AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS NO FILME BACURAU (2019): do imaginário ao real

Autores

  • Raquel Fabiana Lopes Sparemberger Fundação escola superior do Ministerio Público- FMP-RS
  • Tania Angelita Iora Guesser UFPEL- Universidade Federal de Pelotas.

Resumo

Com base nas discussões sobre o cinema e sua contribuição na construção de imaginários sociais coletivos, buscou-se, neste trabalho, apresentar uma reflexão sobre as variadas representações sociais demonstradas a partir do cinema, mais especificamente do filme Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. As figuras de poder e de representação social são analisadas a partir do discurso fílmico, como forma de demonstrar como o cinema é prática e representação social no que se refere à esfera política em suas distintas encarnações históricas. O método de abordagem é o hipotético--dedutivo, com pesquisa qualitativa, descritiva e, essencialmente, de caráter bibliográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Fabiana Lopes Sparemberger, Fundação escola superior do Ministerio Público- FMP-RS

Doutora em Direito pela Universidade Federal do Paraná – UFPR. Mestre em Direito pela UFPR. Professora-adjunta da Universidade Federal do Rio Grande – Furg. Professora do Programa de Mestrado em Direito da Universidade Federal do Rio Grande – Furg. Professora dos cursos de Graduação e do Programa de Mestrado em Direito da Faculdade de Direito da Fundação Escola Superior do Ministério Público – FMP/RS. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Teoria Geral do Direito, Direito Constitucional, Direitos Humanos, América Latina e questões decoloniais. Professora pesquisadora do CNPq e Fapergs. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa Tutelas à Efetivação dos Direitos Indisponíveis, Linha Tutelas à Efetivação de Direitos Públicos Incondicionados, e coordenadora do Grupo de Pesquisa Direito constitucional e violência da Furg. fabiana7778@hotmail.com

Tania Angelita Iora Guesser, UFPEL- Universidade Federal de Pelotas.

Doutoranda em Estudos Contemporâneos no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX — CEIS20 — Universidade de Coimbra/Doutoranda em Literatura UFPEL-RS.

Referências

AIDAR, Laura. Bacurau: análise do filme. Disponível em: culturagenial.com/bacurau-analise/. Acesso em: 31 dez. 2020.

AUMONT, Jacques; BERGALA, Alain;et. Al. A Estética do Filme. São Paulo: Papirus.

AUMONT, Jacques. As Teorias dos cineastas. Trad. Marina Appenzeller. Campinas: Papirus.

AVELINO, Yvone dias. FLÓRIO, Marcelo. História cultural: o cinema como representação da vida cotidiana e suas interpretações. São Paulo: Projeto História, n. 48.

BAKHTIN , Mikhail. (V. N. Volochínov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 9ª ed., São Paulo: Ed. Hucitec.

BERNARD, François de. Por uma definição do conceito de diversidade cultural. In: BRANT, Leonardo (org.). Diversidade cultural. Globalização e culturas locais: dimensões, efeitos e perspectivas. São Paulo: Escrituras Editora; Instituto Pensarte.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CHUERI, Vera Karam; SILVA, Ana Cláudia Milani. Sobre a surpresa e o apocalipse em Bacurau. ANAMORPHOSIS – Revista Internacional de Direito e Literatura, v. 6, n. 2, julho-dezembro.

DELEUZE, Gilles. Cinema 1: a imagem-movimento. Tradução Stella Senra. São Paulo: Brasiliense.

DURKHEIM, Émile (2007). Sociologia e filosofia. São Paulo: Ícone.

ESTEVES, Flávia Cópio. Reinventando o político nas telas: gênero, memória e poder no cinema brasileiro (décadas de 1970 e 1980). Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História.

FAGUNDES, Vinicius (2019). Bacurau, o novo cinema novo e o marxismo. Disponível em: https://medium.com/@Vinicius_Fagundes/bacural-o-novo-cinema-novo-e-o-marxismo-731675e8fed. Acesso em: 10dez. 2020.

FERRO, Marc (1992). Cinema e História. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

FOUCAULt, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Trad. Raquel Ramalhete. 23ª ed. Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Trad. José Augusto Guilhom Albuquerque e Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Tradução Vera Porto Carrero. 1ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel. Estratégia Poder-Saber. Trad. Vera Lúcia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GODARD, Jean-Luck. Histoire(s) du cinema. Tomo 2. Paris: Gallimard-Gaumont.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Sobre o filme Bacurau, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-dez-13/arnaldo-godoy-bacurau-kleber-mendonca-filho-juliano-dornelles. Acesso em: 15 dez. 2020.

