CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO EM DOSSIÊ TEMÁTICO

2021-06-17

DOSSIÊ TEMÁTICO: INTERDISCIPLINARIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO


ORGANIZADORES:

Dra. KATIA CILENE FERREIRA FRANÇA

Dr. WASHINGTON TOURINHO JÚNIOR

Dra. SYLVANA KELLY MARQUES DA SILVA

 

       O que vem a ser um conhecimento científico? Como podemos definir e delimitar a sua produção? Segundo Boaventura Santos (2001) o conhecimento científico, ou mais precisamente o discurso sobre as ciências e a utilização do termo científico agregado ao vocábulo conhecimento, teve sua primeira utilização no século XVI, atingindo o seu apogeu com a operação comtiana no século XIX. Este trajeto de criação e consolidação legou-nos um paradigma de conhecimento centrado na disciplinarização e na razão técnica como forma de construção de uma verdade supostamente objetiva e neutra. Esse paradigma dominante, conforme pontua Boaventura Santos (2001), construiu uma perspectiva analítica de mundo, tanto social quanto natural, que se acreditava técnica, profundamente especializada e recortada por espaços disciplinares. Esta tríade: técnica, razão e disciplinarização seria, pois, a única forma de chegar a uma verdade científica e neutra (GUSDORF, 1995).

         Com o advento da Sociedade de Rede (CASTELS, 2015) e das novas tecnologias de informação e comunicação, o paradigma dominante foi posto em xeque e a tríade citada mostrou-se incapaz de resolver as demandas e problemas próprios das novas formas de relação social e de produção do conhecimento. A racionalidade técnica viu suas verdades questionadas pela inserção de análises filosóficas e históricas, as quais puseram em dúvida a existência de um conhecimento universal. A disciplinarização foi aos poucos substituída pela perspectiva interdisciplinar de construção do conhecimento. O diálogo interativo entre disciplinas científicas passou a se constituir como um contraponto à perspectiva fragmentada do conhecimento. A cada nova pesquisa, a cada nova síntese construída, a interdisciplinaridade vai se afirmando como uma das linhas de força do conhecimento científico.

       Segundo Basarab Nicolescu (2000), a interdisciplinaridade revela-se cada vez mais uma tendência fundamental para a construção e para a resolução das demandas presentes no conhecimento científico. De acordo com Nicolescu, a interdisciplinaridade consiste na transferência de métodos e conceitos de uma disciplina para outra sem a perda da identidade do objeto pesquisado, uma vez que ela ocorre tanto na aplicação metodológica quanto no nível epistemológico – como a transferência de métodos da Linguística para a formulação de análises sobre  questões sociais, ou a mobilização de conceitos da Sociologia e da Economia para a análise histórica e geográfica – possibilitando inclusive a geração de disciplinas que problematizam a organização de estruturas essenciais das sociedades, os sistemas financeiros e econômicos criativos, as distintas relações ambientais, as formas de migrações e deslocamentos, que germinam por meio encontro e debate de diferentes linhas de pensamento. Tal questão demonstra a necessidade de busca de novas formas de análise e construção da verdade científica a partir do intercâmbio constante entre as diversas áreas do conhecimento.

        É com base nestes argumentos e na adoção de um ponto de vista interdisciplinar, que a Revista Infinitum – Revista do Campus de São Bernardo da Universidade Federal do Maranhão –, conectada e articulada com as discussões e propostas teóricas, metodológicas e educacionais existentes em nosso meio, nas áreas das Ciências Humanas, da Educação, da Linguística, da Literatura, da Artes, do Turismo, propõe como dossiê para a sua próxima edição a temática “A Interdisciplinaridade e a Produção de Conhecimento Científico.”

 

PRAZOS:  PRORROGADO

Prazo de submissão: Até 30 de Abril de 2022

Pareceres dos avaliadores: Maio a Junho de 2022

Revisão dos autores: Julho de 2022

Editoração: Julho de 2022

Lançamento: Até Agosto de 2022

 

REGRAS GERAIS:

  1. Número de artigos: de 8 a 10, seguindo as normas da revista.
  2. É permitida apenas 1 publicação por autor, com até 3 coautores.
  3. Caso haja aprovação de mais de 10 artigos, estes poderão ser publicados em outros números da revista nos números de fluxo contínuo.