ESTADO, VIOLÊNCIA E IMUNIZAÇÃO: O UTILITARISMO DA MORTE NA SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2236-9473v20n1.2023.6

Palavras-chave:

Sistema de Justiça Criminal, Imunização, Perigo, Biopolítica, Violência

Resumo

O artigo apresenta uma análise sobre os efeitos sociais da segurança pública exercida pelas instituições que compõem o Sistema de Justiça Criminal. Utilizando as reflexões de Roberto Espósito acerca da communitas/immunitas, dos antropólogos Marcel Mauss sobre a dádiva, Mary Douglas referente à pureza e perigo, assim como Pierre Clastres em relação à arqueologia da violência, o texto propõe uma análise cujo objetivo é compreender a biopolítica atual através de dados etnográficos da relação entre polícia, grupos de criminosos e moradores das comunidades faveladas cariocas, levantados nas pesquisas de Luiz Antônio Machado da Silva. Epistemologicamente, o artigo se insere em um esforço de compor uma análise conduzida por uma abordagem inscrita em um materialismo simbólico para tratar da metáfora estatal, a partir dos desdobramentos dos saberes biológicos e jurídicos que conformam subjetividades e ações, revelando formas específicas de sociabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-02-27

Como Citar

Souza, A. T., & Rosa, P. O. (2023). ESTADO, VIOLÊNCIA E IMUNIZAÇÃO: O UTILITARISMO DA MORTE NA SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO. Revista Pós Ciências Sociais, 20(1), 121–144. https://doi.org/10.18764/2236-9473v20n1.2023.6