TEORIA DOS CAMPOS LEXICAIS

conceitos revisitados e um olhar especial para a semântica de Coseriu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2525-3441v7n21.2022.18

Palavras-chave:

Semântica Estruturalista, Campo Lexical, Eugenio Coseriu

Resumo

A noção de “campo”, nos estudos lexicais, parte de uma Semântica de base estruturalista. O início dessa discussão se desenvolveu antes mesmo da redação do Curso de Linguística Geral (CLG), de Ferdinand Saussure. Contudo, foi a partir de Coseriu (1981) que se pode notar um desenvolvimento de uma metodologia apropriada e de base majoritariamente linguística. Este artigo, portanto, busca elencar e discutir acerca desses estudos semânticos voltado à delimitação e à construção de campos lexicais, citando alguns antecessores de Coseriu até chegar aos postulados deste. Por isso, fez-se necessário definir sob este prisma termos como lexema, arquilexema, sema, campo associativo, rede semântica, campo conceitual, classe lexical, oposições e dimensões (embora algumas dessas concepções tenham se originado ou compartilham presença em teorias de outros pesquisadores, torna-se pertinente neste trabalho para a compreensão do recorte escolhido). Espera-se que os conceitos revisitados e os exemplos demonstrados corroborem para o entendimento desses postulados tão caros às pesquisas em Semântica Estruturalista e tão utilizados nela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thyago José da Cruz, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor no Magistério Superior na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande (MS)

Referências

ABBADE, C. M. S. A lexicologia e a teoria dos campos lexicais. Cadernos do CNLF, v. 15, n. 5, p. 1332-1343, 2011.

BIDERMAN, M. T. C. A estrutura mental do léxico. Estudos de filologia e lingüística, 1981. p. 131-145.

CAMBRAIA, C. N. Da lexicologia social a uma lexicologia sócio-histórica: caminhos possíveis. Revista de Estudos da Linguagem, v. 21, n. 1, p. 157-188, 2013.

CARVALHO, A. O.; CARVALHO, M. B. P. A semântica e a Classificação Decimal Universal. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2. p. 91-102. 1975.

COSERIU, E. Gramática, semántica, universales estudios de la lingüística funcional. 2. ed. rev. Madrid: Gredos, 1987.

COSERIU, E. O homem e sua linguagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1980.

COSERIU, E. Principios de la semántica estructural. Madrid: Gredos, 1981.

FILHO, N. L. Z. Mudança semântica em palavrões da Língua Portuguesa Brasileira? Movimentos de uma transgressão implícita. 2016. 142 f. Dissertação de mestrado (Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens), Fundação Universidade Federal De Mato Grosso Do Sul, Campo Grande, 2016.

GECKELER, H. Semántica estructural y teoría del campo léxico. Trad. Marcos Martínez Hernández. Madrid: Gredos, 1976.

GEERAERTS, D. Theories of lexical semantics. Oxford: University Press, 2010.

GERMAIN, C. La semántica funcional. Versión española de José Antonio Mayoral. Madrid: Gredos, 1986.

GREIMAS, A. Sémantique structurale: Recherche de méthode. Paris: Larousse, 1966.

LYONS, J. Semântica I. Tradução de Wanda Ramos, Lisboa: Editorial Presença/ Martins Fontes, 1977.

MEYER, R. M. Bedeutungssysteme. Zeitschrift für vergleichende Sprachforschung auf dem Gebiete der indogermanischen Sprachen, vol. 43, no 4. H, 1910, p. 352-368.

NATALE, V. L. O campo semântico do riso. 1999. 409 f. Dissertação de mestrado (LETRAS CLÁSSICAS). UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, São Paulo. 1999.

PEIXOTO, L. M. C. F. A fala do vaqueiro do sertão baiano: análise semântico-lexical. 2007. 185 f. Dissertação de Mestrado (Letras e Linguística). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

PETTER, M. M. T. A Construção do significado de fani "pano e vestuário" em Diula. 1992. 325 f. Tese de Doutorado (Linguística). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

POTTIER, B. Gramática del español. 2. ed. Madrid, SPA: Alcalá, 1971.

SANTOS, S. S. B. Estudos geolinguísticos de aspectos semântico-lexicais do campo semântico 'alimentação e cozinha' (questionário do Alib) no município de Sorocaba. 2002. 237 f. Dissertação de Mestrado (LINGÜÍSTICA). UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, São Paulo, 2002.

SAUSSURE, F. Curso de lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, 2001.

VILLAFAÑE, R. El campo léxico-semántico de los apelativos cromáticos de los equinos en el español de Venezuela. Letras, v. 49, n. 74, p. 67-91, 2007.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Como Citar

CRUZ, Thyago José da.
TEORIA DOS CAMPOS LEXICAIS: conceitos revisitados e um olhar especial para a semântica de Coseriu
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 7, n. 21, p. 59–76, 17 Set 2022Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 14 abr 2024.