REFLEXÕES SOBRE A INTERFERÊNCIA DA FALA NA LEITURA DE ALUNOS DO OITAVO E DO NONO ANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2525-3441v8n23.2023.34

Palavras-chave:

Sociolinguística, variação linguística, leitura

Resumo

Essa pesquisa investigou os fenômenos que ocorrem na oralidade de alunos do oitavo e nono ano de uma escola pública periférica no município de Imperatriz – Maranhão. Analisou se quando o aluno lê, transfere marcas da oralidade para a leitura ou se tem uma leitura monitorada e é fiel ao que está escrito. Analisou também como é tratada a variedade linguística em sala de aula e a postura do professor e dos alunos em relação à variação linguística presente no âmbito escolar, posto que esta análise se liga diretamente a contextos de fala e leitura. Para tanto, a análise é fundamentada em teóricos como Labov (1972/2008); Bortoni-Ricardo, (2004, 2005, 2006); Bagno (2002, 2003, 2007, 2012, 2013), interallia e dados do INEP/MEC. A pesquisa mostra os traços de oralidade mais frequentes na leitura dos alunos que foram observados. Os alunos colaboradores foram de escolas periféricas, que têm menos acesso à linguagem considerada como culta, por isso, tendem a variar mais ao usar a língua de forma oral, mesmo quando leem. Cabe, então, ao professor acompanhar esta atividade para mediar o uso da língua culta, que é responsabilidade da escola ensiná-la. Quando o aluno entende mais os aspectos linguísticos, quando lê e compreende, ele pode sair-se melhor em todos os componentes curriculares. Ele dominará melhor o uso da modalidade culta da fala, da escrita e será mais fiel ao que está escrito, quando for ler. Este estudo é considerado relevante não só porque a legislação oficial concernente ao ensino de língua na educação básica mostra a necessidade de se refletir sobre os fenômenos da linguagem, em especial os relacionados à questão da variedade e variação linguística, mas por poder colaborar com o trabalho docente, apresentado reflexões sobre o uso que os alunos fazem da língua.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Guia Taveiro-Silva, Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL

É professora (Adjunto IV) de Linguística, da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão – UEMASUL, onde atua no Curso de Letras Língua Portuguesa e Literaturas, do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Letras – CCHSL, e no Programa de Pós-Graduação em Letras - PPGLe no Mestrado Profissional em Letras. É formada em Letras Português e Inglês, pela Universidade Estadual do Maranhão (1988) e em Pedagogia, pela Universidade Federal do Maranhão (2001). É mestre em Educação (2007), pela Universidade de Brasília e doutora em Linguística (2012), pela mesma Universidade. Fez estágio de doutorado, financiado pela CAPES, na Universidade da Califórnia em Los Angeles – UCLA, USA, (2010-11), Participou do curso de Ensino de Inglês como Língua Estrangeira, financiado pela CAPES, no Instituto de Educação – IOE, da universidade de Londres, UK, (2012). Tem experiência na área de Linguística (Sociolinguística), focalizando Educação e Linguística – formação de professores –, trabalhando temas como: educação em língua materna; letramento e formação de professores; alfabetização; etnografia de sala de aula. Como pesquisadora, é líder do Grupo de Pesquisa (CNPq): Grupo de Estudos Linguísticos do Maranhão – GELMA e vice-coordenadora do Núcleo de Estudos Literários e Linguísticos – NELLI. Atualmente é coordenadora de dois projetos Universais de Pesquisa, com fomento: um estadual (FAPEMA) e um nacional (CNPq). Como extensionista, é coordena de um projeto de Extensão (PIBEXT), em escolas públicas de Ensino Médio, em Imperatriz. Orienta bolsistas e voluntários de iniciação científica (IC) e de extensão, bem como bolsista do Programa de Bolsas de Apoio Técnico Institucional – BATI. É consultora ad hoc de agências de fomento (FAPEMA, CNPq e Cebraspe) e revisora de revista especializada (Domínios de Lingu@gem, da UFU). Suas publicações incluem artigos, capítulos de livros, apresentação de obras e os livros, “Letramento e linguagem em escola rural” e “Experiência de vida e letramento”. Na área administrativa, responde pela Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação - PROPGI. Outras informações podem ser encontradas no currículo.

Laila da Silva Feitosa , Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL

Graduada em Letras Língua Portuguesa e Literaturas e docente da Educação Básica.  pesquisadora da linha de pesquisa Linguagem e Sociedade, do grupo de estudos Linguísticos do Maranhão - GELMA

Neliane Raquel Macedo Aquino, Instituto Federal do Maranhão - IFMA

Doutora em Letras: Ensino de Língua e Literatura pela Universidade Federal do Tocantins (UFT/2019). Mestre em Letras: Ensino de Língua e Literatura pela Universidade Federal do Tocantins (UFT/2014). Especialista em Educação de Jovens, Adultos e Idosos pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA/2014). Especialista em Docência do Ensino Superior e Educação Digital pela Faculdade de Imperatriz (FACIMP/2012). Graduada em Letras Licenciatura em Português e Inglês pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA/2010). Atualmente é professora de português e inglês do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, campus de Imperatriz. Tem experiência na área de Linguística e Literatura, atuando principalmente nos seguintes temas: A importância da Leitura para diferentes contextos; Uso de recursos de metodologias ativas e tecnologias educacionais digitais para o ensino e aprendizagem de língua e literatura. Ensino e Aprendizagem de Línguas. Fonética e Fonologia. Modelos de Aquisição de Linguagem.

Referências

BAGNO, M. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília: SEED, 1998.

BORTONI-RICARDO, S. M. Português brasileiro: a língua que falamos. 4. ed. São Paulo: Parábola, 2021.

BORTONI-RICARDO, S. M. Manual de Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

CASTILHO, A. T. de. A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto, 2021.

COELHO, I. L.; GÖRSKI, E. M.; SOUZA, C. M. N. de; MAY, G. H. Para conhecer: Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2021.

FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 23ª ed. São Paulo: Cortez: Autores associados, 1989.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo, Parábola, 2008.

OTHERO, G. A. Mitos de Linguagem. São Paulo: Parábola, 2017.

SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Contexto, 2017.

SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Trad. Cláudia Schilling. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Downloads

Publicado

2023-09-30

Como Citar

TAVEIRO-SILVA, Maria da Guia; FEITOSA , Laila da Silva; AQUINO, Neliane Raquel Macedo.
REFLEXÕES SOBRE A INTERFERÊNCIA DA FALA NA LEITURA DE ALUNOS DO OITAVO E DO NONO ANO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 8, n. 23, p. 353–377, 30 Set 2023 Disponível em: http://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/afluente/article/view/21722. Acesso em: 23 jul 2024.

Edição

Seção

Leitura e escrita: diferentes práticas e concepções