ACESSIBILIDADE E HIBRIDISMO INFORMACIONAL

enfoque a partir dos sítios dos municípios de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2526-6160v22n1.2023.7

Palavras-chave:

interação humano-computador, acessibilidade digital, hibridismo informacional

Resumo

O problema da acessibilidade de pessoas com deficiência ficou agudizado com a pandemia do COVID-19. Atualmente, a Web é a principal tecnologia para o acesso à informação e utilização de serviços, e a falta desse acesso pode causar consequências graves. O objetivo deste trabalho era avaliar a acessibilidade dos sítios dos 645 municípios do Estado de São Paulo, com base nas diretrizes para conteúdo Web, e utilizando o software Avaliador e Simulador de Acessibilidade em Sítios (ASES). Dessa forma, procurou-se responder aos seguintes questionamentos: em que níveis de promoção de acessibilidade os municípios do Estado de São Paulo impulsionam o princípio da inclusão? Como potencializar os ganhos do hibridismo informacional na Web com base na promoção da acessibilidade? Para responder às questões, fez-se uma pesquisa bibliográfica e documental. Como resultados, verificou-se que 547 sítios tinham 34944 erros de marcação, 469 tinham 2235 erros de comportamento, 548 tinham 40397 erros de conteúdo, 133 tinham 1 erro de apresentação e 362 tinham 766 erros nos formulários. No geral, os órgãos analisados preocupam-se com a acessibilidade, mas os problemas identificados apontam para obstáculos que ainda precisam ser superados. Conclui-se que o primeiro passo para potencializar os ganhos do hibridismo informacional na Web com base na promoção da acessibilidade é reconhecer que a atual estrutura social é caracterizada pela concomitância entre híbridos de natureza e cultura diferentes, com actantes humanos e não humanos. O segundo passo é mapeá-los para compreender e mitigar o impacto de suas ações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Januário Albino Nhacuongue, Universidade Federal de São Carlos

Professor do Departamento de Ciência da Informação - UFSCar. Pós-doutorado em Ciência da Informação na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2018). Doutor em Ciência da Informação pela UNESP, Campus de Marília (2015). Mestre em Ciência da Informação pela UNESP, Campus de Marília (2011) e Licenciatura em Ciências Policiais pela Academia de Ciências Policiais de Moçambique - ACIPOL (2005). Membro dos Grupos de Pesquisa: Intelligence, Technology and Information Research Group - ITI RG/UFSC; Núcleo de Estudos em Informação, Tecnologia e Inovação NEITI/UFSCar. Parecerista e membro das revistas Semina: Ciências Sociais e Humanas - UEL e Brazilian Journal of Information Science: research trends - BRAJIS/UNESP. Membro do conselho editorial da Revista Informação em Pauta - UFC. Atua principalmente nos seguintes temas: recuperação de informação, interação humano-computador e arquitetura de informação, usuários de informação e competência em informação, banco de dados e sistemas de inteligência, segurança de informação, dados abertos e privacidade, design thinking e inovação.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15599: acessibilidade: comunicação na prestação de serviços. Rio de Janeiro: ABNT, 2008.

BACKES, L.; GIBBON RATTO, C. The tribes in the context of the digital technological hybridism: the constitution of the virtual digital acquaintanceship. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 564–579, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8646105. Acesso em: 20 ago. 2021.

BANCO MUNDIAL. Disability inclusion. Washington DC, 19 mar. 2021. Disponível em: https://www.worldbank.org/en/topic/disability#2. Acesso em: 14 maio 2021.

BENYON, D. Interação Humano-Computador. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 163, p. 3-9, 26 ago. 2009.

BURKE, P. Hibridismo cultural. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2003.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4. ed. São Paulo: Editora da USP, 2008.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. Cartilha acessibilidade na Web: benefícios, legislação e diretrizes da acessibilidade na Web. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2015. Disponível em: https://nic.br/media/docs/publicacoes/13/cartilha-w3cbr-acessibilidade-web-fasciculo-II.pdf. Acesso em: 13 fev. 2019.

EAGLETON, T. As ilusões do pós-modernismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 13 maio 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de saúde 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: https://www.icict.fiocruz.br/sites/www.icict.fiocruz.br/files/PNS%20Vol%202.pdf. Acesso em: 13 maio 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf. Acesso em: 13 maio 2021.

LATOUR, B. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2019

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, 1994.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba; Bauru-SP: Edusc, 2012.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LOGAN, R. K. Que é informação? A propagação da informação na biosfera, na simbolosfera, na tecnosfera e na econosfera. Rio de Janeiro: Contraponto: PUC-Rio, 2012.

MORVILLE, P.; ROSENFELD, L.; ARANGO, J. Information architecture for the World Wide Web: for the web and beyond. Sebastol, C.A.: O'Reilly Media Inc., 2015.

OLLILA, E. M.; MARTTI J. LEHTO, M. J.; HEIKKONEN, J. Actors in Society’s Hybrid Information Environment: Grounded Theory Analysis. In: EZE, T.; SPEAKMAN, L.; ONWUBIKU, C. (ed.) Proceedins of the 19th European Conference on Cyber Warface and security – ECCWS, 2020. Red Hook, Nova Iorque: Academic Conferences Ltd, 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Policy Brief: A Disability-Inclusive Response to COVID-19. Nova Iorque: UNITED NATIONS, 2020. Disponível em: https://unsdg.un.org/sites/default/files/2020-05/Policy-Brief-A-Disability-Inclusive-Response-to-COVID-19.pdf. Acesso em: 28 maio 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. United Nations disability inclusion strategy. Nova Iorque: UNITED NATIONS, 2018. Disponível em: https://www.un.org/en/content/disabilitystrategy/assets/documentation/UN_Disability_Inclusion_Strategy_english.pdf. Acesso em: 28 maio. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA – UNESCO. A Global Framework of Reference on Digital Literacy Skills for Indicator 4.4.2. Montreal: UNESCO Institute for Statistics, 2018. Disponível em: http://uis.unesco.org/sites/default/files/documents/ip51-global-framework-reference-digital-literacy-skills-2018-en.pdf. Acesso em: 3 jun. 2021.

ORGANIZAÇÃO do Tratado do Atlântico Norte – OTAN. Social media as a tool of hybrid warfare. Riga: NATO Strategic Communications, 2016. Disponível em: https://stratcomcoe.org/cuploads/pfiles/public_report_social_media_hybrid_warfare_22-07-2016-1.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.

PETERSON, C. Learning responsive web design: a beginner’sguide. Sebastopol: O’Reilly, 2014.

QUÉAU, P. O tempo do virtual. In: PARENTE, A. (org.) Imagem-máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: 34 Letras, 1999.

ROGERS, Y.; SHARP, H.; PREECE, J. Interaction Design: beyond human-computer interaction, Fifth Edition. 5. ed. Indianapolis: John Wiley & Sons, Inc., 2019.

SANTAELLA, L. A ecologia pluralista das mídias locativas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n.37, p. 20-24, dez. 2008. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/%20viewFile/4795/3599. Acesso em: 10 mar. 2019.

TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Criação e dialética do conhecimento. In: TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. (org.) Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008, p. 17-38.

WROBLEWSKI, L. Mobile first. Nova Iorque: A Book Apart, 2011.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

Nhacuongue, J. A. (2023). ACESSIBILIDADE E HIBRIDISMO INFORMACIONAL: enfoque a partir dos sítios dos municípios de São Paulo. Revista Bibliomar, 22(1), 139–160. https://doi.org/10.18764/2526-6160v22n1.2023.7

Edição

Seção

Artigos