v. 16, n. 2, p. 171-180, jul./dez. 2016. Disponível em: https://ojs.revistasunipar.com.br/index.php/educere/article/view/5966. Acesso em: 26 abr. 2023.

BAKHTIN, Mikhail. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo, SP: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. (1929). O discurso em Dostoiévski. In: BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. 5. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 2013.

BARBOSA, Juliana. Ana Maria é criticada por mostrar cenas de guerra e fome em Angola à Tina. Metrópoles, [S. l.], 08 fev. 2023. Disponível em: https://www.metropoles.com/entretenimento/televisao/ana-maria-e-criticada-por-mostrar-cenas-de-guerra-e-fome-em-angola-a-tina, Acesso em: 27 abr. 2023.

BRAGAGLIA, Ana Paula; CONCEIÇÃO DOS SANTOS, Pedro Henrique; BROCHADO, Samara Sanches. A (in)visibilidade de pessoas negras na publicidade: perspectivas interseccionais no regime representacional da campanha “Casa de Férias” da Trivago (2019). Esferas, [S. l.], n. 18, p. 73-86, 2020. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/article/view/11934. Acesso em: 06 fev. 2023.

BRANCO, Renato Castelo. Breve história da propaganda no Brasil. Revista da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, SP, v. 1, n. 1, p. 89-96, jun. 1994. Disponível em: https://arquivo.espm.edu.br/revista/junho_1994/files/assets/common/downloads/publication.pdf. Acesso em: 26 abr. 2023.

CALHOUN, Craig. (2011). Comunicação como Ciência Social (e mais). Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 277-310, jan./jun. 2012.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/001465832. Acesso em: 26 abr. 2023.

COLLINS, Patricia Hill. (2000). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 1. ed. São Paulo, SP: Boitempo, 2019. (recurso eletrônico)

CONCEIÇÃO DOS SANTOS, Pedro Henrique. Sobre a violência simbólica contra pessoas negras na mídia brasileira contemporânea. In: Encontro de Pesquisadores em Comunicação e Cultura, 16., 2022, Sorocaba, SP. Anais eletrônicos [...]. Sorocaba, SP: Programa de Pós-Graduação em Comunicaçãoe Cultura da Universidade de Sorocaba, Universidade de Sorocaba – Uniso, 2022. Disponível em: https://epecom.uniso.br/trabalhos-2022/. Acesso em: 09 fev. 2023.

CONCEIÇÃO DOS SANTOS, Pedro Henrique. O mito da publicidade antirracista ou sobre o capital de representatividade: por outra ética publicitária. 2023. 335 f. Tese (Doutorado em Mídia e Cotidiano) – Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2023.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the intersection of race and sex: a Black Feminist critique of antidiscrimination doctrine, Feminist theory and Antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, n. 1, 1989. Disponível em: https://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8/. Acesso em: 26 abr. 2023.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011. Acesso em: 26 abr. 2023.

DAVIS, Angela. (1981). Mulheres, raça e classe. São Paulo, SP: Boitempo, 2016.

GONZALEZ, Lélia. (1979). A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica. In: RIOS, Flávia; LIMA, Márcia. (Orgs.). Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2020. (

GONZALEZ, Lélia. (1988). A categoria político-cultural de amefricanidade. In: RIOS, Flávia; LIMA, Márcia. (orgs.). Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 2020. (p. 127-138).

HALL, Stuart. (1980). Codificação/decodificação. In: SOVIK, Liv. (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2. ed. 2. reimp. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2020. (p. 428-447)

HALL, Stuart. (2013). Cultura e representação. Rio de Janeiro, RJ: Ed. PUC-Rio: Apucuri, 2016.

HARAWAY, Donna. (1986). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 5, p. 7–41, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 26 abr. 2023.

KILOMBA, Grada. (2008). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro, RJ: Cobogó, 2019.

MATTELART, Armand; MATTELART, Michèle. (1995). História das teorias da comunicação. 16. ed. São Paulo, SP: Edições Loyola, 2014.

MARCONDES, Pyr. Uma história da propaganda brasileira: as melhores campanhas, gênios da criação, personagens. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Ediouro, 2001.

MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa Editorial, 2007.

MOMBAÇA, Jota. Não vão nos matar agora. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: Cobogó, 2021.

MORENO FERNANDES, Pablo. Racismo e invisibilização: representatividade negra em anúncios de revista. E-Compós, [S. l.], v. 25, 2022. Disponível em: https://e-compos.emnuvens.com.br/e-compos/article/view/2384. Acesso em: 26 abr. 2023.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. (1997). A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Rio de Janeiro, RJ: Bazar do Tempo, 2021. (recurso eletrônico)

RIBEIRO, Darcy. Classe, cor e preconceito. In: RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1995.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo, SP: Sueli Carneiro: Pólen, 2019.

RITO, Regina. Lázaro Ramos vive o galã mais rejeitado de novelas das nove. Terra, Entretê, Rio de Janeiro, 01 mar. 2011. Disponível em: https://www.terra.com.br/diversao/tv/novelas/lazaro-ramos-vive-o-gala-mais-rejeitado-de-novelas-das-nove,d028f286a945a310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html. Acesso em: 27 abr. 2023.

RODRIGUES, Sérgio. Racismo, a palavra, nasceu no século 20. Veja, [S. l.], 20 nov. 2012. Disponível em: https://veja.abril.com.br/coluna/sobre-palavras/racismo-a-palavra-nasceu-no-seculo-20/. Acesso em: 26 abr. 2023.

SARAIVA, Adriana. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Agência IBGE Notícias, Rio de Janeiro, RJ, 24 nov. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos. Acesso em: 26 abr. 2023.

SENNETT, Richard. Juntos. Rio de Janeiro, RJ: Record, 2012.

SILVA, César Agenor Fernandes da. O Correio Braziliense e seu projeto de civilização (1808-1822). 2006. 132 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Franca, SP, 2006.

SODRÉ, Muniz. (1977). O monopólio da fala: função e linguagem da televisão no Brasil. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

SODRÉ, Muniz. As estratégias sensíveis: afeto mídia e política. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Mauad X, 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. (2008). Pode o subalterno falar?. 4. reimp. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2020.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

SANTOS, Pedro Henrique Conceição dos.
O conceito de “lugar de fala” e a Comunicação/comunicação
. Cambiassu: Estudos em Comunicação, v. 18, n. 31, 30 Jun 2023 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cambiassu/article/view/21262. Acesso em: 21 jul 2024.

Edição

Seção

Artigos