GOMES, Aguinaldo Rodrigues; Trovão, Flávio Vilas-Bôas (2020). O voo do Bacurau: cinema, necropolítica e [contra]violência. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 17, a. XVII, jul./dez. Disponível em: https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/951/886. Acesso em: 31 dez. 2020.

GUTFREIND, Cristiane Freitas. Cinejornal sintoma de um discurso totalitário. Estudos de Sociologia, Araraquara, v.13, n.24, p.229-232. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/878/736. Acesso em: 26 dez. 2020.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

HOBSBAWM, Eric John.. Rebeldes primitivos. Tradução Nice Rissone. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

JODELET, Denise. As representações sociais. Tradução Lílian Ulup. Rio de Janeiro: Eduerj.

LANGON, Maurício. Diversidade cultural e pobreza. In: SIDEKUM, Antônio (org.). Alteridade e multiculturalismo. Ijuí: Editora Unijuí.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 14ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MACHADO, Roberto. Foucault, a ciência e o saber. Rio de Janeiro: Zahar.

MARQUES, Sílvia Cristina Aguetoni. O cinema como ferramenta de análise e transformação cultural: o franquismo em Bigas Luna. Semeiosis: Semiótica e Transdisciplinaridade em Revista, Suporte eletrônico, jul. Disponível em: http://www.semeiosis.com.br/u/64. Acesso em: 2 nov. 2020.

MENDONÇA, Thiago B. “Bacurau” e a nova onda do cinema brasileiro. Disponível em: https://epoca.globo.com/thiago-b-mendonca/cinema-bacurau-a-nova-onda-do-cinema-brasileiro-23917057. Acesso em: 5 dez. 2020.

MINAYO, Maria Cecília S.O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In: Guarechi, Pedrinho A. e Jovchelovitch, Sandra. Textos em representações Sociais. Rio de Janeiro: Vozes.

MONTIEL, Edgar. A nova ordem simbólica: a diversidade cultural na era da globalização. In: SIDEKUM, Antonio (org.). Alteridade e multiculturalismo. Ijuí: Editora Unijuí.

MORAES, Marcos Vinicius Malheiros (2018). “Genealogia – Michel Foucault”. In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo; Departamento de Antropologia. Disponível em: http://ea.fflch.usp.br/conceito/genealogia-michel-foucault. Acesso em: 10 dez. 2020.

MORIN, Edgar (2011). O método 4. As ideias: habitat, vida, costumes, organização. Porto Alegre: Sulina.

MOSCOVICI, Serge. A psicanálise, sua imagem e seu público. Tradução Sonia Fuhrmann. Petrópolis, RJ: Vozes.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes.

OLIVEIRA, Márcio S. B. S. Representações sociais e sociedades: a contribuição de Serge Moscovici. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 55, jun. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0102-69092004000200014. Acesso em: 20 nov. 2020.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 15, n. 29, p. 9-27.

POPINEAU, Helena. Bacurau: quando a covardia não é uma alternativa. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/09/16/artigo-or-bacurau-quando-a-covardia-nao-e-uma-alternativa/. Acesso em: 21 nov. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa; Nunes, João Arriscado (2003). Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. In: Santos, Boaventura de Sousa. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SOUZA, Washington Luis. Ensaio sobre a noção de poder em Michel Foucault. São Paulo: Revista Múltiplas Leituras, v. 4, n. 2, p. 103-124.

VANOYE, Francis; Goliot-Lété, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. São Paulo: Papirus Editora.

WEBER, Max. Economia y Sociedad. México: Fondo de Cultura Económica.

WEBER, Max. Estratégia poder-saber. In: MOTTA, Manoel Barros da (org.). Ditos e Escritos: IV. Tradução Vera Lucia Avellar Ribeiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

WEBER, Max. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. In: MOTTA, Manoel Barros da (org.). Ditos e Escritos: II. Tradução Elisa Monteiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Downloads

Publicado

2022-05-12

Como Citar

Sparemberger, R. F. L., & Guesser, T. A. I. (2022). AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS NO FILME BACURAU (2019): do imaginário ao real. Revista Húmus, 12(35). Recuperado de https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahumus/article/view/17675

Edição

Seção

Perspectivas da Filosofia