As repercussões jurídicas e sociais da Síndrome de Burnout em mulheres trabalhadoras durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19)

Autores

  • Clovis Gorczevski Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Cleize Carmelinda Kohls Universidade de Santa Cruz do Sul

Resumo

O presente artigo busca analisar a incidência da síndrome de Burnout em mulheres trabalhadoras no Brasil durante a pandemia do novo coronavírus - COVID19.  Pretende-se encontrar respostas para os seguintes problemas de pesquisa: Como a pandemia de COVID 19 relaciona-se com a síndrome de Burnout em mulheres trabalhadoras? Qual a proteção legal existente no Brasil para as mulheres trabalhadoras acometidas da síndrome de Burnout? E quais as lições que podem ser extraídas do contexto de pandemia para o enfrentamento e prevenção da síndrome? Para responder estes problemas, a pesquisa é desenvolvida por meio do método hipotético dedutivo, através de pesquisas bibliográficas e de dados propor alternativas para o enfrentamento da temática. Objetiva-se apresentar uma análise das desigualdades de gênero no mercado de trabalho brasileiro, demonstrando sua relação com a síndrome de Burnout, e investigando sobre a proteção legal existente para as mulheres acometidas da síndrome e as políticas públicas que podem ser desenvolvidas para o enfrentamento da problemática. O estudo demonstra a importância de políticas públicas preventivas, através do incentivo para a adequação de condutas pelas empresas, e a necessidade de políticas públicas informativas sobre o problema. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Gorczevski, Universidade de Santa Cruz do Sul

Advogado, Doutor em Direito (Universidad de Burgos 2002), pós-doutor pela Universidad de Sevilla (CAPES 2007) e pela Universidad de La Laguna (CAPES/FUNDACIÓN CAROLINA 2011). Professor da Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC

Cleize Carmelinda Kohls, Universidade de Santa Cruz do Sul

Advogada, Doutoranda em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Professora da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC.

Referências

AREIAS, Maria Elenice Quelho; COMANDULE, Alexandre Quelho. Qualidade de vida, estresse no trabalho e síndrome de burnout. Qualidade de vida e fadiga institucional. Campinas: IPES Editorial, 2006.

CARLOTTO, Mary Sandra. Síndrome de Burnout: um tipo de estresse ocupacional. Canoas: Ulbra, 2001.

CATHO. Disponível em: https://www.catho.com.br/carreira-sucesso/carreira/o-mercado-de-trabalho/mulheres-no-mercado-de-trabalho-panorama-da-decada/. Acesso 27 abril. 2021.

CODO, Wanderley; VASQUES-MENEZES, Iône. O que é burnout. Educação: carinho e trabalho, v. 2, p. 237-254, 1999.

DIEESE. Mulheres brasileiras. Disponíbel em: https://www.dieese.org.br/outraspublicacoes/2021/graficosMulheresBrasilRegioes2021.pdf. Acesso em 28 mar 2021.

GRANDO, Juliana Bedin; MACIEL, Renata. A luta das mulheres por melhores condições de trabalho: a precarização das relações laborais. In.: COSTA, Marli M. M. da; BOTTON, Letícia Thomasi Janhke. Gênero: identidade e reconhecimento. 1. ed. São Paulo: Letras Jurídicas, 2018.

IBGE. Agência De Notícias. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/27877-em-media-mulheres-dedicam-10-4-horas-por-semana-a-mais-que-os-homens-aos-afazeres-domesticos-ou-ao-cuidado-de-pessoas. Acesso 27 abril. 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/saude-mental/sindrome-de-burnout. Acesso em 27 abril 2021.

OIT. Informe Mundial sobre Salarios 2018/2019 Qué hay detrás de la brecha salarial de género. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_650653.pdf. Acesso em 27 jul. 2020.

OIT. Perspectivas Sociales y del Empleo en el Mundo Tendencias 2020. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_734481.pdf. Acesso 27 jul. 2020.

PEREIRA, Ana Maria T. Benevides. Burnoutt: Quando O Trabalho Ameaça O Bem. Casa do psicólogo, 2002.

PEBMED. Disponível em: https://pebmed.com.br/prevalencia-de-Burnoutt-e-maior-em-medicos-que-atuam-na-linha-de-frente-da-covid-19/. Acesso 27 jul. 2020.

TAMAYO, Mauricio Robayo. Burnout: implicações das fontes organizacionais de desajuste indivíduo-trabalho em profissionais da enfermagem. Psicologia: reflexão e crítica, v. 22, n. 3, p. 474-482, 2009.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA TERCEIRA REGIÃO. RO: 00110126220175030048 MG 0011012-62.2017.5.03.0048. Disponível em: https://portal.trt3.jus.br/internet. Acesso em 11 set 2021.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. RO: 69335420175150000. Disponível em: https://www.tst.jus.br/jurisprudencial. Acesso em 11 set 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-12

Como Citar

Gorczevski, C., & Kohls, C. C. (2022). As repercussões jurídicas e sociais da Síndrome de Burnout em mulheres trabalhadoras durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19). Revista Húmus, 12(35). Recuperado de https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/17708

Edição

Seção

Perspectivas do Direito, Educação e Literatura