SABORES DO BRASIL: A LUDICIDADE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM SOBRE PATRIMÔNIO CULTURAL, EDUCAÇÃO PARA O TURISMO E GASTRONOMIA NACIONAL

Autores

  • Luiz Felipe Mendes Oliveira Centro Paula Souza, São Paulo, SP, Brasil

Resumo

Este estudo avalia e propõe o uso do jogo como instrumento de ensino-aprendizagem e apresenta uma pesquisa aplicada ao Curso de Gestão de Turismo do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP-SP). Realizando um levantamento dos pratos típicos da gastronomia brasileira e os contextualizando no âmbito do patrimônio cultural, a pesquisa estruturada considera a gastronomia como elemento cultural e, portanto, um atrativo turístico. Valendo-se dos conceitos de educação patrimonial e da educação para o turismo, tem-se a proposição de ensino-aprendizagem sobre o patrimônio gastronômico por intermédio do recurso da ludicidade na educação, tendo-se o jogo como elemento de mediação cultural e educativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Mendes Oliveira, Centro Paula Souza, São Paulo, SP, Brasil

Mestre em Ciências, com ênfase em desenvolvimento do turismo, pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP). Desenvolve pesquisa na área de patrimônio, turismo e educação patrimonial. Graduado em Gestão de Turismo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Possui qualificação e estágio técnico internacional em Turismo, Hotelaria e Espanhol pela Universidade de Alicante (UA) na Espanha. Técnico em Museu pelo Centro Paula Souza. Tem experiência em educação formal e não formal, já atuou como educador no Museu de Arte Sacra de São Paulo e no Museu da Cidade de São Paulo. Atualmente trabalha como professor de ensino técnico no Centro Paula Souza.

Referências

BRAGA, Gustavo Henrique. Brasil: um prato cheio para o turismo. Brasília, DF: Mtur, 2015. Disponível em http://www.turismo.gov.br/ultimas-noticias/974-brasil--um-prato-cheio-para-o-turismo.html. Acessado em 20 mar. 2016.

BRASIL. [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil: Artigo 216. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, 1990.

FAGLIARI, Gabriela Scuta. Turismo e alimentação: análises introdutórias. São Paulo: Roca, 2005.

FERNANDES, Caloca. Viagem gastronômica através do Brasil. 10. ed. São Paulo: Senac: Editora Estúdio Sonia Robatto, 2012.

GARIGLIO, José Ângelo. A ludicidade no “jogo” de relações trabalho/escola. Movimento, Ano 2, N. 3, 1995. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/2196/919. Acessado em 12 abr 2016.

HORTA M. L. P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Q. Guia básico de educação patrimonial. 3 ed. Brasília, DF: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Museu Imperial, 2006.

IPHAN. Educação Patrimonial: histórico, conceito e processos. 2014. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Educacao_Patrimonial.pdf. Acessado em 12 abr 2016.

LANIUS, Juliano. Projeto educação para o turismo. Disponível em http://www.portaleducacao.com.br/turismo-e-hotelaria/artigos/projeto-educacao-para-o-turismo/56421#ixzz461sHEuk7. Acessado em 12 abr 2016.

LEMOS, Carlos A. C. O que é patrimônio histórico? São Paulo: Brasiliense, 1981.

LODY, Raul. A virtude da gula: pensando a cozinha brasileira. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2014.

OLIVEN, Ruben George. Patrimônio Intangível: considerações iniciais. In: ABREU, R. CHAGAS, M. (org.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

PARAIZO, Rodrigo Cury. Jogos patrimoniais: representação digital do espaço. In: PINHEIRO, R. S. (org.). Cadernos do Patrimônio Cultural: educação patrimonial. v. 1, P. 103 – 120. Fortaleza: Secultfor: Iphan, 2015.

PECCINI, Rosana. A gastronomia e o turismo. Revista Rosa dos Ventos, v.5, n.2, p. 206-217, abr/jun, 2013.

PERNAMBUCO. Lei nº 13.428 de 16 de abril de 2008. Considera o Bolo Souza Leão Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Pernambuco. Palácio do Campo das Princesas, 16 de abril de 2008.

PERNAMBUCO. Lei nº 13.436, de 24 de abril de 2008. Considera o Bolo de Rolo Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Pernambuco. Palácio do Campo das Princesas, 24 de abril de 2008.

PERNAMBUCO. Lei nº 13.751, de 24 de abril de 2009. Considera a sobremesa Cartola Patrimônio Cultural Imaterial do Estado de Pernambuco. Palácio do Campo das Princesas, 24 de abril de 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 11.919, de 06 de junho de 2003. Declara integrante do patrimônio cultural do Estado os doces artesanais de Pelotas. Palácio Piratini, 06 de junho de 2003.

SANT’ANNA, Marcia. A face imaterial do Patrimônio Cultural: Os novos instrumentos de Reconhecimento e Valorização. In: ABREU, R. CHAGAS, M. (org.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

SANTOS, C. R. A. dos. A comida como lugar de história: as dimensões do gosto. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 54, p. 103-124, jan./jun. 2011.

SANTOS, Jurandir dos. Educação profissional & práticas de avaliação. São Paulo: Ed. Senac, 2010.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2020-02-02

Como Citar

Oliveira, L. F. M. (2020). SABORES DO BRASIL: A LUDICIDADE COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM SOBRE PATRIMÔNIO CULTURAL, EDUCAÇÃO PARA O TURISMO E GASTRONOMIA NACIONAL. Revista Turismo &Amp; Cidades, 1(2), 41–61. Recuperado de http://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/turismoecidades/article/view/12450

Edição

Seção

Artigos