A ONDA CONSERVADORA E AS NOVAS ESTRATÉGIAS DE DOMINÂNCIA DO CAPITAL SOBRE O TRABALHO

Autores

  • Pedro Henrique Feliciano Dias Sampaio

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2865.v26n2p472-492

Palavras-chave:

América Latina, neoliberalismo, acumulação, crises

Resumo

Os anos 2010 representaram uma nova década perdida para a economia latino-americana, que apresentou seu pior desempenho desde a crise da dívida nos anos 1980. A instabilidade política resultante foi propícia para a popularização de movimentos e lideranças associadas a uma visão conservadora de liberalismo. Colecionando sucessivas vitórias eleitorais, os governos da Onda Conservadora estabeleceram uma nova ordem liberal na região, acomodando as demandas das elites empresariais e suprimindo direitos trabalhistas e políticas sociais. O presente artigo propõe uma interpretação para este fenômeno político à luz da Teoria das Estruturas Sociais de Acumulação (Social Structure of Accumulation Theory). Essa tradição propõe um debate institucional crítico no âmbito da economia política, destacando o papel das relações de classe nos arranjos sociopolíticos que amparam os processos de acumulação e crescimento. Sob este referencial, é possível compreender a Onda Conservadora como um movimento neoliberal regressivo que objetiva uma maior dominação do capital sobre o processo de trabalho

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-01-14

Como Citar

SAMPAIO, Pedro Henrique Feliciano Dias.
A ONDA CONSERVADORA E AS NOVAS ESTRATÉGIAS DE DOMINÂNCIA DO CAPITAL SOBRE O TRABALHO
. Revista de Políticas Públicas, v. 26, n. 2, p. 472–492, 14 Jan 2023Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 14 abr 2024.