DO USO TRADICIONAL DA TERRA À BIOPOLÍTICA E AS FORMAS DE RESISTÊNCIA DE MANOEL DA CONCEIÇÃO

Autores

  • Karina Borges Diaz Nery de Souza Universidade Estadual do Maranhão
  • José Carlos dos Anjos Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.18764/2178-2865.v27n1.2023.7

Palavras-chave:

Manoel da Conceição, biopolítica menor, comum, propriedade privada da terra

Resumo

Manoel da Conceição Santos foi um líder negro que lutou contra a expropriação das terras de lavradores(as) do vale do rio Pindaré, durante a ditadura civil-militar. Composta por maioria não-branca, a população da região foi criando modos de vida que possibilizassem a sobrevivência quando adentravam na floresta amazônica. Estes modos de vida se opunham à modernização da agricultura levada a cabo pelos governos militares. Contra a biopolítica, ou seja, a gestão da vida pelos cálculos militares, Manoel da Conceição usou seu corpo biológico e fez dele política, uma biopolítica menor. Este artigo buscou compreender a vida como política desta liderança, a partir, principalmente, de um livro no qual suas memórias impedem que o arquivo de construção de comuns no oeste maranhense seja esquecido

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-12-17

Como Citar

Souza, K. B. D. N. de, & Anjos, J. C. dos. (2023). DO USO TRADICIONAL DA TERRA À BIOPOLÍTICA E AS FORMAS DE RESISTÊNCIA DE MANOEL DA CONCEIÇÃO. Revista De Políticas Públicas, 27(1), 120–133. https://doi.org/10.18764/2178-2865.v27n1.2023.7