Turismo e distinção na globalização: o capital cultural para além da tese do cosmopolitismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2236-9473v20n2.2023.17

Palavras-chave:

Capital cultural, Globalização, Distinção, Turismo, Elite, Cosmopolitismo

Resumo

O artigo analisa as transformações do conceito bourdiesiano de capital cultural na situação de globalização por meio de um estudo empírico sobre turismo de luxo e “acessível”. Argumenta-se que, embora a tese do capital cultural cosmopolita tenha, mais recentemente, buscado apreender aquelas transformações, ela perde de vista a própria reconfiguração espacial promovida pela globalização por insistir na nação como referente principal das representações espaciais. A análise das ofertas do setor de turismo demonstra que o que está em questão não é a oposição entre nacional e estrangeiro, nem a superação dos referentes nacionais, mas a possibilidade, para certas frações de classe, de realizar novas composições distintivas entre diferentes escalas geosimbólicas. As fronteiras simbólicas se redesenham de forma a refletir o manejo distintivo das representações sociais acerca do espaço geográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-08-24

Como Citar

NICOLAU NETTO, Michel; MICHETTI, Miqueli.
Turismo e distinção na globalização: o capital cultural para além da tese do cosmopolitismo
. Revista Pós Ciências Sociais, v. 20, n. 2, p. 325–355, 24 Ago 2023 Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/22099. Acesso em: 15 jun 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Transações de bens simbólicos entre configurações nacionais