OS PRONOMES DEMONSTRATIVOS EM CONTEXTOS DE USO

Autores

  • Adriana Ferreira de Sousa Albuquerque PUC-Rio
  • Maria Crisvânia Coelho Leite dos Santos Faculdade Machado de Assis (FAMA

Palavras-chave:

pronomes demonstrativos, gramática funcional do discurso, linguagem.

Resumo

Segundo as gramáticas tradicionais, o que caracteriza, fundamentalmente, os pronomes demonstrativos é a sua função dêitica: indicam a posição dos seres, coisas e noções no espaço ou tempo em relação às três pessoas do discurso (1ª pessoa: este/a, isto; 2ª pessoa: esse/a, isso; 3ª pessoa: aquele/a, aquilo). Além da função dêitica, também são mencionadas a função anafórica e a catafórica que, respectivamente, fazem referência a algo já mencionado e ao que será citado no discurso. Essas classificações, no entanto, não dão conta de outros empregos desses pronomes no discurso oral e escrito. Considerando, pois, a multifuncionalidade dos pronomes demonstrativos, este artigo se propõe a  apresentar a descrição e a análise de alguns desses pronomes, considerando seus variados usos e valores semântico-pragmáticos. Os pressupostos teóricos que fundamentam esta pesquisa são os da Gramática Funcional do Discurso, modelo proposto por Hengeveld (2004), que considera a língua em uso, os participantes, o propósito comunicativo e o conteúdo discursivo. Os dados apresentados constatam que o emprego dos demonstrativos se manifesta com extrema riqueza na língua, indicando uma tendência de reconfiguração das funções básicas desses pronomes. As evidências apontam para um processo de subjetividade de ordem semântico-pragmático no uso dos demonstrativos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Ferreira de Sousa Albuquerque, PUC-Rio

Professora e coordenadora de Português para Estrangeiros. Letras. PUC-Rio

Maria Crisvânia Coelho Leite dos Santos, Faculdade Machado de Assis (FAMA

Professora de Língua Portuguesa - Letras

Referências

ANDRADE, A. Demonstrativos e [ana]fóricos em latim. Universidade de Aveiro, 2001. Disponível em: http://www2.dlc.ua.pt/classicos/pronomes.pdf. Acessado em 05/10/2019.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CAMACHO, R. G. Funcionalismo holandês: da gramática funcional à gramática funcional do discurso. Signótica Especial, n. 2, pp. 167 - 180, 2006.

CARRASCOSSI, C. N. S. Gramaticalização e (inter) subjetivização na modalidade em português: um estudo do pode ser. Tese de doutorado. Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

________. (org.). Gramática do Português Falado. 3. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2008.

CUNHA, C. & CINTRA, L. Nova Gramática do português contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

DIK, S. C. The theory of functional Grammar. Dordrecht Holland/Providence RI -USA, Foris Publications, 1989.

_______, S.C. The theory of Functional Grammar. Part I: The structure of the clause. Edited by Kees Hengeveld. Dordrecht: Foris, [1989] 1997a.

_______. The theory of Functional Grammar. Part II: Complex and Derived Constructions. Edited by Kees Hengeveld. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 1997b.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.

HENGEVELD, K. The architecture of a Functional Discourse Grammar. In MACKENZIE, J. L., GÓMEZ-GONZÁLEZ, M. Á. (eds), A new architecture for Functional Grammar (Functional Grammar Series 24). Berlin: Mouton de Gruyter Amsterdam, 2004, p. 1-21.

HYMES, D. Short notice of Dik's studies in functional grammar. Language in Society, v. 12, 1979.

MACEDO, W. Gramática da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Presença Edições, 1991.

MARINE, T. de C. Um estudo sócio-discursivo do sistema pronominal dos demonstrativos no português contemporâneo. 2009, 220f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista, 2009.

NEVES, M. H. de M. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

________ Gramática de Usos do português. 2ª. ed., São Paulo: Editora Unesp, 2011.

PEZATTI, E. G. Pesquisas em gramática funcional: descrição do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2009.

_______. O contexto na gramática discursivo-funcional. In Relações entre questões textual-discursivas e expressão morfossintática na gramática discursivo-funcional. Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários, Maringá, 2010. Disponível em http://www.dle.uem.br/funcpar/pezatti_cielli_2010.pdf. Acessado em 05/09/2019.

RIBEIRO, M. P. Gramática aplicada da língua portuguesa. 19ª. ed., Rio de Janeiro: Metáfora, 2010.

ROCHA LIMA, C. H. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. 49ª.ed., Rio de Janeiro: J. Olympio, 2011.

SANTANA, L. Relações de complementação no português brasileiro: uma perspectiva discursiva-funcional. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://static.scielo.org/scielobooks/yyvth/pdf/santana-9788579831164.pdf. Acessado em 25/08/2019.

SILVEIRA, C. D. L. A. Edição do manuscrito "Reminiscencias de Santos"do século XX: estudo comparativo das ocorrências dos pronomes demonstrativos desse corpus com ocorrências dos séculos XVII, XVIII e XIX. 2009, 309f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade de São Paulo, 2009

SOUZA, E. R. F. Gramática funcional: da oração rumo ao discurso. Revista Eletrônica de Linguística, Domínios de Linguagem. Ano 2, n. 1, 2008. Disponível em http://www.dominiosdelinguagem.org.br ISSN 1980.

Downloads

Publicado

2020-06-16

Como Citar

ALBUQUERQUE, Adriana Ferreira de Sousa; DOS SANTOS, Maria Crisvânia Coelho Leite.
OS PRONOMES DEMONSTRATIVOS EM CONTEXTOS DE USO
. Afluente: Revista de Letras e Linguística, v. 5, n. 15, p. 220–251, 16 Jun 2020Tradução . . Disponível em: . Acesso em: 21 abr 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos