APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS NO ENSINO DE BIBLIOTECONOMIA A DISTÂNCIA

relato de elaboração de uma Lista de Cabeçalhos de Assunto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18764/2526-6160v22n1.2023.4

Palavras-chave:

Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP), ensino de Biblioteconomia a distância, lista de cabeçalhos de assunto

Resumo

Relata o delineamento pedagógico, do planejamento ao realinhamento, de uma atividade baseada na Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP) alinhada às competências e habilidades para o século XXI, na disciplina de Linguagens Documentárias da graduação a distância em Biblioteconomia em uma instituição particular. A proposta foi criar uma Lista de Cabeçalhos de Assunto de forma cooperativa e/ou colaborativa, integrando cerca de 170 estudantes de 6 turmas (cinco regulares e uma de dependência) do primeiro semestre letivo de 2022. Os objetivos da atividade foram: compreender possíveis ruídos causados pela linguagem natural durante o processo de indexação e entender os fundamentos teóricos das Listas de Cabeçalhos de Assunto. A sequência didática foi dividida em duas etapas: identificação de assuntos de livros digitais em linguagem natural e elaboração de Lista de Cabeçalho de Assunto. Foram utilizadas as ferramentas fórum de discussão, Docs Google® e Youtube®, bem como bibliotecas digitais. Além de permitir a compreensão do contexto histórico da criação das linguagens de indexação, permitiu que os alunos percebessem a necessidade de elaboração de teorias e normas para melhorar a comunicação documental. Para o realinhamento futuro da tarefa, que está sendo novamente desenvolvida no primeiro semestre de 2023, foi feita uma identificação mais detalhada dos objetivos de aprendizagem, objetivos digitais e conteúdos/conhecimentos necessários. Por fim, inicia a discussão sobre a necessidade de criação de uma taxonomia própria para o ensino de representação temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Juliana Prado Leite de Sousa, Centro Universitário Claretiano; Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Educação pela UFSCar. Realizou pesquisa de pós-doutorado no Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da UFSCar com a temática de análise bibliométrica sobre metodologias ativas de ensino-aprendizagem e ensino remoto. Atua como bibliotecária do Centro de Integração, Documentação e Difusão Cultural (CIDDIC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Também é professora do curso de Biblioteconomia do Centro Universitário Claretiano e coordenadora do curso de pós-graduação lato sensu em Metodologias Ativas de Ensino. Possui graduação em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela UFSCar, em Comunicação Social - Jornalismo pela UNESP e licenciatura plena em Língua Portuguesa pelas FIMI. É pesquisadora dos Grupos de Pesquisa Estudos da Música Brasileira dos séculos XX e XXI - UNICAMP e Processos de ensino e aprendizagem na modalidade a distância a partir da implementação do laboratório/brinquedoteca - UFSCAR. Tem experiência no ensino presencial e a distância de Biblioteconomia e na elaboração de material didático, em especial nas áreas de classificação bibliográfica, tesauros, indexação, análise documental e catalogação.

Vanessa de Oliveira Andrade, Centro Universitário Claretiano

Bacharel em Biblioteconomia pelo Centro Universitário Claretiano. Tem experiência como auxiliar de biblioteca e com normalização acadêmica e científica desde 2010.

Referências

ANDERSON, L. W.; KRATHWOHL, D. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Bloom's taxonomy of educational objectives. New York: Longman, 2001. Disponível em: https://www.uky.edu/~rsand1/china2018/texts/Anderson-Krathwohl%20-%20A%20taxonomy%20for%20learning%20teaching%20and%20assessing.pdf. Acesso em: 07 jan. 2023.

BARCELLOS, Barbara França; CARVALHO, Telma de. Metodologias ativas de ensino aprendizagem na formação de bibliotecários: uma necessidade emergente. Convergência em Ciência da Informação, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 123-130, 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/conci/article/view/10233. DOI: https://doi.org/10.33467/conci.v1i2.10233. Acesso em: 21 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais de qualidade para Educação Superior a Distância. Brasília, DF: MEC, agosto de 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf. Acesso em: 16 jul. 2022.

CESARINO, Maria Augusta da Nóbrega; PINTO, Maria Cristina Mello Ferreira. Cabeçalho de assunto como linguagem de indexação. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 268-288, 1978. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/71210. Acesso em: 12 dez. 2018.

CHURCHES, Andrew. Bloom´s digital taxonomy. Preuzeto, 2007. Disponível em: https://www.pdst.ie/sites/default/files/BloomDigitalTaxonomy-AndrewChurches.pdf. Acesso em: 09 fev. 2023.

EDUCATION FOR LIFE AND WORK: developing transferable knowledge and skills in the 21st Century. National Academies of Sciences, Engineering, and Medicine. James W. Pellegrino and Margaret L. Hilton, Editors. Washington, DC: The National Academies Press, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.17226/13398. https://nap.nationalacademies.org/read/13398/chapter/1. Acesso em: 20 jul. 2022.

FERRAZ, Wanda. Relação de assuntos para cabeçalhos de fichas. 5. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1977.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/gp/a/bRkFgcJqbGCDp3HjQqFdqBm/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 08 fev. 2023.

FERREIRA, Vania de Souza et al. Didática. Porto Alegre: SAGAH, 2018.

FIUZA, Marysia Malheiros. O ensino da “Catalogação de assunto”. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 257-269, 1985. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reb/article/view/36526. Acesso em: 19 jul. 2022.

GIL URDICIAIN, Blanca. Manual de linguajes documentales. 2. ed. rev. ampl. Gijón (Asturias): Ediciones Trea, 2004.

KARPINSKI, Josiani Aparecida. et al. Fatores críticos para o sucesso de um curso em EAD: a percepção dos acadêmicos. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 22, n. 2, p. 440-457, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-40772017000200010. Acesso em: 17 jul. 2022.

KOBASHI, Nair Yumiko. Fundamentos semânticos e pragmáticos da construção de instrumentos de representação de informação. DataGramaZero, João Pessoa, v. 8, n. 6, dez. 2007. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000007756/afaee985f0729edf7ceb3925f54e80a4 Acesso em: 12 dez. 2018.

LIB NEO, José Carlos. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2018.

MACULAN, Benildes Coura Moreira dos Santos et al. Estratégias avaliativas no ensino de organização da informação no curso de Biblioteconomia. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 18, p. 01-22, 2022. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/1697. Acesso em: 20 jan. 2022.

MAPFRE América. Glossário de termos de assunto do Handbook of Latin American Studies. [S. l.: s. n.], c1995. Disponível em: http://lcweb2.loc.gov/hlas/portugues/assuntos.html. Acesso em: 19 jul. 2022.

MARTINHO, Noemi Oliveira; FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. La catalogación de materias: apuntes históricos sobre su normalización. Scire: representación y organización del conocimiento, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 61–70, 2010. Disponível em: https://www.ibersid.eu/ojs/index.php/scire/article/view/4012. Acesso em: 20 jul. 2022. DOI: 10.54886/scire.v16i2.4012.

ONU. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Traduzido do inglês pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) e revisado pela Coordenadoria-Geral de Desenvolvimento Sustentável (CGDES) do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Última edição em 11 de fevereiro de 2016. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/Brasil_Amigo_Pesso_Idosa/Agenda2030.pdf. Acesso em: 12 fev. 2023.

SOUSA, Raquel Juliana Prado Leite de. Plano de ensino. Batatais, SP: Claretiano, 2022.

SOUZA, Leandro do Nascimento de; TANUS, Gabrielle Francinne de S. C. Metodologias ativas de aprendizagem no ensino da biblioteconomia: uma revisão sistemática da literatura. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., Rio de Janeiro, 25 a 29 de outubro de 2021. Anais [...]. Rio de Janeiro: Ibict, 2021. Disponível em: https://ancib.org/enancib/index.php/enancib/xxienancib/paper/viewFile/305/380. Acesso em: 19 jul. 2022.

TÔRRES, Lecy Maria Caldas. Sistematização da Sintaxe de Cabeçalho de Assunto. [S. l.; s. n., 199?]. Disponível em: http://eooci.uff.br/sistematizacao-da-sintaxe-de-cabecalho-de-assunto/. Acesso em: 19 jul. 2022.

WESTPHAL, Julhane; MIRITZ, Luciane Dittgen. Objetivos educacionais de aprendizagem e processos cognitivos de alto nível no ensino remoto: uma análise a partir da taxonomia digital de Bloom. In: JORGE, Welington Junior (Org.). Tecnologias e mídias digitais na educação: conceitos práticos e teóricos. Maringá, PR: Uniedusul, 2021. p. 63-77. cap. 6. Disponível em: https://www.uniedusul.com.br/wp-content/uploads/2021/12/E-BOOK-TECNOLOGIAS-E-MIDIAS-DIGITAIS-NA-EDUCACAO-CONCEITOS-PRATICOS-E-TEORICOS.pdf#page=63. Acesso em: 19 jul. 2022.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Tradução E. Rosa. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul, 1998.

ZENG, Marcia Lei. Knowledge Organization Systems (KOS). Knowledge Organization, v. 35, n. 2-3, p. 160-182, 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/297530633_Knowledge_Organization_Systems_KOS/download. Acesso em: 21 jul. 2022.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

Sousa, R. J. P. L. de, & Andrade, V. de O. (2023). APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS NO ENSINO DE BIBLIOTECONOMIA A DISTÂNCIA: relato de elaboração de uma Lista de Cabeçalhos de Assunto. Revista Bibliomar, 22(1), 74–97. https://doi.org/10.18764/2526-6160v22n1.2023.4

Edição

Seção

Artigos